EXTENSÃO TRAÇA – MOSTRA DE FILMES DE ARQUIVOS FAMILIARES

O Centro de Estudos Cinematográficos em conjunto com o Arquivo Municipal de Lisboa têm o prazer de apresentar uma extensão da mostra de cinema familiar TRAÇA em Coimbra nos próximos dias 24, 31 de Maio e 7 de Junho.

A TRAÇA é uma Mostra de Filmes de Arquivos Familiares que tem como objectivo dar a conhecer os filmes amadores, caseiros, oriundos de arquivos familiares. São filmes misteriosos, muitos deles de origem incerta, muito puros e directos, que permitem acompanhar, através de histórias íntimas, a história da cidade ou do país.

Em rigor não podemos afirmar que nos recordamos de ter sido, ter feito, existido apenas mas sempre de ter sido de ter feito ou ter existido num determinado lugar. As memórias não funcionam independentemente das vivências, materiais e imateriais, havendo um contexto, um meio espacial, em cada uma das memórias. Pela câmera o cinema comunica uma forma de olhar o mundo e uma recriação da realidade vivida ou imaginada, que pela fenomenologia do lugar nos remete para a ideia da presença do corpo nesse espaço. As relações interpessoais ou familiares e as relações com os lugares são objectos presentes na nossa memória e são frutos de uma experiência colectiva a partir da qual colocamos o corpo no espaço. Da mesma forma o espaço responde ao imemorial do corpo pela forma como a arquitectura molda e condiciona a acção dos corpos, mas que sobretudo nos dão formas de segurar, ou relacionar, o espaço à memória.

Num conjunto de várias exibições temáticas pretendemos exibir e discutir, de que forma a partilha e a recriação de memórias tão pessoais quanto as memórias familiares são possíveis de partilhar através da sétima arte.

Em todas as suas edições a TRAÇA tem um formato diferente sem esquecer o seu carácter experimental, convidando, a cada ano, uma série de criadores a trabalhar e produzir objectos novos a partir das obras existentes no arquivo municipal de Lisboa | videoteca, bem como exibindo estes filmes no seu estado bruto.

Spot apresentação projecto disponível em: https://youtu.be/_9YCDBiOj0E

Programa
24, 31 de Maio e 7 de Junho
Mini-Auditório Salgado Zenha
Entrada Livre

Apresentação do Ciclo por Luís Umbelino | 24 de Maio
Licenciado em Filosofia (1994), Mestre em Filosofia Contemporânea (2000) e Doutorado em Letras – Filosofia Moderna e Contemporânea (2008) pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, instituição onde é Professor Auxiliar. É investigador do Centro de Estudos Clássicos e Humanísticos da Universidade de Coimbra. Publica regularmente em Portugal e no estrangeiro sobre o horizonte da tradição reflexiva francesa, da fenomenologia francesa e da hermenêutica filosófica e interessa-se particularmente pelas temáticas da corporeidade e do espaço.

sem título | 8’ | 2015
REALIZAÇÃO: Catarina Alves Costa
MONTAGEM: Pedro Duarte
PRODUÇÃO: AML-Videoteca e Fitas na Rua/EGEAC

Catarina Alves Costa descobre, nos filmes de família que recebeu, inesperados espaços em branco, momentos que escapam à pose, acasos. Articula-os. Daí resulta um filme misterioso – justamente sem título – que explora com subtileza e curiosidade a abertura do sentido, característica destes filmes, que é também, em grande medida, a sua força.

sem título | 11’ | 2015
REALIZAÇÃO: Edgar Pêra
PÓS- PRODUÇÃO 2D: Cláudio VasquesNo som, excerto do filme 25Abril, Uma Aventura Para a Democracya, de Edgar Pêra
PRODUÇÃO: AML- Videoteca e Fitas na Rua/EGEAC

Projeção nos filmes de família em bruto – praia, parque de campismo, passeios, Natais felizes, as ruas de Lisboa,murais espalhados pelo país – de imagens (também sonoras) da Revolução. Edgar Pêra contrapõe assim dois arquivos: um que documenta a vida familiar burguesa, outro que acompanha o momento, preciso, da mudança.

sem título | 6’ | 2015
REALIZAÇÃO: Susana Nobre
Com a participação de Maria do Céu Nobre, Susana Nobre e Laura Nobre Afonso
Com excertos de Mère et fille, une correspondance (1913- 1962) de Françoise Molto (edição Mercur de France)
PRODUÇÃO: AML-Videoteca e Fitas na Rua/ EGEAC

Pontuado e guiado por excertos de uma correspondência entre mãe e filha (de um livro de Françoise Dolto), o filme enche de imagens as palavras trocadas – ou vice-versa. Não há rememoração. Há sim uma troca entre presentes. E emoção na cadência dos intertítulos e no ritmo dos planos de natureza e vida familiar.

