Cushman & Wakefield faz balanço do primeiro semestre 2014 do mercado de investimento imobiliário em Portugal

• Mercado de investimento imobiliário em clara recuperação
• Volume de transações do primeiro semestre 2014 ultrapassou os € 110 milhões
• Quebra generalizada das yields prime

Durante o primeiro semestre de 2014 a tendência de recuperação do mercado de investimento comercial foi inequívoca. Entre Janeiro e Junho foram fechados em Portugal mais de uma dezena de negócios em imobiliário comercial para rendimento que envolveram acima de €110 milhões.

Para esta retoma contribuiu a maior atividade por parte dos investidores internacionais, responsáveis por mais de 70% do volume total de investimento, um valor acima da média dos últimos 10 anos, que se situou em cerca de 50%. Impulsionado pela maior presença de investidores particulares, em parte motivados pela Autorização de Residência para Efeitos de Investimento, também conhecida por Golden Visa, o volume médio por negócio de investimento comercial situou-se nos €10 milhões, abaixo da média dos anos anteriores.

O maior negócio de investimento até ao momento foi a venda do portfólio de imóveis ocupados pela EDP na zona do Marquês de Pombal, por parte do Grupo EDP aos investidores americanos GA Capital, por um valor aproximado de €56 milhões. Este negócio impulsionou a primazia do setor de escritórios durante a primeira metade do ano, tendo sido responsável por mais de 60% do total de investimento comercial.

No que se refere aos valores de mercado, as yields referentes aos produtos prime de referência em todos os setores do imobiliário comercial verificam quebras face ao ano anterior. As yields do setor de escritórios, claramente o mais procurado pelos investidores institucionais, acusaram a primeira correção em baixa desde 2007 e a maior quebra acumulada nestes últimos seis meses. Em Junho, as yields prime do mercado situam-se nos 6,50% para escritórios, 7,00% para centros comerciais, 6,25% para comércio de rua e 8,75% para industrial.

Mais relevante ainda, e prova da mudança do sentimento de mercado, decorrem atualmente diversas negociações de dimensão relevante para venda de ativos, portfólios de imóveis, bem como portfólios de dívida de ativos imobiliários, o que cria um potencial para que 2014 seja um ano com forte atividade no mercado de investimento.

Relativamente ao investimento imobiliário comercial para efeitos de rendimento, espera-se uma confirmação do regresso dos investidores institucionais, bem como a manutenção do interesse de investidores privados, ou family offices, não só estrangeiros mas também nacionais. A maior atratividade do setor de escritórios deverá manter-se, assim como no segmento do comércio de rua em localizações prime, este último a registar uma maior procura por parte de investidores privados. No setor dos centros comerciais e retail parks, esperamos também assistir às primeiras transações em anos por parte de investidores institucionais.

Tags:

Sobre nós

Multinacional dedicada a serviços imobiliários de consultoria e research, estratégia de portfólio e gestão de risco.

Subscrever