Competitividade ao mais alto nível

Depois de em 2013 a cidade de Valongo ter recebido a jornada inaugural do Campeonato Nacional de Trial 4x4, nesta edição a competição regressou à cidade nortenha e o balanço foi o mesmo do ano anterior: um dia de competição ao mais alto nível. Mas se no ano passado as equipas contaram com muita chuva e muita lama, a 18 de maio de 2014 o dia foi de muito calor. A pista que recebeu as 33 equipas inscritas, junto ao Ecocentro de Valongo, no Lugar do Galinheiro, incluía 10 triais distribuídos por 3000 metros de pista. Eraesperada uma pista bastante rápida, mas a verdade é que o circuito levantou sérias dificuldades às equipas,principalmente aos navegadores e às máquinas. Um dia marcado por muitos contratempos mecânicos que, a cada minuto, aumentavam o nível de emoção e deixaram a confirmação dos vencedores para o cruzar da meta.
Esta terceira prova foi mais uma organização a cargo do Clube Todo-o-Terreno Trilhos do Nordeste , soba égide da Federação Portuguesa de Todo-o-Terreno Turístico Trial e Navegação 4x4 com o forte apoio da Câmara Municipal de Valongo.

Domingos Diniz chega, finalmente, ao ouro
Depois de tantos anos ao volante, Domingos Diniz (Revi-clap), um dos pilotos mais antigos em competição, chegou finalmente ao lugar mais alto do pódio. Num dia marcado por muitas idas às boxes,Domingos e Mickael Diniz aproveitaram os azares dos adversários e, a controlar o Suzuki Jimny, terminaram na frente.
Com as mesmas 9 voltas, mas com mais 5 minutos e 22 segundos terminou António Calçada (NordHigiene). O piloto brigantino gastou 15 minutos preciosos a resolver alguns problemas de aquecimento e da direção do Suzuki Samurai, mas a prata de Valongo garante a liderança da classificação geral da classe absoluto.
A completar o pódio, a Toyota Hilux dos irmãos Diogo e Paulo Mendes (TUFF4x4/Dedilland). Até saíram em primeiro, mas o facto de partirem um amortecedor, e perderem 10 minutos, fê-los cair para terceiro.Recuperaram muito terreno e chegaram a liderar a prova até que os semi-eixos de trás cederam. Ainda completaram mais duas voltas, mas a uma hora do final, optaram por parar.

Rui Querido faz o “tri” na XL
A história repete-se, prova após prova. Rui Querido e Nuno Graça (Euro4x4parts/Ladricolor) fazem o melhor tempo no prólogo, durante a manhã, partem na frente da resistência e assim se mantêm até cruzar a meta. Durante as 3 horas vão somando voltas e acabam a prova a gerir o andamento. Em Valongo completaram 12 voltas à pista. O experiente piloto de Torres Vedras soma três vitórias em outras tantas jornadas e continua líder isolado da classe XL.
Na segunda prova com o novo carro o bicampeão Luís Jorge (Hortícolas Team) voltou a ter uma jornada recheada de peripécias. Com uma hora de prova, queimou o motor do guincho que obrigou a uma passagem pelas boxes. Novo regresso às boxes depois de partir um stick no obstáculo dos paus. Luís Jorge e Miguel Costa ainda haviam de partir um cubo, mas a reparação foi mesmo feita em pista. O balanço foram mais de 30 minutos perdidos e menos 5 voltas do que o líder.
Bruno Fernandes (JMF) estreou o Jeep Wrangler em Valongo e não esteve nada mal. Andou sempre entre a segunda e a terceira posição até que partiu a transmissão, a 50 minutos do final, e não pôde andar mais.Acabou em terceiro e promete regressar em Alenquer para fazer ainda melhor.

Paulo Candeias e Emanuel Costa taco a taco
Foi emoção até à última volta, na Classe Super Proto. Emanuel Costa (EC4x4) partiu na frente, mas ficou preso num dos primeiros obstáculos e foi ultrapassado por Paulo Candeias (Stand Candeias). O piloto de Carrazeda de Ansiães foi ganhando espaço e chegou a ter duas voltas de vantagem. Emanuel Costa não desistiu da luta e começou a diminuir o tempo de cada volta, chegando a ameaçar a liderança de Paulo Candeias quando este parou para abastecer. 4 furos, problemas com a barra estabilizadora e com o guincho travaram as ambições de Emanuel Costa que, no final das três horas de resistência, fez menos uma volta do que Paulo Candeias. Na geral, Paulo Candeias continua líder da Classe Super Proto.
A 9 voltas do primeiro lugar ficou Jorge Silva. A Paljet foi obrigada a parar 15 minutos devido a um problema com o semi-eixo da frente, do lado direito. Ainda regressaram à competição, mas o Crawler acabou por ceder a 20 minutos do final.

Muitas emoções na Promoção
Não fizeram a primeira prova, fizeram segundo em Torres Vedras e primeiro em Valongo. Rui Policarpo e Ricardo Barreira (Hortícolas Policarpo/Barreirinha Power) estão de pedra e cal no CNTrial 4x4. Entraram em pista em primeiro mas cedo foram ultrapassados. Optaram então por gerir e esperar pelo deslize do adversário para atacar o primeiro lugar. O Land Rover esteve à altura e apesar de darem as mesmas 7 voltas que o segundo classificado, gastaram menos 14 minutos e 39 segundos. Filipe Bernardo (Low Gear) deve ter sido dos poucos que terminou a resistência sem nenhum problema mecânico, mas o facto de ter partido em último no prólogo não o deixou ir além da prata. O vencedor de Santa Maria da Feira, António Silva (Canelas Pneus),ficou-se pela terceira posição. Andou uma hora na frente, depois partiu as juntas homocinéticas e fez a última hora sem tração à frente. Paragens só mesmo para mudar um pneu furado, mas as avarias condicionaram o andamento. Este terceiro lugar dá a António Silva a liderança da geral.
As classes de promoção estão ainda mais animadas com o regresso da Classe 2, destinada a pneus até 37 polegadas, à competição. Nelson Sousa e Miguel Tadeu (JIIPARK) entraram com vontade de vencer e assim fizeram. No prólogo descolaram os pneus novos e foram obrigados a utilizar os antigos. Não partiram em primeiro mas, apesar de terem ficado sem intercomunicadores e guincho logo no início, cedo passaram para a liderança da corrida. Foi um mal-entendido que afastou José Paulo (TUFF 4x4) da luta pela liderança da classe 2. O piloto pensou que Nelson Sousa tinha desistido e abrandou, ficando assim a uma volta do líder. Rui Dias(DINAPACA) completou as mesmas 8 voltas de José Paulo, mesmo depois de perder 10 minutos para reparar o compressor dos bloqueios.
Não houve luta no Troféu Suzuki. Joel Sousa e Rui Magina (J2 GYM Offroad Team) entraram em pista sozinhos conquistaram, naturalmente, o ouro nesta prova. São líderes isolados da competição.
33 equipas inscritas e muito público presente para assistir a um dia em grande para a modalidade,recheado de espetáculo, competitividade e emoção. Sentimentos que estão de regresso já daqui a 3 semanas,com a prova de Alenquer (a última antes da pausa de verão) a acontecer a 8 de junho.

Tags:

Sobre nós

Campeonato nacional de Trial 4x4.

Subscrever

Media

Media