AEROPORTO HUMBERTO DELGADO INVESTE EM NOVAS ÁREAS OPERACIONAL E COMERCIAL

O Aeroporto Humberto Delgado está mais funcional. Foram investidos 30 milhões de euros no aumento da capacidade operacional e na conclusão da expansão e otimização da área comercial, agora com mais e melhor oferta. A restauração localiza-se numa única área central e tem novos conceitos à disposição dos clientes. No total foram criados 180 novos postos de trabalho.
 
Em termos operacionais, os investimentos permitem incrementar a capacidade de processamento de passageiros. Nasceu uma nova área de controlo e rastreio de segurança, com dez novos equipamentos de inspeção por Raios X, que faz subir a capacidade da operação para três mil passageiros/hora, apenas no Terminal 1, e eleva as condições de qualidade de serviço.
 
Em paralelo, existem agora mais nove leitores de validação de cartões de embarque. Com estes últimos equipamentos, passa a ser possível, pela primeira vez nos aeroportos nacionais, o acesso a áreas controladas sem intervenção humana. Mais um dos passos do aeroporto de Lisboa, e da ANA Aeroportos / VINCI Airports, na exploração e aplicação de novas tecnologias.
 
Tema igualmente relacionado com o incremento da capacidade do aeroporto de Lisboa é a abertura da nova zona de check-in, com o aumento imediato de mais dez balcões, que serão acrescidos de outras seis unidades, já em novembro.
 
No Terminal 2 também há novidades, com a sala de embarque completamente reorganizada, com zonas de circulação e de estada mais amplas o que resulta numa melhor experiência de utilização dos espaços.
 
No que às acessibilidades ao terminal de passageiros diz respeito, algumas das apostas do Aeroporto de Lisboa passam por reordenar o espaço disponível, privilegiar o acesso e introduzir a solução Kiss & Fly (estacionamento gratuito para os primeiros 10 minutos).
 
Estas soluções, já parcialmente implementadas, permitem:
•             Melhor experiência para todos os passageiros;
•             Melhor experiência para todos os utilizadores na tomada e largada de passageiros;
•             Mais ganhos operacionais para todos os que trabalham no aeroporto;
•             Maior tranquilidade para todos.

O QUE MUDOU NA ÁREA COMERCIAL
 
A MAIN SHOP

Com um design contemporâneo e atrativo, a loja Duty Free Store nasce da interpretação da cidade de Lisboa, desde a calçada portuguesa aos azulejos. Agora com mais 450 m2, esta loja expandiu a oferta e conta com o inovador conceito de walkthrough que permite uma ambiência comercial distinta, sendo o primeiro ponto de contacto dos passageiros com a área comercial, localizada na zona restrita do aeroporto.
 
A loja, que ocupa agora uma área total de 1.900 m2, divide-se em diferentes áreas: perfumes e cosmética, tabaco, bebidas, chocolates, Taste of Portugal, relojoaria e acessórios de moda e áreas promocionais.
 
Na área de perfumaria destaca-se o aumento das marcas premium, com introdução de áreas específicas para Tom Ford e Carolina Herrera. Já a área de cosmética foi ampliada e conta com a introdução de novas marcas como a Kérastase.
 
Na área Taste of Portugal, com a utilização do azulejo integrado no mobiliário, pretende-se reforçar a identidade do espaço, destacando simultaneamente os produtos nacionais expostos.
 
 
OS RESTANTES CONCEITOS COMERCIAIS E MARCAS

Na restante área comercial foi introduzido um conjunto de marcas premium que agora se junta à oferta disponível na área restrita de partidas. Entre elas incluem-se Carolina Herrera, Max Mara, Versace e Calvin Klein.
               
A Attitude, com 276 m2, é uma loja multimarca de segmento premium, onde se encontram marcas como a Hugo Boss, Tag Heur, LongChamp, Frank Muller, Gucci, Breitling e Omega.
 
Neste espaço existem ainda lojas como a Guess e a mundialmente reconhecida Michael Kors. Na Fashion Gate estão as marcas G.Star, Calvin Klein Jeans, Braccialini e Melissa, entre outras. Já na Betrend, espaço dedicado a acessórios de moda das mais prestigiadas marcas e recente alvo de expansão, destacam-se Armani Jeans, Furla, DKNY, Coccinelle e Love Moschino.
 
Referência ainda para a Sports at Heart, dedicada aos fãs de desporto, a renovada loja de artesanato e o Chocolate Lounge, dedicado às melhores marcas de chocolataria do mundo.
 
Na área Não Schengen, a oferta comercial foi também reforçada com a introdução de novas marcas e conceitos, como Porsche Design, Tumi, Dreams Gourmet, Rimowa e Parfois. E ainda uma loja multimarca, que reúne marcas como Liu Jo, Braccialini, Max Mara Weekend e Calvin Klein Jeans.
 
Para breve está a abertura da marca Ale-Hop, uma loja de acessórios e utilidades que dão mais cor e alegria às compras dos passageiros. Passará ainda a estar disponível um conceito inovador de máquinas de vending de última geração, que para além de snacks e produtos alimentares, irá oferecer gadgets, eletrónica e acessórios de viagem, tudo direcionado para compras “last minute”.

A RESTAURAÇÃO

Com 1.555 m2 e localizada numa única área central, a área da restauração conta com novos conceitos.
 
O Mercado, a pastelaria francesa Paul e a Versailles, uma das mais emblemáticas pastelarias de Lisboa, são outras das opções para os passageiros, a que se somam a Go Natural, o Cockpit a Gelati di Chef e a loja de guloseimas Sweet Colors.
 
Também presentes as marcas McDonald’s, KFC e a Pizza Hut.

Sobre o Grupo ANA
O Grupo ANA é um sólido grupo empresarial responsável pela gestão dos aeroportos em Portugal Continental (Humberto Delgado, Porto, Faro e Terminal Civil de Beja), na Região Autónoma dos Açores (Ponta Delgada, Horta, Santa Maria e Flores) e na Região Autónoma da Madeira (Madeira e Porto Santo). Em Setembro de 2013, o Grupo ANA integrou a VINCI Airports.
 
Sobre a VINCI Airports
Operador internacional no sector aeroportuário, a Vinci Airports assegura o desenvolvimento e operação de 34 aeroportos, incluindo 12 em França, 10 em Portugal (entre os quais o hub de Lisboa, com 20 milhões de passageiros), 3 no Camboja, 2 no Japão, 6 na República Dominicana e o de Santiago do Chile, o sexto maior aeroporto sul-americano.
Servido por mais de 140 companhias aéreas, o conjunto das plataformas da VINCI Airports gere um tráfego de mais de 100 milhões de passageiros anuais, com um volume de negócios de mais de 820 milhões de euros 1 . Graças à sua experiência como integrador global, a VINCI Airports, com os seus 8500 colaboradores, desenvolve, financia, constrói, opera aeroportos e disponibiliza a sua capacidade de investimento, a sua rede internacional e o seu conhecimento especializado na otimização da gestão das plataformas existentes, de projetos de expansão ou de construção completa de infraestruturas aeroportuárias.
Mais informações em www.vinci-airports.com
1 - Valor de 2015 não incluindo Chile, Japão e República Dominicana
 

Tags:

Sobre nós

Tem como missão gerir de forma eficiente as infra-estruturas aeroportuárias.

Subscrever