Estudo revela que 94% das famílias portuguesas consideram-se imperfeitas

Prof. Eduardo Sá recorda que não é por serem imperfeitas que as famílias não são felizes!

As famílias portuguesas estão longe de ser perfeitas. Os portugueses consideram-se bons pais, mas mais de 90% assumem que não são perfeitos, sendo que algumas das causas para as suas imperfeições têm a ver com a falta de paciência, o facto de “cederem com facilidade” ou, mesmo, perderem o controlo.

Para assinalar o Dia Internacional da Família, celebrado a 15 de maio, a marca Limiano, em colaboração com o Psicólogo e Professor, Eduardo Sá, apresentam o mais recente estudo sobre as Famílias Portuguesas, cujo objetivo foi compreender as principais características comportamentais e emocionais das famílias, assim como os seus desafios e necessidades do presente e do futuro.

De acordo, com o mesmo estudo, realizado pela Netsonda, o tempo surge como uma das grandes necessidades das famílias. 70% assume que passa pouco tempo em família, sendo também o principal elemento em falta para as famílias serem mais felizes. É à mesa, durante as refeições, que a maioria (90%), diz ter momentos de convívio familiar durante a semana e ao fim de semana.

Para 80% dos inquiridos, o trabalho é sinónimo de estabilidade financeira e, para 38%, de realização pessoal. Mas também é visto como “consumidor de tempo”, fazendo com que seja difícil de conciliar com a vida familiar. 67% da amostra total refere, mesmo, que o trabalho tira tempo para estar com a família.

Chegadas a casa, depois de um dia de trabalho, mais de 80% das mulheres / mães, continuam a ter um papel de cuidadoras e responsáveis pelo lar. E quando surgem os filhos, estes passam a ser os atores principais e a principal fonte de preocupação das mães. No topo das suas preocupações estão a saúde dos filhos, a sua felicidade e educação. Sobre onde empregam melhor o seu tempo, para as mães é com os seus filhos, enquanto os maridos referem que onde empregam melhor o seu tempo é com as suas mulheres.

79% das famílias, considera que é a família que lhes dá maior suporte emocional, e onde se apresentam de forma mais verdadeira e “sem filtros”. 83% chega, mesmo, a afirmar que a simples circunstância de estarem juntos é, já por si, um momento de felicidade.

Quando questionados sobre se há “espaço para serem mais felizes”, 95% afirma que sim! E “mais tempo em família” surge como o principal elemento em falta para todos.

Perante este panorama das famílias Portuguesas, o Psicólogo e Professor Eduardo Sá, deixa algumas reflexões, que podem ajudar na dinâmica familiar:

  • As famílias perfeitas são inimigas das boas famílias
  • Uma família constrói-se todos os dias. Com pequenos gestos. E com pequenas birras, arrufos e acessos de “mau feitio” Que, todos juntos, dão mais calor ao colo, à conversa pelos cotovelos, ao mimo e à festa que só a (nossa) família sabe como se faz.
  • Uma família nunca é silenciosa. Nem quando todos estamos em silêncio e nos escutamos uns aos outros com o coração. Uma família é barulhenta e desarruma. É amiga da algazarra. Uma família viva é uma casa que acolhe e acalenta. Mas que não deixa nunca de estar em construção. 
  • Numa família saudável, a mãe e o pai, por vezes, atrapalham-se, contradizem-se e contrariam-se. Mas é desse contraditório - que nunca tem descanso - que se chega à sabedoria, à justiça, ao amor e à paz.

“Nós queremos, mesmo, que as famílias tenham o direito milenar a voltarem a ser iguais a si próprias: imperfeitas! E, quando estamos aconchegados nelas, queremos ter o direito a ser como somos. De “coração grande” e com “mau feitio”. E queremos o direito a rir sem motivo nenhum e a chorar, devagarinho, “por nada”; ou, unicamente, “porque sim”. E queremos ter o direito ao melindre e aos arrufos, ao desabafo e à lamúria. E o direito a dizer “Quero colo e pronto!”; e não se fala mais nisso”, conclui o Psicólogo e Professor Eduardo Sá.

Metodologia do Estudo

O estudo foi realizado pela Netsonda, a 500 indivíduos, através de um inquérito on-line, com quotas de idade, género e região de acordo com a população Portuguesa. Foram inquiridos indivíduos entre os 18 e os 55 anos de idade, residentes em Portugal a viver com a sua família. A informação foi recolhida entre os dias 26 de março e 30 de abril de 2018.

Sobre Limiano

Limiano é a marca líder do mercado de queijo em Portugal, liderando também os rankings de notoriedade e preferência. É uma marca Portuguesa com quase 60 anos. Presente em muitos lares portugueses, a sua missão é fazer parte da família, manter uma relação próxima e diária, tornando momentos simples, como o pequeno-almoço, o lanche ou uma refeição, em momentos especiais, de partilha em família.

Limiano tem ainda como missão promover o valor “família”, contribuir para uma sociedade familiarmente responsável, onde as famílias podem ser mais família. A marca integra a Bel Portugal, uma empresa certificada como “Empresa Familiarmente Responsável”, sendo a conciliação entre a vida profissional e familiar, uma das suas principais preocupações.

Tags:

Sobre nós

Empresa especialista em queijo, com várias marcas líder do mercado de queijo - Limiano (www.limiano.pt) e Terra Nostra (www.terra-nostra.pt) - que lideram também o segmento de flamengo. A marca ícone mundial da Bel é A Vaca que ri (www.avacaqueri.pt), que lidera em Portugal o segmento de queijo fundido.

Subscrever

Media

Media