Síntese Estatística da Habitação

2017 foi um ano marcado por fortes crescimentos nos principais indicadores do segmento da habitação. As licenças emitidas pelas Câmaras Municipais para construção e reabilitação de edifícios habitacionais aumentaram 14,7% para 11.825 e o número de fogos novos licenciados cresceu 22,6% para 13.918, valor que corresponde ao registo mais elevado dos últimos 6 anos. No mesmo sentido, o consumo de cimento no mercado nacional aumentou 13,2%, em termos homólogos, sendo necessário recuar até ao ano de 2012 para encontrar um ano com um consumo de cimento superior ao atual.

Em dezembro de 2017, o stock de crédito concedido pelas instituições financeiras às empresas do setor da construção e do imobiliário observou uma quebra de 1,9% em termos homólogos. De igual modo, o stock de crédito à habitação concedido pelas instituições financeiras a particulares registou uma variação de -1,4% totalizando 93.216 milhões de euros. Já no que concerne ao novo crédito concedido para aquisição de habitação assistiu-se a um forte acréscimo de 42,6% totalizando 8.259 milhões de euros.

Relativamente ao valor médio da avaliação bancária no âmbito das transações de imóveis habitacionais com recurso a crédito bancário observou-se, em dezembro de 2017, um aumento de 4,5% em termos homólogos, fixando-se em 1.150€ por m2. Nos apartamentos o valor fixou-se em 1.200€ por m2, em resultado de um acréscimo de 5,0%, em termos homólogos. Nas moradias o valor médio de avaliação bancária foi de 1.067€, o que traduz um aumento de 4,0%, face a dezembro de 2016.

ÁREA METROPOLITANA DO PORTO

Na Área Metropolitana do Porto foram licenciados 1.903 fogos em construções novas em 2017, o que traduz um aumento de 37,8%, face a 2016. Destes, 58,2% são de tipologia T3 ou superior e 41,8% de tipologia T2 ou inferior. Quanto aos valores de avaliação bancária na habitação nesta região verificou-se, em dezembro, um aumento em termos homólogos, de 5,8% para 1.113€ por m2.

Tags:

Sobre nós

AICCOPN - Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas assume-se como a porta-voz das preocupações e interesses dos empresários do sector, desempenhando uma dupla função de lobby junto dos órgãos de decisão e de prestação de um conjunto de serviços.Esta Associação é hoje a maior associação industrial do país, representando cerca de oito mil Associados.

Subscrever