HISTÓRIA revela a II Guerra Mundial a cores

O ADENSAR DA TEMPESTADE
A 1 de setembro de 1939, tinha início a Guerra mais destruidora de sempre, com as tropas alemãs a invadirem a Polónia. Quando terminou, seis anos depois, haviam morrido mais de 70 milhões de pessoas e sido devastados continentes inteiros.
No entanto, escassos 20 anos antes, fora comunicado às multidões em júbilo na Grã-Bretanha, em França e nos EUA que haviam ganhado a guerra que poria termo a todas as guerras, e que a paz e a democracia chegariam a todo o mundo.
Quinta-feira 4, 22h.

GUERRA RELÂMPAGO
As forças armadas de Hitler levaram apenas quatro semanas a conquistar a Polónia. O adversário não só tinha menos homens e armas, como enfrentava um novo tipo de guerra – a Guerra Relâmpago ou Blitzkrieg – para a qual estava completamente despreparado.
Depois de testado na Polónia, Hitler estava ansioso por utilizar o Blitzkrieg contra os seus outros inimigos, a Grã-Bretanha e a França, que lhe haviam declarado guerra pouco depois da invasão à Polónia.
Quinta-feira 4, 22:50h.

A GRÃ-BRETANHA EM APUROS
Em finais de junho de 1940, Hitler vencia na Europa Ocidental.
A Alemanha nazi controlava a Dinamarca, a Noruega, a Holanda, a Bélgica e a França. Só a Grã-Bretanha continuava a enfrentá-lo, mas o Führer estava certo de que não seria por muito mais tempo.
Mas ele subestimara o inimigo. Winston Churchill era um adversário à altura, em inspiração e determinação. Além disso, a Grã-Bretanha ainda possuía uma Marinha poderosa, e alguns dos melhores caças construídos até então.
Quinta-feira 11, 22h.

HITLER ATACA A LESTE
No outono de 1940, as tropas de Hitler dominavam a Europa Ocidental. Só a Grã-Bretanha permanecia invicta, mas estava isolada, e o Führer já não a considerava um problema.
Hitler estava pronto para a sua jogada de maior risco: a Operação Barba Ruiva, o ataque ao seu arqui-inimigo, a gigantesca União Soviética, no verão de 1941.
Quinta-feira 11, 22:50h.

O NASCER DO SOL VERMELHO
A 7 de dezembro de 1941, a II Guerra Mundial alterou-se radicalmente, depois de um ataque surpresa de aviões japoneses à Frota do Pacífico dos EUA em Pearl Harbor.
Um conflito cujo palco fora essencialmente a Europa passava agora à escala global, pois, dois dias depois, Hitler, sem qualquer obrigação de o fazer, também declarou guerra aos EUA.
Quinta-feira 18, 22h.

O MEDITERRÂNEO E O NORTE DE ÁFRICA
O ditador italiano Benito Mussolini sonhava reconstituir o Império Romano. O Mediterrâneo tornar-se-ia o lago de Itália, com um grande império colonial na margem sul, incluindo o Egito e o Sudão, em mãos britânicas.
Em setembro de 1940 os seus exércitos avançaram sobre o Egito, criando um novo palco nesta II Guerra Mundial.
A desvantagem numérica dos Britânicos era superior a 10 para 1, e a vitória de Mussolini deveria ter sido facílima. Mas eles tinham outros planos, e os Italianos depressa se viram recuar centenas de quilómetros.
Hitler teve de enviar um dos seus melhores generais, Erwin Rommel, e um Afrika Korps alemão para salvar o seu aliado. E assim teve início uma campanha que se arrastou pelo deserto durante mais de dois anos, e só terminou quando as poderosas forças britânicas e americanas esmagaram Alemães e Italianos na Tunísia.
Quinta-feira 18, 22:50h.

MUDANÇA DE MARÉ
Ao estalar a II Guerra Mundial, deu-se uma corrida ao desenvolvimento de novas armas e meios bélicos. Tanto Aliados como Alemães procuravam algo que lhes desse uma vantagem clara e um fim rápido para a guerra.
Na Grã-Bretanha e nos EUA, havia um interesse crescente nos chamados bombardeamentos estratégicos – a destruição da capacidade de ataque do inimigo, através da aniquilação das suas infraestruturas e do moral dos civis. Mas esta estratégia teria um impacto terrível na vida das populações e, anos depois, geraria uma controvérsia que ainda hoje se mantém.
Quinta-feira 25, 22h.

O CILINDRO SOVIÉTICO
Em meados de 1943, Hitler andava fugido. Estava aí a realidade da guerra com duas frentes temida pelos seus generais. A oeste, um assalto dos Aliados a Itália ameaçava o flanco meridional.
A leste, os soldados alemães, exaustos, lutavam desesperadamente contra as vastas reservas da imensa máquina militar soviética.
O Exército Vermelho deu seguimento à sua esmagadora vitória em Kursk com uma série de ofensivas que, em finais de 1943, já retirara os Alemães da maior parte da histórica Rússia.
Quinta-feira 25, 22:50h.

Tags:

Sobre nós

Canal televisivo dedicado em exclusivo à História.

Subscrever