PE acaba com conflito comercial com EUA devido à carne com hormonas

O Parlamento Europeu aprovou hoje uma série de concessões que visam pôr fim a 20 anos de contencioso com os Estados Unidos e com o Canadá devido à comercialização de carne vaca com hormonas. O acordo permite à UE manter o veto às importações deste tipo de carne, em troca do aumento da quota de importação de carne de alta qualidade dos EUA e do Canadá.


O acordo aumentará a quota de carne de qualidade importada pela UE em 48.200 toneladas. Os EUA e o Canadá, por sua parte, já suspenderam as sanções que mantinham contra os produtos europeus incluídos numa lista negra, em represália pelo embargo da UE, e que originaram prejuízos em 26 Estados-membros (todos, menos o Reino Unido) na ordem dos 250 milhões de dólares, segundo preços de hoje.


"Esta antiga disputa comercial acaba hoje, finalmente. Trata-se de uma resolução favorável para a UE. O Parlamento tomou uma decisão que permitirá à indústria agrícola europeia planificar com maior antecedência e estreitar laços comerciais transatlânticos", afirmou a deputada alemã Godelieve Quisthoudt-Rowohl (PPE).


O relatório foi aprovado por 650 votos a favor, 11 contra e 11 abstenções e o acordo já foi apoiado pelo Conselho, pelo que o aumento das importações entrará em vigor já em Agosto.


História de um conflito comercial


O conflito devido à carne de vaca com hormonas afectou as relações comerciais transatlânticas desde 1988, altura em que a UE, preocupada com a saúde dos seus cidadãos, proibiu a importação de carne de vaca tratada com hormonas de crescimento. Em 1996, os EUA e o Canadá, os países mais afectados por esta decisão, levaram o caso à Organização Mundial de Comércio (OMC), que se posicionou a favor destes países, autorizando-os a impor sanções à UE (em forma de tarifas aduaneiras) num valor de 116,8 milhões de dólares e 11,3 milhões de dólares canadianos.


Estas tarifas obstaculizaram as importações da UE e provocaram uma perda de quota de mercado para os produtores europeus. Os alimentos europeus elaborados com carne bovina e porcina, o queijo roquefort, o chocolate, sumos ou trufas foram alguns produtos afectados pelas sanções.


Uma solução que beneficia as partes


Em Maio de 2009, a Comissão Europeia negociou um acordo com o Governo dos EUA para a redução gradual das sanções que o país mantinha aos produtos da UE, bem como um aumento, por parte da Europa, da quota de importação de carne de vaca (livre de hormonas).


O Governo norte-americano concordou, por fim, em levantar as sanções contra os produtos europeus em Maio de 2012. Os principais beneficiários da eliminação das sanções são a Itália (o acordo beneficiará o país em 99 milhões de dólares), Polónia (25 milhões de dólares), Grécia e Irlanda (24 milhões cada), Alemanha e Dinamarca (19 milhões cada), França (13 milhões) e Espanha (9 milhões.


LINKS

O texto adoptado estará em breve disponível aqui (14.03.2012)

http://www.europarl.europa.eu/plenary/en/texts-adopted.html


Contacto:

Teresa Coutinho

Gabinete de Imprensa do PE em Portugal

teresa.coutinho@europarl.europa.eu

351 91 768 3430

351 21 350 4913

Tags:

Sobre nós

Instituição Parlamentar da União Europeia.

Subscrever