PORTUGAL PARTICIPA COM KOW HOW EM MINI NAVE ESPACIAL

  • Grupo ISQ realizou com sucesso os ensaios de qualificação do escudo térmico do IXV;
  • A última fase de ensaios decorreu no Laboratório do ISQ em Castelo Branco;
  • Grupo ISQ investiu 2 milhões de euros e cerca de 30 engenheiros portugueses dedicaram 15 mil horas ao projecto;
  • O lançamento do IXV será realizado em Fevereiro, no Centro Espacial Europeu, em Kourou, na Guiana Francesa, situado na linha do equador;
  • Concretização do IXV: vontade europeia de acesso independente ao espaço.
 
Lisboa, 11 de Fevereiro de 2015
 
O ISQ dá cartas, mais uma vez, ao nível da indústria aeroespacial. O Grupo participou nos ensaios de qualificação do escudo térmico do IXV (Intermediate eXperimental Vehicle), o veículo experimental da Agência Espacial Europeia (ESA), com lançamento previsto para dia 11 de Fevereiro de 2015, a partir do Centro Espacial Europeu na Guiana Francesa.
O desenvolvimento desta mini nave espacial contou, praticamente desde o seu início, com uma forte participação portuguesa, através do trabalho de cerca de 30 engenheiros nacionais, provenientes do ISQ, que trabalharam nos ensaios de desenvolvimento do escudo térmico não ablativo, a principal inovação do IXV. Em causa estiveram aproximadamente 15.000 horas de trabalho e um investimento da ordem dos 2.000.000,00€.
A participação neste tipo de projectos permite ao ISQ ganhar mais competências, experiência e credibilidade em sectores industriais muito exigentes, permitindo o alargamento das suas actividades, no mercado aeroespacial e noutros sectores.
Para o ISQ “o investimento feito não se esgota neste projecto; vai permitir a dinamização da nossa actividade e o desenvolvimento de novas áreas de negócio. Ganhámos um conjunto de competências e de credibilidade neste mercado que vão reforçar as nossas vantagens competitivas e abrir a porta a projectos internacionais mais ambiciosos nas mais diversas áreas”, afirma Paulo Chaves, que desenvolve o mercado aeroespacial no ISQ.
Neste caso concreto, a participação no desenvolvimento do IXV só foi possível pela constante aposta na criação de conhecimento adaptado às necessidades dos seus clientes industriais, posicionando-se o ISQ como entidade de topo no que respeita a serviços, inspecção, ensaio, formação, consultoria técnica, inovação e desenvolvimento de novas tecnologias.
Durante os cinco anos de intensa presença neste projecto, o ISQ participou nas diversas fases de elaboração da tecnologia do sistema de protecção térmica do IXV, utilizando vários laboratórios do Grupo em Portugal, tendo estado presente também na preparação do lançamento do veículo, no Centro Espacial Europeu, em Kourou. Neste processo estiveram envolvidos cerca de 20 técnicos em Portugal e mais 6 em Kourou.
De sublinhar que o ISQ foi a principal entidade Portuguesa envolvida no desenvolvimento do IXV, tendo acompanhado em permanência o projecto desde o seu início, há cerca de 8 anos. Deste envolvimento, a colaboração mais recente decorreu no centro de ensaios de Castelo Branco, onde se realizaram os ensaios de qualificação do sistema.
O lançamento do IVX está previsto para dia 11 de Fevereiro, num foguete VEGA, para que possa atingir uma altitude superior a 400 Km e uma velocidade de 7,5Km/s. Será realizada uma trajectória equatorial e, com o apoio dos seus pequenos propulsores, a uma altitude de aproximadamente 120Km, será feita a reentrada na atmosfera. Após a reentrada, e durante as fases de voo hipersónica e supersónica, será recolhida uma extensa quantidade de dados. O IXV irá dirigir-se para a zona de amaragem com o apoio dos seus flaps aerodinâmicos. A amaragem, no Oceano Pacífico ao largo da Colômbia, será amortecida através da abertura de 4 paraquedas, sendo depois o veículo recolhido por um navio que o trará de volta à Europa para nova bateria de testes/ensaios, em que o ISQ irá participar.
O perfil definido para este voo é totalmente representativo da reentrada na atmosfera de veículos em orbita baixa. A trajectória equatorial foi escolhida por permitir um melhor seguimento por parte das estações de rastreamento terrestres, para além de proporcionar um período de tempo mais longo para testar o comportamento dinâmico e cinemático do veículo. 
A concretização do IXV reveste-se de grande relevância a nível europeu. Possibilita, por um lado, a validação de tecnologias para futura utilização e, por outro, reafirma a vontade europeia de manter um acesso independente ao espaço, face às restantes potencias mundiais.
ISQ na indústria aeroespacial
O ISQ, a maior organização privada tecnológica de prestação de serviços Portuguesa, opera na área da indústria aeroespacial há mais de 10 anos. Para além da participação em projectos de desenvolvimento de tecnologia, tem também uma equipa permanente no Centro Espacial Europeu, onde participa nas operações de preparação e lançamento dos 3 sistemas ali existentes: o Ariane 5, o Soyuz e o Vega.
O Ariane 5 (AR5) é o lançador europeu “pesado” que conta com 7 a 8 lançamentos por ano. Este foguete já atingiu uma sequência de 60 lançamentos concluídos com sucesso, feito raro no panorama mundial. O projecto do AR5 foi iniciado na década de 90, prevendo-se que se mantenha activo até 2020.
O VEGA é um lançador “ligeiro” europeu (essencialmente Italiano) que faz 1 a 2 lançamentos por ano para orbita baixa.
O Soyuz, concebido pelos soviéticos, consiste num foguete “intermédio” que já está em operação há mais de 30 anos. A versão europeia deste veículo é lançada 2 a 4 vezes por ano em Kourou, desde 2011.
 
