Doentes com insuficiência renal têm nova esperança

Uma equipa de investigadores do Instituto Nacional para as Ciências Fisiológicas do Japão anunciou que gerou rins de ratos em ratazanas a partir de células estaminais. Esta experiência traz “resultados muito entusiasmantes para os doentes com insuficiência renal que dependem de tratamentos regulares de hemodiálise ou esperam ansiosamente por um transplante de rim”, afirma João Sousa, Diretor de Qualidade do Laboratório BebéVida.

Este avanço pode vir a abrir caminho para gerar rins humanos a partir de animais, um cenário que, tendo em conta a falta de dadores, poderá revelar-se a solução para estes doentes que, por vezes, têm num transplante o único tratamento possível para a sua condição.

“Foi com muita satisfação que a comunidade científica recebeu a notícia publicada recentemente nos media sobre o contributo das células estaminais para gerar um rim num estudo realizado pelo Instituto Nacional para as Ciências Fisiológicas do Japão”, acrescenta João Sousa.

“É certo que se trata ainda de uma fase muito primária do estudo, mas não deixa de ser um passo importante na tentativa de se encontrar tratamento alternativo. O passo seguinte será certamente avançar para um estudo clínico em doentes com insuficiência renal”, explica o responsável do laboratório de tecidos e células.

Em meados de janeiro a autoridade norte-americana Food and Drug Administration (FDA na sigla inglesa), publicou no seu site uma nota informativa sobre as novas políticas de promoção e desenvolvimento de terapias celulares e genéticas como forma de tratamento de muitas doenças que hoje em dia ainda não conhecem a sua cura.

João Sousa acredita que “com o esforço dos investigadores e o apoio das entidades reguladoras vai ser possível caminhar mais rapidamente no sentido de encontrar tratamento para muitas doenças que hoje em dia não têm cura”.
 

Mais sobre a BebéVida:

O laboratório BebéVida é um banco de tecidos e células 100% português licenciado pelo Ministério da Saúde. Eleito PME Líder há oito anos consecutivos, foi distinguido com o estatuto PME excelência em 2017 pela segunda vez.

A BebéVida disponibiliza o serviço de criopreservação de células estaminais do sangue e do tecido do cordão umbilical de recém-nascidos e é o único laboratório de criopreservação português reconhecido pela acreditação FACT Netcord, a mais completa distinção que um laboratório de criopreservação de células estaminais pode obter a nível mundial.

A BebéVida foi distinguida em 2019 com o Prémio Cinco Estrelas, na categoria Criopreservação, uma distinção atribuída pelos consumidores e que mede o seu grau de satisfação face a produtos e serviços de várias áreas.

Tags:

Sobre nós

O laboratório BebéVida, um banco de tecidos e células 100% português licenciado pelo Ministério da Saúde e eleito PME Excelência e PME Líder há oito anos consecutivos, disponibiliza o serviço de criopreservação de células estaminais do sangue e do tecido do cordão umbilical de recém-nascidos e é o único laboratório de criopreservação português e o 6.º banco privado no mundo, reconhecido pela acreditação FACT Netcord, a mais completa distinção que um laboratório de criopreservação de células estaminais pode obter a nível mundial.

Subscrever