Imobiliário comercial da Europa Central e de Leste mantém-se no topo das agendas dos investidores, destaca CBRE

De acordo com o mais recente estudo da consultora imobiliária global CBRE, os fortes resultados do primeiro semestre impulsionaram os volumes de investimento em imobiliário comercial na Europa Central e de Leste (excluindo Rússia) para 2,5 mil milhões de euros, um aumento de 15% face ao período homólogo de 2013.

A Roménia registou a maior subida de volumes de investimento imobiliário comercial com um aumento de praticamente 300% em variação homóloga, ainda que partindo de níveis reduzidos de atividade. Esta situação pode ser explicada pelas contínuas baixas taxas de juro, pelo aumento da alocação de investidores institucionais ao imobiliário, as taxas de capitalização (yields) relativamente elevadas e a convicção de que o crescimento económico deverá ser sólido nos próximos anos.

A República Checa e a Hungria também registaram aumentos significativos nos volumes de investimento, com subidas de 36% e 35%, respetivamente. Estes dois países, em particular, beneficiaram do desafio que muitos investidores enfrentaram para encontrar o produto que procuravam na Polónia. Esta falta de oferta tem tido um impacto positivo nos países vizinhos, que também podem oferecer yields mais atrativas no mercado atual.

Apesar destas subidas, Rússia e a Polónia continuam a dominar o investimento imobiliário comercial na região. Estes dois mercados juntos representam mais de 60% do volume de investimento, de 1,2 mil milhões de euros e 1,1 mil milhões, respetivamente. O mercado imobiliário da Polónia continua a atrair forte investimento e a economia polaca, depois de uma ligeira queda nos últimos trimestres, regressa a um período de crescimento. A Polónia afastou-se da condição de nicho de mercado e continua a amadurecer para se tornar num dos destinos essenciais para investimento na Europa. A Rússia, contudo, registou uma queda nos fluxos de investimento de quase 60% durante os seis primeiros meses do ano. Tal deve-se em larga medida às amplamente divulgadas tensões com a Ucrânia, mas reflete também a atividade de transação irregularmente alta no primeiro trimestre de 2013.

Mike Atwell, Diretor do Departamento de Capital Markets da Europa Central e de Leste da CBRE, comenta:
“O mercado de investimento da Europa Central e de Leste continua a beneficiar de um interesse renovado dos investidores tradicionais da Europa Central e de Leste, mas, mais recentemente, o mercado também começou a ver novas fontes de capital global a entrar na região. A Polónia mantém-se o mercado dominante, com muitas transações em curso e as previsões apontam para um aumento geral dos volumes no final de 2014”.

Jos Tromp, Diretor do Departamento de Research & Consultancy da Europa Central e de Leste da CBRE, acrescenta:
“As constantes taxas de juro baixas, aliadas à melhoria do panorama económico, asseguraram que o imobiliário comercial continuasse um ativo privilegiado para os investidores. Na região da Europa Central e de Leste, cremos que o interesse de investimento está efetivamente mais forte do que sugerem os dados do primeiro semestre de 2014. Praticamente todos os mercados mostraram uma subida dos níveis de liquidez, à exceção da Rússia, que foi manifestamente afetada de forma negativa pela crise da Ucrânia. É ainda importante lembrar que o fluxo de transações da Rússia foi anormalmente elevado no período homólogo de 2013. Contudo, até que a situação na Ucrânia estabilize, o investimento internacional na Rússia deverá manter-se relativamente lento”.

Tags:

Sobre nós

Prestação de serviços na área do mercado imobiliário a empresas nacionais e internacionais.

Subscrever