ASTELLAS ANUNCIA NOVOS DADOS DA ENZALUTAMIDA NO CONGRESSO DA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA DE UROLOGIA 2015

A Astellas Pharma anunciou novos dados do ensaio clínico de fase II, TERRAIN, que compara a enzalutamida com a bicalutamida no cancro da próstata metastático resistente à castração (CPRCm), bem como a atualização da análise da sobrevivência global do ensaio clínico PREVAIL, um ensaio clínico controlado com placebo, envolvendo enzalutamida em doentes com cancro da próstata metastático resistente à castração que não receberam quimioterapia prévia. A informação foi apresentada durante a sessão plenária no Congresso da Associação Europeia de Urologia 2015, em Madrid, Espanha.
 
“A informação apresentada no Congresso demonstra o alcance e profundidade do programa de desenvolvimento da enzalutamida,” afirmou Claire Thom, Vice-presidente Sénior e Responsável da Área Oncológica da Astellas Pharma. “Somos motivados por ver que a enzalutamida continua a gerar informação promissora e importante para homens com cancro da próstata avançado e para as suas famílias.”  
 
Destaques da informação da Enzalutamida
 
Título: Um estudo aleatorizado, de fase II, em dupla ocultação, sobre a segurança e eficácia de enzalutamida em comparação com bicalutamida no cancro da próstata metastático resistente à castração: ensaio clínico TERRAIN 1
O ensaio clínico TERRAIN, de fase II, envolveu 375 doentes na América do Norte e Europa. O ensaio incluiu doentes com cancro da próstata metastático cuja doença progrediu apesar do tratamento com análogo LHRH ou após castração cirúrgica. O objetivo primário do ensaio foi a sobrevivência livre de progressão (PFS), definida enquanto tempo desde a aleatorização até à confirmação de progressão radiográfica, ocorrência de acontecimentos músculo-esqueléticos, início de nova terapia antineoplásica ou morte, dependendo de qual acontecer primeiro. O ensaio clínico foi desenvolvido para avaliar a enzalutamida numa dose de 160 mg em toma única diária oralmente versus bicalutamida numa dose de 50 mg tomados uma vez ao dia, sendo esta a dose aprovada em combinação com análogo LHRH.
“Os resultados do ensaio clínico TERRAIN, se confirmados, têm o potencial para impactar o contexto do tratamento do cancro da próstata metastático resistente à castração (CPRCm)”, afirmou Axel Heidenreich, Director do Departmento de Urologia, Hospital Universitário Aachen, Alemanha. “O estudo demonstrou melhoria com enzalutamida em comparação com a prática standard de adição da bicalutamida ao análogo de LHRH.”
 
 

  • O ensaio clínico alcançou o seu objetivo primário de um aumento estatisticamente significativo na PFS para enzalutamida comparativamente com bicalutamida. A PFS mediana no braço tratado com enzalutamida foi de 9,9 meses mais longa comparada com o braço tratado com bicalutamida (15,7 vs 5,8 meses, respetivamente) com um Hazard Ratio (HR) de 0,44 (intervalo de confiança de 95%, 0,34-0,57; p <0,0001);
  • O tempo mediano para progressão do PSA foi de 13,6 meses mais longo com enzalutamida (19,4 meses) relativamente ao tratamento com bicalutamida (5,8 meses) com um HR de 0,28 (p <0,0001);
  • 82% dos doentes tratados com enzalutamida atingiram uma redução do PSA ≥ 50% redução desde a linha de base à semana 13 versus 21% nos doentes tratados com bicalutamida;
  • O tempo mediano em tratamento com enzalutamida foi de 11,7 meses comparativamente a 5,8 meses com bicalutamida;
  • O perfil de segurança dos doentes tratados com enzalutamida no TERRAIN é consistente com o perfil de segurança de enzalutamida conhecido anteriormente.
    • Efeitos adversos graves (AEs) foram reportados em 31,1% de doentes tratados com enzalutamida versus 23,3% de doentes tratados com bicalutamida e AEs cardíacos de grau 3 ou superior foram observados em 5,5% dos doentes tratados com enzalutamida versus 2,1% dos doentes tratados com bicalutamida. Foram reportadas duas convulsões com enzalutamida e uma com bicalutamida;
    • Os AEs comuns (≥10%) reportados mais frequentemente com enzalutamida versus bicalutamida foram: fadiga (27,9% vs 20,1%), dorsalgia (19,1% vs 18,0%), rubor quente (14,8% vs 11,1%), hipertensão(14,2% vs 7,4%), diarreia (11,5% vs 9,0%), perda de peso (10,9% vs 7,9%) e dores nas extremidades (10,9% vs 5,3%).
 
