Concerto "Quadros da Natureza" inaugura segunda edição do ciclo "Serões Musicais no Palácio da Pena"

- António Rosado atua com Quarteto de Cordas de Matosinhos e Pedro Vares
- Primeiro serão decorre a 14 de fevereiro
- Serões têm lugar no Salão Nobre do Palácio Nacional da Pena

Vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=3LuS6pMzuiY
 
Sintra, 8 de fevereiro de 2016 – O ciclo de música “Serões Musicais no Palácio da Pena” tem início no próximo dia 14 de fevereiro, às 21h00, com o serão “Quadros da Natureza”.
 
Precedido por uma conferência apresentada pela musicóloga Luísa Cymbron, o concerto da noite junta António Rosado (piano) ao Quarteto de Cordas de Matosinhos e a Pedro Vares (contrabaixo). A natureza foi o tema central de grandes compositores do século XIX, sobretudo em autores da área cultural germânica – de Schubert a Mendelssohn, de Smetana e Dvorak a Vianna da Motta - e é a diversidade de leituras sobre a mesma que serve de mote para a atuação. O concerto pretende, assim, ilustrar esta diversidade através de um programa de música de câmara.
 
Programa do concerto “Quadros da Natureza”:

José Vianna da Motta
Quarteto de Cordas em Sol maior “Cenas da Montanha" Op.14
 


  • Franz Schubert
    Quinteto para pianoforte e cordas em Lá maior “A Truta”, D. 667
    Allegro vivace

  •  
  •  
  • Scherzo – Presto
    Andantino – Allegretto
    Allegro giusto

    António Rosado apresenta uma carreira reconhecida nacional e internacionalmente. O pianista já tocou com inúmeras orquestras nacionais e internacionais sob a batuta de maestros como: Michel Plasson, Georg Alexander Albrecht, Moshe Atzmon, Franco Caracciolo, Pierre Dervaux, Arthur Fagen, Léon Fleischer, Silva Pereira, Claudio Scimone, David Stahl, Marc Tardue e Ronald Zollmanm, entre outros. Também na música de câmara, na qual se baseará o repertório apresentado no concerto “Quadros da Natureza”, tem atuado com prestigiados músicos como Aldo Ciccolini, Maurice Gendron, Margarita Zimermann, Gerardo Ribeiro ou Paulo Gaio Lima.
     
    O Quarteto de Cordas de Matosinhos é composto por Vítor Vieira (violino), Juan Carlos Maggiorani (violino), Jorge Alves (viola) e Marco Pereira (violoncelo) e atua no Salão Nobre do Palácio Nacional da Pena depois de uma digressão por prestigiadas salas europeias, como o Barbican em Londres, o Concertgebouw em Amesterdão e o Muzikverein em Viena. Desde o início da carreira, a formação assume “o compromisso com o repertório português para quarteto de cordas, interpretando muitas obras menos conhecidas e abraçando novas obras de compositores contemporâneos”.

    O responsável pelo contrabaixo, Pedro Vares, foi chefe de naipe dos contrabaixos na Orquestra Sinfonietta de Lausanne de 2005 até 2014, ano em que integra a Orquestra Gulbenkian como Solista A. Colaborou com músicos como Chiara Banchini, Florence Malgoire, Gaetano Nasilo, Carlos Mena e Leonardo García Alarcón, e a estudar viola da gamba, com a Professora Cecilia Knudtsen e a pedagógica tem-no levado a dar masterclasses na Argentina, Estonia, Venezuela, e Uruguai.

    Os bilhetes para os concertos integrados nos “Serões Musicais no Palácio da Pena” custam dez euros e estão à venda nas bilheteiras da Parques de Sintra, online em www.parquesdesintra.pt e em www.blueticket.pt , FNAC, Worten, El Corte Inglés, MEO Arena, Media Markt, lojas ACP, rede PAGAQUI e Posto de Turismo de Sintra.

    A segunda edição dos “Serões Musicais no Palácio da Pena” decorre no ano em que se assinalam os 200 anos do nascimento do Rei D. Fernando II, cuja vida esteve sempre ligada à música. A Parques de Sintra e a Divino Sospiro – Centro de Estudos Musicais Setecentistas de Portugal (DS-CEMSP) voltam, assim, a levar ao Salão Nobre do Palácio Nacional da Pena um repertório romântico muito próximo das sonoridades que lá se terão ouvido no séc. XIX, com direção artística de Massimo Mazzeo.

    Sobre o Divino Sospiro - Centro de Estudos Musicais Setecentistas de Portugal
    O Divino Sospiro - Centro de Estudos Musicais Setecentistas de Portugal, com sede nas instalações do Palácio Nacional de Queluz, tem como objetivo principal a promoção e divulgação do património musical associado ao Palácio de Queluz, no qual a música ocupou desde sempre um papel central, e onde foram apresentadas dezenas de serenatas e óperas. Serão realizados, nas salas do Palácio, concertos, eventos, conferências, simpósios e colóquios, assim como masterclasses e outras iniciativas que se propõem estudar e recuperar o tempo e a tradição de grandes acontecimentos musicais da época da permanência da Família Real no Palácio de Queluz, contribuindo em simultâneo para a fruição pública de uma programação musical de qualidade e para a afirmação do Palácio como referência incontornável da nossa herança cultural. 
     
    www.divinosospiro.org

    Sobre a Parques de Sintra - Monte da Lua
    A Parques de Sintra - Monte da Lua, S.A. (PSML) é uma empresa de capitais exclusivamente públicos, criada em 2000, no seguimento da classificação pela UNESCO da Paisagem Cultural de Sintra como Património da Humanidade. Não recorre ao Orçamento do Estado, pelo que a recuperação e manutenção do património que gere são asseguradas pelas receitas de bilheteiras, lojas, cafetarias e aluguer de espaços para eventos.
    Em 2015, as áreas sob gestão da PSML (Parque e Palácio Nacional da Pena, Palácios Nacionais de Sintra e de Queluz, Chalet da Condessa d’Edla, Castelo dos Mouros, Palácio e Jardins de Monserrate, Convento dos Capuchos e Escola Portuguesa de Arte Equestre) receberam aproximadamente 2.234.000 visitas, cerca de 87% das quais por parte de estrangeiros. Recebeu, em 2013, 2014 e 2015, o World Travel Award para Melhor Empresa em Conservação.
    São acionistas da PSML a Direção Geral do Tesouro e Finanças (que representa o Estado), o Instituto da Conservação da Natureza e Florestas, o Turismo de Portugal e a Câmara Municipal de Sintra.



     

Tags:

Sobre nós

Empresa de capitais exclusivamente públicos criada em 2000 (decreto-lei nº 215/2000, de 2 de Setembro), na sequência da classificação pela UNESCO da Paisagem Cultural de Sintra como Património da Humanidade e dos compromissos assumidos com a sua recuperação, conservação e divulgação.

Subscrever

Media

Media