Eurodeputados apoiam novas sanções ao Irão e alertam para o risco de nova escalada

Numa resolução adoptada hoje, o Parlamento Europeu (PE) deu "luz verde" à aplicação de novas sanções ao Irão, numa tentativa de trazer aquele país para a mesa das negociações, lembrando, contudo, que essas acções deverão ter o menor impacto possível na população civil. Os eurodeputados exigiram também que o Irão interrompa o seu programa nuclear clandestino e condenaram a ameaça de fechar o estreito de Ormuz.


O PE acredita que estas novas sanções, que incluem um bloqueio faseado às importações de petróleo para a União Europeia, podem levar o governo iraniano a respeitar as resoluções das Nações Unidas (ONU). Contudo, os eurodeputados querem assegurar-se que estas sanções apenas vão atingir as elites e não o povo iraniano, especialmente os mais vulneráveis.


Ao mesmo tempo, mostraram-se preocupados com o impacto que a quebra na importação de petróleo poderá ter em alguns Estados-membros da UE, instando o Conselho a tomar medidas para compensar esta perda.


Os eurodeputados acreditam ainda que o bloqueio do Estreito de Ormuz poderá levar a um conflito regional e a uma retaliação por parte da comunidade internacional, apelando, por isso, às autoridades iranianas para não optar por esta via.


A importância de uma solução diplomática


O Parlamento corrobora a ideia do Conselho de se trabalhar a via diplomática para resolver o problema nuclear iraniano, indo, assim, ao encontro dos objectivos da União Europeia que pretende alcançar um acordo abrangente e a longo termo. Deste modo, os eurodeputados estão convictos que o diálogo com a Turquia poderá ser sobremaneira importante para o estabelecimento desse acordo.


Por outro lado, os eurodeputados mostraram-se desiludidos com a recusa da China e da Rússia em aprovar as sanções ao Irão no Conselho de Segurança da ONU, tendo apelado à Rússia para cessar a assistência que tem dado ao programa de desenvolvimento nuclear iraniano até o país voltar a estar comprometido com as suas obrigações perante as resoluções da ONU.


Antecedentes


Os Ministros dos Negócios Estrangeiros da UE chegaram a acordo para impor medidas de restrição adicionais ao Irão no dia 23 de Janeiro, sendo que uma dessas medidas prevê um bloqueio faseado às importações de petróleo do Irão a partir do dia 1 de Julho. Recorde-se que, actualmente, a UE compra cerca de 20% das exportações de petróleo iranianas.


Neste quadro, a Grécia é o país da União Europeia mais dependente das importações do Irão, importando quase um terço do seu petróleo àquele país. A Itália e a Espanha vêm logo a seguir com mais de 10%.


Consultar a Resolução comum:

http://www.europarl.europa.eu/sides/getDoc.do?pubRef=-//EP//TEXT MOTION P7-RC-2012-0017 0 DOC XML V0//PT


Contacto:

Teresa Coutinho

Parlamento Europeu - Gabinete de Imprensa

( 351) 91 768 3430

( 351) 21 350 4913

teresa.coutinho@europarl.europa.eu

Tags:

Sobre nós

Instituição Parlamentar da União Europeia.

Subscrever