Título:  Enzalutamida em homens com cancro da próstata metastático resistente à castração: Análise final da sobrevivência global do ensaio clínico de fase III PREVAIL 2
 
PREVAIL é um ensaio clínico de fase III, aleatorizado, com dupla ocultação, controlado com placebo, multinacional, envolveu de 1717 doentes em centros de investigação nos EUA, Canadá, Europa, Australia, Rússia, Israel e Ásia, incluindo Japão. O ensaio clínico incluiu doentes que ainda não tinham recebido tratamento prévio com quimioterapia e cuja doença progrediu após tratamento com análogo LHRH ou após orquiectomia. Os objetivos coprimários deste estudo foram a sobrevivência global e a sobrevivência livre de progressão radiográfica. O estudo foi desenhado para avaliar a eficácia da enzalutamida na dose de 160 mg, uma vez ao dia, por via oral comparativamente a placebo.
 
"As observações mais interessantes sobre esta informação são: a enzalutamida atingiu sobrevivência global significativa apesar de muitos doentes receberem tratamento adicional; o diagnóstico de quando a doença se torna metastática, que impulsiona o tempo de início da terapia, é importante”, afirmou Bertrand Tombal, Professor no Departamento de Urologia da Universidade de Louvain, Bruxelas. Segundo Tombal, “A abordagem standard , como a feita no braço de placebo no PREVAIL, é geralmente aguardar por alguns sintomas ou rápida progressão radiográfica antes de iniciar a quimioterapia. No entanto, este estudo demonstra que iniciar enzalutamida aos doentes no momento em que o cancro da próstata resistente à castração (CPRC) se torna metastático tem potencial para prolongar a sobrevivência.”
 
 
  • Foi conduzida uma análise atualizada da sobrevivência global às 784 mortes e foi encontrado um benefício estatisticamente significativo com a redução de 23% no risco de morte (OS: HR 0,77; 95% CI 0,67–0,88; p=0,0002) e uma melhoria na sobrevivência mediana de 4 meses com enzalutamida (35,3 meses [95% IC 32,2– ainda não alcançados]) acima do placebo (31,3 meses [95% IC 28,8–34,2]). Em junho de 2014 deu-se a data de termino com um follow up mediano com a duração de 31 meses:
  • 52% dos doentes tratados com enzalutamida e 81% dos doentes tratados com placebo receberam ≥ 1 terapêutica(s) subsequente(s) para o cancro da próstata
     
    Sobre XTANDI (enzalutamida)
    XTANDI é um inibidor da via de sinalização do recetor androgénico (RA), com toma única diária por via oral. XTANDI atua em três fases diferentes da via de sinalização do recetor androgénico:
     
  • Bloqueia a ligação dos androgénios:
    • Inibe competitivamente a ligação dos androgénios aos recetores androgénicos
  • Impede a translocação nuclear dos RA:
    • A translocação do RA para o núcleo é um passo essencial na mediação da regulação do gene do recetor androgénico
  • Afeta a ligação ao DNA, impedindo a modulação da expressão genética:
    • A interação do recetor androgénico ao DNA é essencial para a modelação da expressão do gene
Enzalutamida foi aprovada pela Comissão Europeia em junho de 2013 para o tratamento de homens adultos com CPRCm cuja doença tenha progredido durante ou após o tratamento com docetaxel. A enzalutamida está atualmente aprovada na Europa também para o tratamento do cancro da próstata metastático resistente à castração em doentes assintomáticos ou ligeiramente sintomáticos após insucesso da terapia de privação androgénica, para os quais a quimioterapia não é ainda clinicamente indicada.
 
Sobre a Astellas Pharma
A Astellas Pharma é uma companhia farmacêutica comprometida com a melhoria do estado de saúde das populações mundiais, fornecendo as mais recentes e inovadoras terapêuticas. O foco da organização está na disponibilização de terapêuticas, ao nível da I&D e da comercialização de tratamentos eficazes, que melhorem a vida dos doentes, continuando a crescer de forma sustentada no seu setor. É uma das 20 maiores empresas farmacêuticas, que emprega cerca de 15 mil colaboradores em todo o mundo.
A Astellas está em Portugal desde 1967, conta com cerca de 53 colaboradores e focaliza-se nas seguintes áreas terapêuticas: Oncologia, Urologia, Dermatologia, Transplantação, Anti-infecciosos e Dor.
Para mais informações sobre a Astellas visite http://www.astellas.com.pt/pt/ .
 
 
Referências
1 A randomized, double-blind, phase 2, efficacy and safety study of enzalutamide vs. bicalutamide in metastatic castrate resistant prostate cancer: TERRAIN trial. Abstract presented at EAU 2015
2 Enzalutamide in men with chemotherapy-naïve metastatic castration-resistant prostate cancer (mCRPC): Final overall survival analysis of the phase 3 PREVAIL study. Abstract presented at EAU 2015
3 Tran C, et al. Development of a second-generation antiandrogen for treatment of advanced prostate cancer. Science 2009; 324:787-790 
4 Hu R, Denmeade SR and Luo J. Molecular processes leading to aberrant androgen receptor signaling and castration resistance in prostate cancer. Expert Rev Endocrinol Metab 2010; 5 (5): 753–764
5   European Medicines Agency. XTANDI (enzalutamide). Summary of Product Characteristics, 2015
 

Tags:

Sobre nós

Empresa farmacêutica que opera em áreas como terapêuticas de Transplantação, Urologia, Dermatologia, Anti-infecciosos, Tratamento da Dor e Oncologia.

Subscrever