PAN realiza audição pública sobre o regime cinegético

Quinta-feira dia 25 de Fevereiro, às 16h00 na Assembleia da República
 
Lisboa, 24 de fevereiro de 2016   – No âmbito da recente decisão do governo que aprovou uma portaria que volta a permitir caçar na zona sul da Reserva Natural da Serra da Malcata, após 23 anos de interdição desta atividade num dos habitats históricos de ocorrência de lince-ibérico (uma espécie em risco de extinção), o PAN – Pessoas – Animais – Natureza organiza na próxima Quinta-feira dia 25 de Fevereiro, às 16h00 na Assembleia da República, sala de comissões n.º 1, uma audição pública sobre o regime cinegético . Para a reflexão conjunta sobre um tema que não tem sido apresentado à sociedade portuguesa de uma forma realista e integrada, serão convidados vários especialistas, entre eles, o Biólogo e Professor na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, Luís Vicente, a Quercus, o GEOTA, a LPN, a SPEA entre outras entidades e o público em geral que estão a ser convidados para participar no debate.
 
Em Portugal a conservação das espécies requer esforço, para evitar que se percam alguns dos animais mais emblemáticos do território e não falamos apenas do mais conhecido felino, o lince ibérico, mas também de outras espécies ameaçadas, como a salamandra lusitânica, o lobo ibérico, o pequeno saramugo, a foca monge que costumava existir em todas as costas mediterrânicas e na ilha da Madeira, mas hoje a sua população não excede os 450 indivíduos e a águia-imperial ibérica que só nidifica em Espanha e em Portugal e que está em risco pela diminuição dos coelhos, a sua presa principal, e a fragmentação dos montados, o habitat que prefere para nidificar.
 
“Na maioria do território português é possível exercer a atividade cinegética, sendo muito poucas as áreas no território nacional onde não se caça. Não são necessárias mais áreas de caça. Esta decisão do governo, tomada à revelia da sociedade, carece de fundamentação científica e política. Continuamos a agir como se fossemos donos do mundo, mas em vez de nos responsabilizarmos pelo equilíbrio ecológico do planeta e pelo direito de todos os seres vivos à vida e ao bem-estar, atuamos como cruéis predadores indiferentes ao impacto nefasto que estas decisões têm em toda a fauna e flora da cadeia ecológica”, recorda André Silva, deputado do PAN.
 
Enviamos mais informação em anexo.

Tags:

Sobre nós

Partido pelos Animais e pela Natureza.

Subscrever