HISTÓRIA estreia ESPECIAL NAZISMO

  • Para assinalar o Dia Mundial das Vítimas do Holocausto, o canal recorda um dos capítulos mais macabros da História da Humanidade, com uma programação especial sobre o nazismo.
Ao longo de cinco programas os telespectadores vão conhecer a forma como os Alemães foram seduzidos e levados a apoiar o nazismo; o interesse dos nazis pelos animais; como se desenvolveu o Holocausto desde os primeiros dias de perseguição aos judeus na Alemanha nazi até à implementação dos campos de concentração; a história da longa perseguição dos nazis escondidos desde 1945 até aos dias de hoje e, como um sistema de concentração de populações rapidamente se tornou num instrumento de genocídio

Auschwitz não foi apenas o maior campo de concentração e extermínio nazi, mas também o mais letal de todos, visto que mais de 1.100.000 pessoas foram assassinadas por detrás destas vedações. Transformado no símbolo inequívoco dos horrores cometidos pela Alemanha Nazi, os seus vestígios e história servem, hoje em dia, como advertência universal dos perigos derivados do ódio, intolerância e antissemitismo, e confrontam-nos, da mesma forma, com os limites da barbárie humana.

Por ocasião do Dia Mundial das Vítimas do Holocausto, assinalado a 27 de janeiro, o canal HISTÓRIA recorda um dos capítulos mais macabros da História da Humanidade, com uma programação especial, de cinco episódios, sobre o nazismo de 22 a 28 de janeiro, a partir das 23h25.

PROJETO NAZI

A 30 de janeiro de 1933, Adolfo Hitler torna-se Chanceler do Reich alemão e mostra-se determinado a fundar uma nova nação. Mas como conseguiram os Nazis convencer os alemães comuns a apoiar a visão de Hitler?

A série explora a forma como os Alemães foram seduzidos e levados a apoiar o nazismo através do poder persuasor de uma propaganda traiçoeira, brilhantemente engenhosa e manipuladora. É incrível como um pequeno partido político extremista, liderado por um artista falhado, conseguiu convencer um país inteiro a entregar-lhe o poder totalitarista.

Qual foi o estratagema extraordinário por detrás do Volkswagen original ou “carocha”, também conhecido como o “carro do povo”? Já para não falarmos de Germania, a eterna candidata a capital mundial, com a sua arena com capacidade para 150.000 pessoas, assim como as Olimpíadas de Berlim de 1936, filmadas por Leni Riefenstahl com um novo tipo de câmara, capaz de registar os eventos em 3D...

CONCEBIDO PARA O PODER

A mestria da propaganda de Adolfo Hitler e o instinto por um design efetivo ajuda a conquistar muitos apoios para o partido Nazi na sua marcha rumo ao poder. Desde a bandeira suástica às fardas imponentes da Storm.

AS VIAS RÁPIDAS DE HITLER

Adolfo Hitler prometeu tornar a Alemanha grandiosa mais uma vez com os seus planos para criar 22 mil quilómetros de estradas e fabricar um milhão e meio de “carros do povo” todos os anos. Hitler dizia que queria devolver aos desempregados a sua dignidade, mas, na realidade, milhões de pessoas dos territórios ocupados pelos nazis foram exploradas cruelmente com trabalhos forçados. A maioria das estradas nunca chegou a ser construída. O “carro do povo” revelou ser uma burla, porque o Partido Nazi acabou por roubar todo o dinheiro dado para pagar os carros. A revolução “motora” de Hitler era uma ilusão...

ARMADO PARA A GUERRA

Adolfo Hitler estava determinado a restabelecer a força militar da Alemanha após a humilhante derrota na Primeira Guerra Mundial, mas para ultrapassar a terrível carência do país de quase todas as matérias-primas, desde o ferro ao crude, Hitler teve de roubá-los aos outros países. No início, as suas vitórias fulminantes repuseram as reservas, mas os Nazis tiveram de conquistar mais e mais território para se apoderarem dos recursos necessários para alimentar a sua máquina de guerra. É uma receita para a guerra eterna... uma guerra que a Alemanha nunca poderia ganhar.

