Cushman & Wakefield apresenta 1ºedição do estudo Retalho em Portugal

O sector de retalho tem uma imensa relevância no mercado imobiliário em Portugal, tendo contribuído ao longo dos últimos 15 anos para atrair mais de €6,7 mil milhões de investimento imobiliário direto, metade de todo o investimento feito em imobiliário comercial no nosso país.
 
Reconhecendo a importância estratégica da informação de mercado para o sector, a Cushman & Wakefield escolheu abordar o segmento de retalho no seu mais recente documento de research agora publicado. Este relatório pretende dar uma fotografia do mercado, caracterizando a oferta e a sua dispersão pelo país, o dinamismo da procura, a evolução dos principais indicadores de operação e a atividade de investimento.
 
Apresentam-se de seguida as principais conclusões do estudo:
 
•       A industria dos centros comerciais tem hoje um stock de 3,1 milhões de m², distribuídos por 119 projetos;
•       A densidade comercial em Portugal é de 281 m² por 1.000 habitantes, acima da média da União Europeia que se situa nos 240 m² por 1.000 habitantes
•       As taxas de crescimento da oferta de centros comerciais abrandaram a partir de 2010 e hoje o potencial de crescimento é mais limitado, dada a maturidade do sector;
•       Os indicadores da operação de centros comerciais, de acordo com a APCC, retratam um sector em crescimento, com uma evolução das vendas no 3º trimestre de 2017 de 9,8% e do volume de visitantes de 3,6%;
•       O comércio de rua regista desde 2007 um forte dinamismo, com a oferta nas zonas tradicionais da cidade de Lisboa a aumentar 25% em área na última década. Hoje estas zonas contam com uma oferta de 198.000 m² distribuídos por 1.000 lojas.
•       As zonas dos Restauradores & Rossio tiveram o maior crescimento, 50%, seguindo-se a Avenida da Liberdade e a Baixa, com 39% e 20% respetivamente.
•       Paralelamente várias outras zonas da cidade ganharam um imenso destaque, como as Avenidas Novas, Cais do Sodré, Parque das Nações e Príncipe Real, que em total têm hoje uma oferta de 114.000 m² e 1.040 lojas.
•       Na cidade do Porto o comércio de rua regista também o forte dinamismo sentido na capital. A oferta soma hoje 148.000 m² e 600 lojas, tendo aumentado desde 2007 13% em área e 25% em número de lojas.   
•       A cidade conta também com zonas emergentes que têm hoje muito interesse por parte dos operadores, como é o caso da Cedofeita, do Eixo das Flores/Mouzinho da Silveira e a zona da Ribeira, que no total têm 36.900 m² e 450 lojas.
•       Entre 2015 e 2017 abriram em Portugal 1.600 novas lojas, 57% em centros comerciais e 30% em comércio de rua.
•       A moda concentrou 28% da área transacionada, mas a restauração dominou em aberturas, com 544 novas unidades a abrirem nos últimos 3 anos, 34% do total.
•       Em Lisboa as ruas mais procuradas foram a Avenida da Liberdade, a Avenida da República e a Rua Nova do Almada.
•       No Porto a Rua de Santa Catarina concentrou o maior número de novas aberturas
•       Os valores de mercado acompanharam a evolução muito positiva da procura. Desde 2013 as rendas em espaços de retalho valorizaram em média 53%, com a Rua de Santa Catarina e a Rua Augusta a dominarem o crescimento, respetivamente com 100% e 81% de valorização em 5 anos.
 
Sobre a Cushman & Wakefield
A Cushman & Wakefield é uma consultora líder global em serviços imobiliários. Os 43.000 colaboradores em mais de 60 países prestam serviços local e globalmente criando valor significativo a ocupantes e investidores em todo o mundo. A Cushman & Wakefield está entre as maiores empresas de serviços imobiliários com uma faturação de 5 mil milhões de dólares através de serviços de agência, representação de inquilinos, vendas e aquisições, gestão de imóveis, gestão de projetos, consultoria e avaliações. Para saber mais visite www.cushmanwakefield.pt

Tags:

Sobre nós

Multinacional dedicada a serviços imobiliários de consultoria e research, estratégia de portfólio e gestão de risco.

Subscrever