Sempre Estivemos Aqui | 10’ | 2015
REALIZAÇÃO: Margarida Cardoso
No som, excertos de Lisbon Story (Wim Wenders, 1994), leitura de textos publicados no Diário  de Lisboa, excertos de Love Me, Please Love Me (música de Michel Polnareff, 1967)
PRODUÇÃO: AML-Videoteca e Fitas na Rua/ EGEAC

A leitura de excertos do Diário de Lisboa, com descrições de acontecimentos relacionados com o Zoo, traça a narrativa e o dispositivo: Margarida Cardoso associa datas e acontecimentos marcantes da história portuguesa, à história dos animais encarcerados, testemunhas silenciosas e esquecidas. A associação é aberta, livre, sugere perguntas mais do que propõe respostas. Quem são esses que sempre estiveram aqui?

O Prazer de Associar | 6’ | 2015
REALIZAÇÃO: Jorge Cramez e Diogo Allen
PRODUÇÃO: AML- Videoteca e Fitas na Rua/EGEAC

Perante os filmes de família da coleção do AML-Videoteca, Jorge Cramez enceta, com Diogo Allen, um exercício de memória e associação. O filme resulta desse exercício, e a cada plano ou cada sequência, os dois associam outras imagens e ideias, da história e da teoria do cinema. É assim um filme sobre isso: o cinema.

Save Project.... | 9’ | 2015
REALIZAÇÃO: José Filipe Costa Com a participação de Paula Diogo e Pedro Lacerda
PRODUÇÃO: AML-Videoteca e Fitas na Rua/EGEAC

Duas pessoas – um homem e uma mulher – em frente ao ecrã de computador. Imagens de origem desconhecida passam na linha de montagem. Os dois comentam o que vêem. Encontram recorrências e relações entre as pessoas que aparecem – estarão nas imagens ou na cabeça de quem vê? Save Project… é um filme sobre o aparecimento da ficção.

Mulher Ideal | 9’ | 2015
REALIZAÇÃO: Margarida Leitão
MONTAGEM: Margarida Leitão
SONOPLASTIA: Margarida Leitão, Filipe Fernandes, Dina Ferreira
IMAGEM: João Braz
VOZ: Manuel Mozos e Margarida Leitão
MÚSICA: Filipe da Graça
PRODUÇÃO: AML-Videoteca e Fitas na Rua/EGEAC

Dos filmes de família que recebeu, Margarida Leitão decide acompanhar uma mulher. Das perguntas que faz resulta um filme simultaneamente emocional, onde a voz da realizadora se coloca em cena, tomando o lugar de alguém que olha, de dentro da família, para essa mulher; e um filme crítico, e estranho pela contemporaneidade do retrato que faz – as leituras, por Manuel Mozos, do artigo “Mulher Ideal” publicado na revista Menina e Moça em 1948 soam violentamente familiares.


+ Informações  

Centro de Estudos Cinematográficos / AAC

Rua Padre António Vieira, Ed. AAC 1ºPiso
3000-315 Coimbra
Tlf. 239 851 069

www.cecine.com
https://www.facebook.com /cecaac
cecinematograficos@gmail.com

Arquivo Municipal de Lisboa | Videoteca
Edifício da “Promotora” (a Alcântara)
Largo do Calvário, n.º 2
1300-113 Lisboa

Tlf. 21 817 04 33
http://arquivomunicipal.cm-lisboa.pt  
http://videoteca.cm-lisboa.pt
https://www.facebook.com /Traca02
videoteca@cm-lisboa.pt
 

Tags:

Sobre nós

Cinema.

Subscrever

Media

Media