IXV: Características
Intermediate eXperimental Vehicle  (IXV) é um veículo de reentrada atmosférica experimental da Agência Espacial Europeia (ESA) que tem a capacidade para fazer voos orbitais e de se deslocar em voo planado, entre a reentrada na atmosfera e o local de amaragem. O desenvolvimento do IXV foi realizado sob a liderança industrial da Thales Alenia Space.  Trata-se de um projecto conjunto desenvolvido por vários países europeus que participam na ESA.
O aparelho segue a linha de princípios de estudos anteriores, como o  Pre-X  do CNES ou o  AREV  ( Atmospheric Reentry Experimental Vehicle ) da ESA.
Características
 
  • Veiculo não tripulado;
  • 5m de comprimento;
  • 2,2m de envergadura;
  • 1,5m de altura;
  • Peso à descolagem: Aproximadamente 2 toneladas.
Vantagens
 
  • É reutilizável, com um escudo térmico não ablativo, de alta resistência;
  • Tem capacidade de voo aerodinâmico;
  • Utilização massiva de componentes fabricados em serie para reduzir o seu custo.
 
###
 
SOBRE O GRUPO ISQ
 
O Grupo ISQ é a maior organização privada tecnológica de prestação de serviços com sede em Portugal. Fundado em 1965, hoje actua em mais de 20 países espalhados por 4 continentes. Dedica-se à prestação de serviços de inspecção, ensaio, formação e consultoria técnica. Nos últimos 50 anos, contribuiu para a construção da maioria das unidades industriais portuguesas, em áreas tão variadas como a construção de centrais de energia térmica ou eólica, refinarias, petroquímicas, papeleiras, o alargamento da Ponte 25 de Abril, etc. Mais de metade da sua actividade, nacional e internacional, consiste em serviços especializados com forte incorporação tecnológica, como é o caso de ensaios complexos, engenharia no domínio da integridade estrutural, controlo de qualidade das mais diversas construções industriais, concepção e gestão de infra-estruturas tecnológicas e laboratórios, formação e Investigação & Desenvolvimento. Há mais de 25 anos que integra projectos de I&D nacionais e internacionais, tendo investido mais de 55 milhões de euros em projectos de I&D nos últimos dez anos e participado em mais de 400 projectos em colaboração com cerca de 1200 parceiros. Em 2012, o Grupo facturou quase 100 milhões de euros. Cerca de 50% do total do volume de negócios provém de exportações. Composto por mais de 10 empresas, o Grupo tem presença em 15 países e emprega mais de 1.300 colaboradores em todo o mundo. Mais em www.isq-group.com.
 

Tags:

Sobre nós

Organizacao tecnologica privada e independente, com 50 anos, que presta servicos de inspecao, ensaio, formacao e consultoria tecnica a nivel mundial.

Subscrever