A CULTURA DO CONTROLO

Adolfo Hitler estava determinado a mudar a forma como o povo alemão pensava e sentia, ao criar uma nova forma nazi de arte e cultura. Apoderou-se de todos os meios de comunicação, incluindo a indústria cinematográfica, estações de rádio e imagens heroicas de guerreiros forte e mulheres férteis, com o intuito de preparar o seu povo para os papéis que lhes viria a atribuir na guerra que se aproximava. Os artistas que não conseguiam corresponder às expectativas eram obrigados a deixar o mundo da arte ou fugir do país.

O IMPÉRIO DO TERROR DE HIMMLER

A luta pelo poder de Adolfo Hitler dependia dos seus apoiantes mais leais e violentos: as SS. Este grupo usava a intimidação, a detenção, o terror e até o homicídio para derrotar todos os inimigos políticos dos Nazis e também punha em prática a mortífera política da pureza racial defendida por Hitler. Sob a alçada do seu chefe, Heinrich Himmler, as SS tornaram-se um Estado dentro do Estado, controlando uma vasta rede de campos de concentração, campos da morte, prisões e complexos industriais. Hitler também deu a Himmler o controlo da Polícia e da famosa Gestapo.

RETIRO DA REALIDADE

Adolfo Hitler estava determinado a lutar até ao fim, mesmo que isso custasse a vida a milhões de alemães. Recusava qualquer retirada e depositava toda a confiança nos cientistas alemães, cuja missão era criar armas avançadas… como o fantástico Tanque Tiger ao primeiro míssil balístico de sempre: o V-2. Ele esperava desesperadamente que estes pudessem assegurar a vitória dos Nazis. Mas quando as “armas maravilha” falharam, os Nazis viram-se obrigados a voltar às velhas armas, à propaganda e ao terror para manter os militares e os civis empenhados na luta.

De 22 a 24 janeiro, a partir das 23h25

ANIMAIS E NAZIS

Hitler, Goring, Himmler partilhavam outra obsessão, um fascínio pelo mundo animal. Nos últimos dias do regime nazi, Hitler arriscou a vida todos os dias, ao deixar a segurança do seu bunker para ir passear o seu adorado cão Blondi. Mas o interesse dos nazis pelos animais ultrapassava a adoração pelos animais de estimação ou pelas leis que salvaguardavam o bem-estar dos animais que introduziram no país.

Quer fossem experiências para criar a raça de cavalos mais pura, a transformação dos Pastores Alemães em armas de terror ou a tentativa para ressuscitar o há muito extinto auroque selvagem, procuravam sempre controlar e purificar o mundo animal... praticando os princípios de eugenia que viria a aplicar, mais tarde, aos humanos.

25 janeiro, a partir das 23h25

VIAGEM AO INTERIOR DO HOLOCAUSTO

Este especial de duas horas retrata como se desenvolveu o Holocausto desde os primeiros dias de perseguição aos judeus na Alemanha nazi até à implementação dos campos de concentração. Ao longo do programa os telespectadores vão ficar a conhecer artefactos, fotografias e histórias que constituem provas detalhadas dos processos e planos desenvolvidos pelos nazis para eliminar milhões de judeus na Europa.  Em vez de dar uma perspetiva extensa do Holocausto, este programa foca-se em histórias mais íntimas do dia a dia da transformação política, violência e perda durante o regime nazi.

Os telespetadores vão viajar através dos arquivos da Europa de Leste, Museu Memorial do Holocausto em Washington, D.C., até aos laboratórios de restauro em Israel para ver como os artefactos servem de ligações poderosas a quem perdeu a vida. Especialistas ajudam a explicar como os nazis conseguiram levar a cabo crimes horríveis contra a humanidade durante apenas alguns anos.

