Cinquenta e um filmes à procura do invisível

Pela primeira vez desde o nascimento do festival, o IndieLisboa vai premiar as melhores curtas metragens nas categorias de Animação, Ficção e Documentário, para além da atribuição do Grande Prémio de Curta Metragem. Uma decisão que comprova o espaço que esta secção tem vindo a conquistar na descoberta daqueles que serão os grandes cineastas do futuro. À décima quarta edição, o IndieLisboa reforça assim a sua missão e compromisso com o apoio ao cinema de novas vozes, valorizando o trabalho dos realizadores que têm a coragem de se aventurar em primeiras obras. O júri para a competição internacional de curtas metragens será composto por Filipe Abranches, professor, realizador e ilustrador, Katja Pratschke, cineasta em destaque na secção Silvestre, e Richard Raskin, argumentista, jornalista, crítico de diversas publicações internacionais e editor da revista  Short Film Studies .

A selecção oficial de curtas metragens a concurso apresenta um programa com 51 filmes, numa viagem à volta do mundo, que serve de espelho diversificado de visões e temas. Procurar o invisível é o grande motor de arranque desta programação que vê voltar o grande animador  Nicolas Ménard  à procura de um "Goddard" numa montanha ( Wednesday with Goddard ),  Duncan Campbell  - vencedor do Turner Prize de 2014 e antes em competição com o estimulante  Bernardette  - traz  The Welfare of Tomás Ó'Hallissy , a finlandesa  Salla Sorri  ( Silencio ) procura entender uma jovem que só necessita de mais atenção,  Lucas Doméjean , depois do divertido  Retarded 2 , faz uma espécie de sequela, ainda mais divertida, em que os supermercados Lidl continuam a representar o lugar onde se quer estar com os amigos ( Nirvana ) ou  Camilo Restrepo  que, depois de na edição passada ter sido contemplado com uma menção especial por  La Imprésion de una Guerra , acompanha uma jovem que procura obsessivamente o pai ( Cilaos ).

Da Polónia chegam-nos quatro animações e um documentário numa prova da vitalidade do cinema polaco nas suas diversas expressões. De Sundance surge o filme que venceu o Grande Prémio Internacional,  And So We Put Goldfish in the Pool , do japonês  Makoto Nagahisa , que tem sido a grande sensação dos festivais a oriente e  Hot Winter: a Film by Dick Pierre  de Jack Henry Robbins, cujo cunho político e sexual do filme afronta esta América de Trump. Entre os portugueses, destaca-se o regresso de  Joana Pimenta  (premiada no IndieLisboa 2014 com o seu primeiro trabalho) com  Um Campo de Aviação  e de  Ico Costa  com  Nyo Vweta Nafta , realizador que tem feito um circuito assinalável de festivais desde a sua estreia e recém galardoado com o Prémio de Melhor Realizador no Festival de Cinema du Réel. Em estreia mundial e também numa viagem de regresso ao IndieLisboa, estão  Jorge Jácome  ( Flores ),  Hugo Pedro  ( Turno da Noite ) e  André Ruivo  ( Circo ).
 
Animação
489 Years, Hayoun Kwon (França)
Amalimbo, Juan Pablo Libossart (Suécia)
Beside Oneself, Karolina Specht (Polónia)
Circo, André Ruivo (Portugal)
Impossible Figures and other Stories II, Marta Pajek (Polónia)
Ink Meets Blank, Tymon Albrzykowski (Polónia)
Je ne sens plus rien, Noémie Marsily, Carl Roosen (Bélgica, Canadá)
Play Boys, Vincent Lynen (Bélgica)
Pussy, Renata Gasiorowska (Polónia)
The Waves, Oscar Lewis (Reino Unido)
Wednesday with Goddard, Nicolas Ménard (França)
Documentário
Avant l'envol, Laurence Bonvin (Suiça)
Um Campo de Aviação, Joana Pimenta (EUA, Portugal)
The Benevolent Dictator, Bernhard Braunstein, Martin Hasenöhrl, Albert Lichtblau (Áustria)
Close Ties, Zofia Kowalewska (Polónia)
En la boca, Matteo Gariglio (Suiça)
Find Fix Finish, Mila Zhluktenko, Sylvain Cruiziat (Alemanha)
Fraktur, Gilles Ribero (França)
The Hollow Coin, Frank Heath (EUA)
NO'I, Aline Magrez (Bélgica)
Nyo Vweta Nafta, Ico Costa (Portugal, Moçambique, Argentina)
Ocean Hill Drive, Lina Sieckmann, Miriam Gossing (Alemanha)
Pattern Language, Peter Burr (EUA)
The Rabbit Hunt, Patrick Bresnan (EUA)
Rubber Coated Steel, Lawrence Abu Hamdan (Líbano)
Simba in New York, Tobias Sauer (Alemanha)
Stand-by Office, Randa Maroufi (França/Holanda)
Sur la route, Annabelle Amoros (França)
Ficção
À ton âge le chagrin c'est vite passé, Alexis Langlois (França)
And So We Put Goldfish in the Pool, Makoto Nagahisa (Japão)
Centaur, Nicolás Suárez (Argentina)
Cilaos, Camilo Restrepo (França, Chile)
La culpa, probablemente, Michael Labarca (Venezuela)
Dekalb Elementary, Reed Van Dyk (EUA)
Dreaming of Baltimore, Lola Quivoron (França)
Le film de l'été, Emmanuel Marre (França)
Flores, Jorge Jácome (Portugal)
Fog, Adrian Voicu (Roménia)
Hot Winter: a film by Dick Pierre, Jack Henry Robbins (EUA)
Martin Pleure, Jonathan Vinel (França)
Nirvana, Lucas Doméjean (França)
Noyade Interdite, Mélanie Laleu (França)
The Off-Season, Yelzat Eskendir (Cazaquistão)
Out of Reach, Efrat Rasner (Israel)
Sakhisona, Prantik Basu (India)
Silencio, Sala Sorri (Finlândia, Cuba)
Turno da Noite, Hugo Pedro (Portugal)
Watchkeeping, Karolis Kaupinis (Lituânia)
The Welfare of Tomás Ó'Hallissy, Duncan Campbell (Irlanda, Reino Unido)
Wild Hope, Audrey Bauduin (França)
Written/Unwritten, Adrian Silisteanu (Roménia)
 
O IndieLisboa 2017 by Allianz é organizado pela IndieLisboa - Associação Cultural, com o apoio financeiro do Ministério da Cultura/ICA - Instituto do Cinema e do Audiovisual, da CML - Câmara Municipal de Lisboa, do Programa Creative Europe da União Europeia e da Allianz Portugal; em co-produção com a Culturgest e o Cinema São Jorge e em parceria estratégica com a EGEAC - Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural, EEM.

Tags:

Sobre nós

Festival de cinema com a duração de 11 dias, que decorre anualmente em Lisboa.

Subscrever

Media

Media