O Fim do Império, Memória de um Soldado Português, do jornalista Ribeiro Cardoso chega amanhã às livrarias

Editorial Caminho
Novidade editorial - 10 fevereiro 2014

O Fim do Império – Memória de um Soldado Português – O 7 de Setembro de 1974 em Lourenço Marques do jornalista Ribeiro Cardoso, chega às livrarias a 11 de fevereiro.

O lançamento decorrerá no dia 13 de fevereiro, pelas 18h30, na livraria Leya na Buchholz, em Lisboa. A apresentação estará a cargo do Coronel Aniceto Afonso.

Esta é uma história real que tem por fundo a colonização, a guerra colonial e a descolonização – e tem por centro o 7 de Setembro de 1974, dia em que os brancos extremistas de Lourenço Marques assaltaram o Rádio Clube de Moçambique na tentativa de impedir a promulgação dos Acordos de Lusaka.

Tais acordos, assinados horas antes por representantes de Portugal e da Frelimo, estabeleciam os mecanismos da transferência de poderes que levariam à independência de Moçambique – o que certos brancos não aceitavam.

O assalto à Casa da Rádio, que durou três longos dias, foi efectuado com a cumplicidade da Polícia e o desnorte das cúpulas das Forças Armadas em Lourenço Marques, com Spínola mexendo os cordelinhos a partir de Lisboa. O resultado foi trágico: largas centenas de mortos negros, algumas dezenas de mortos brancos, ódios raciais à solta, medo branco à flor da pele, uma descolonização envenenada.

Na verdade, o que então se passou na capital moçambicana foi um crime sem perdão – sentindo o seu mundo de privilégios a ruir, um punhado de brancos extremistas lançou-se numa aventura sem sentido e condenada ao fracasso, arrastando emocionalmente milhares de compatriotas que, desinformados e impreparados politicamente, naquele contexto eram presa fácil de qualquer patrioteirismo rasteiro.

Num primeiro momento, os assaltantes viveram uma euforia balofa, difundido via rádio desejos e boatos como realidades – com os seus membros mais exaltados entregando-se, ao som do Rádio Clube de Moçambique ocupado, a uma autêntica orgia de sangue negro nas ruelas sem esgoto do caniço.

Porém, ao terceiro dia, o medo que se havia apoderado da população negra, que ouvia a rádio apelando à intervenção sul-africana e rodesiana, transformou-se em levantamento geral sob a forma de uma marcha de catanas sobre a cidade branca.

O feitiço virara-se contra o feiticeiro. Chegara a hora da população branca ser tomada pelo medo, primeiro, e pelo pânico, depois. Polícia incluída, quando as suas comprometidas chefias descobriram, tarde demais, que não tinham capacidade para enfrentar muitos milhares de negros em fúria.

Ao mesmo tempo, muitos daqueles brancos perceberam que tinham um pesado preço a pagar: a fuga, o adeus doloroso a uma terra amada mas onde só aceitavam viver com as regras iníquas que sempre os favoreceram e permitiram que, de forma abjecta, vivessem à custa da exploração do negro.

Fugiram - ironia da vida! - com o peso de uma última humilhação: a cidade branca só se salvou graças à intervenção da Frelimo e de um seu militante que, à pressa, PSP e Exército fardaram e levaram aos microfones do RCM para transmitir a senha que faria parar os negros em fúria.

Com este haraquíri, talvez alguns dos brancos mais extremistas tenham então compreendido que nunca houve, nem podia haver, uma colonização justa – e muito menos uma descolonização perfeita. Mas poderia ter sido bem melhor do que foi se não se tivesse criminosamente lançado gasolina na fogueira.

ISBN - 978-972-21-2666-3
392 páginas
PVP C/ IVA 18,90€

Ribeiro Cardoso nasceu no Porto em Maio de 1945. Licenciado em Filologia Germânica, é jornalista profissional desde 1971. Iniciou-se no Diário de Lisboa e foi sócio fundador do semanário O Jornal e redator-fundador dos quotidianos O Diário e Europeu. De 1989 a 1992 foi diretor-adjunto do semanário O Comércio de Macau, tendo permanecido até 1993 naquele território chinês sob administração portuguesa como freelancer e correspondente para a Ásia do Jornal de Notícias e da RDP-Antena Um. Regressado a Portugal, foi redator do Tal&Qual, director de publicações da TV Guia Editora (RTP) e coordenador da revista Autores, da Sociedade Portuguesa de Autores. Em 1987, com o documentário televisivo O Pinta do Intendente, ganhou o prémio Gazeta, do Clube de Jornalistas.

Em 1995 foi co-autor, com Rogério Beltrão Coelho, do filme Exílio Dourado em Macau, realizado por Manuel Tomás. De 2001 e 2004 integrou os quadros da RTP e de 2004 a 2009 foi responsável editorial e um dos moderadores do programa Clube de Jornalistas, emitido da RTP 2. Eleito pelos jornalistas portugueses foi membro do Conselho de Imprensa (1977-81) e, no Sindicato dos Jornalistas, presidente do Conselho Técnico e de Deontologia (1981-83) e vice-presidente da Direção (1987-89). Integrou, ao longo de vários mandatos, os corpos sociais do Clube de Jornalistas e da Casa de Imprensa. Em 2011 publicou, na Editorial Caminho, o livro Jardim, a Grande Fraude.

Tags:

Sobre nós

Grupo editorial de toda a área da língua portuguesa.

Subscrever

Media

Media