26 janeiro, a partir das 23h25

CAÇA NAZIS

Simon Wiesenthal, sobrevivente dos campos da morte, caça os seus torturadores, desde Kapos dos campos a Mengele, o médico louco de Auschwitz. O advogado e historiador Serge Klarsfeld, cujo pai foi deportado e assassinado, dedicou a vida a procurar líderes nazis ainda em liberdade. Casou com Beate, alemã não judia, que denuncia o silêncio dos seus compatriotas e as leis que permitem a estes criminosos continuarem impunes.

Como resultado dos seus esforços, os assassinos da Gestapo como Kurt Lischka, Herbert Hagen e Klaus Barbie, que foi responsável pela morte de Jean Moulin, foram desmascarados e julgados.

Pela primeira vez, um filme relata a história da longa perseguição dos nazis escondidos desde 1945 até aos dias de hoje. Muitas décadas de investigação, retrocessos, julgamentos e dramas juntaram estes três indivíduos fantásticos e imagens de arquivo inéditas.

27 janeiro, a partir das 23h25

A MÁQUINA ASSASSINA DE HITLER

Maio de 1945: com o final da guerra e a capitulação do Terceiro Reich, o mundo descobriu o horror total de um sistema genocida a uma escala nunca vista na História da Humanidade. A eliminação de milhões de indivíduos foi meticulosamente planeada por um regime, cuja organização e métodos estavam a começar a ser entendidos.

O BANQUEIRO DO TERCEIRO REICH

Hjalmar Schacht é uma figura relativamente esquecida. No entanto, a ascensão de Hitler ao poder dependeu dele. Adaptado da obra The Devil’s Banker (O banqueiro do diabo) de Jean-François Bouchard, este documentário faz o retrato de uma personagem fascinante, intelectualmente brilhante, mas imbuída de um cinismo pragmático, mas que, paradoxalmente, nunca fez parte do partido nazi, apesar de ter sido um dos seus pilares.

OS CIENTISTAS MAQUIAVÉLICOS DE HITLER

“Ahnenerbe” é uma palavra que causa arrepios. Era o nome do instituto de investigação criado para provar o fundamento científico da ideologia nazi. Gerido por uma megalomania científica, a corrida por novas descobertas levou a instituição a desenvolver inúmeros atos bárbaros. Arquivados em centenas de microfilmes que só agora estão disponíveis, os relatórios desta instituição revelam os segredos macabros da Ciência defendida por Hitler.

OS CAMPOS DE CONCENTRAÇÃO NAZIS

Em menos de 10 anos Hitler conseguiu criar os campos de concentração, muitos dos quais tornaram-se centros de genocídios em massa. À medida que a investigação científica e exploração arqueológica continuam, este documentário revela os elementos historiográficos estabelecidos para explicar como um sistema de concentração de populações rapidamente se tornou num instrumento de genocídio.

28 janeiro, a partir das 23h25

HISTÓRIA

História é o único canal de documentários com produção própria em Portugal, que procura despertar a curiosidade do espectador, levando-o à profundidade das histórias que definem o esforço humano.

Um novo ponto de vista que inclui provas e teorias que podem mudar o nosso pensamento, proporcionando conhecimento e sentido, aos feitos que têm transformado o mundo. Produções internacionais de grande sucesso como “World Wars”, “A Maldição de Oak Island”, “Barbarians Rising” e as melhores produções próprias de séries como “Templários”, “As Faces de Fátima” ou “Portugal Desconhecido”, fazem parte da oferta de conteúdos que o História emite no nosso país.

Produzido por The History Channel Iberia, uma joint-venture entre a AMC International-Iberia e a A+E Networks, o HISTÓRIA é uma marca de prestígio internacional que está disponível em mais de 160 países e que chega a mais de 330 milhões de espectadores em todo o mundo. O canal é distribuído em Portugal na Meo, NOS, NOWO e Vodafone.

Tags:

Sobre nós

Canal televisivo dedicado em exclusivo à História.

Subscrever

Media

Media