Festival de Sintra regressa para a 51ª edição

- Festival decorre de 12 a 29 de maio
- Concertos em vários espaços do concelho de Sintra
- Programação musical complementada com palestras
 
 
Sintra, 11 de abril de 2016 - O Festival de Sintra regressa a 12 de maio para a sua 51ª edição, que decorre até ao dia 29 do mesmo mês nos Palácios Nacionais de Sintra, Pena e Queluz e no Centro Cultural Olga Cadaval. Organizado pela Câmara Municipal de Sintra e com direção artística de Adriano Jordão, o histórico festival abre-se a um público mais jovem e aposta no ecletismo musical, com um programa que é descrito pelo diretor artístico e pianista como “um passeio musical através do tempo e do espaço”.
 
Este ano, o festival começa com dois concertos do consagrado compositor e pianista Michael Nyman , que decorrem a 12 e 13 de maio , no Centro Cultural Olga Cadaval. Autor de bandas-sonoras para filmes como “O Piano” e de óperas como “Facing Goya”, Nyman tem uma vasta carreira discográfica e apresenta-se em Portugal a solo e ao piano.
 
No dia seguinte, 14 de maio , o concerto faz-se com dois pianos e quatro mãos. Mário Laginha e Pedro Brumester proporcionarão, também no Centro Cultural Olga Cadaval, uma viagem da Cuba de Copland à Lisboa de Esteves da Silva, do Brasil de Pixinguinha à França de Debussy e Ravel.
 
Já a 15 de maio , Rüya Taner , uma das principais concertistas da nova geração da Turquia, associa-se a Dinçer Özer , o principal percussionista da Orquestra Sinfónica Presidencial de Ancara. Entre o piano e a percussão, os músicos trarão, juntos, as cores percussivas vindas da Turquia ao Palácio Nacional de Sintra.
 
A 19 de maio , a aclamada pianista Olga Prats mistura tradições no Palácio Nacional de Queluz e entre Lisboa e Buenos Aires, apresentará fados e tangos ao piano.
 
Um piano e quatro mãos é a proposta da dupla Yordanova e Kiyurtchev , que atuam a 20 de maio no Palácio Nacional de Sintra.
 
A 21 de maio, o piano continua a ser protagonista, mas desta vez em tributo singular a Chopin, a decorrer no Palácio Nacional de Queluz, pelas mãos da canadiana Janina Fialkowska .
 
O pianista Théodore Paraskivesco, nascido na Roménia mas com nacionalidade francesa, chega ao Palácio Nacional de Sintra a 22 de maio , para uma viagem musical com paragens em compositores como Bach ou Bartok.
 
Nos vastos cenários sonoros de que é composto o Festival de Sintra não faltará também a música árabe tocada ao piano por Marouan Benabdallah . O concerto do pianista marroquino decorrerá a 26 de maio no Palácio Nacional da Pena.
 
A abrangência do Festival de Sintra a um público mais jovem reflete-se também em palco no dia 27 de maio , com o concerto de Vasco Dantas . O músico é um dos representantes da nova geração portuguesa de pianistas, contando já com mais de 50 prémios e distinções internacionais e atua no Palácio Nacional de Queluz.
 
A edição de 2016 do Festival de Sintra fecha com dois concertos especiais. A 28 de maio a Banda Sinfónica do Exército e o Coro do Teatro Nacional de S. Carlos juntam-se em Concerto Promenade gratuito, a decorrer no largo do Palácio Nacional de Queluz com a participação do meio-soprano Maria Luisa Freitas .
 
O concerto de encerramento decorre no dia seguinte, 29 de maio , no Palácio Nacional de Queluz, e proporciona o encontro entre os agentes musicais de Sintra, representado pela Orquestra do Conservatório de Música de Sintra , conduzida pelo maestro Humberto Castanheira , pelo Coro Leal da Câmara e com o pianista António Rosado .
 
Paralelamente aos concertos, os “Contrapontos” trazem o Festival de Sintra para fora dos palcos tradicionais. O festival vai andar pelas ruas e praças do município, com concertos de animação apresentados pelos jovens da Escola Superior de Música de Lisboa e do Conservatório Sons e Compasso . A 14 e 22 de maio , a Quinta da Ribafria recebe ainda duas palestras pedagógicas onde a música será o elemento central e que serão dirigidas, respetivamente, pelo Professor Duarte Ivo Cruz e pelo Professor Pedro Moreira, que têm como objetivo aprofundar a compreensão da Música.

Sobre a Parques de Sintra - Monte da Lua
A Parques de Sintra - Monte da Lua, S.A. (PSML) é uma empresa de capitais exclusivamente públicos, criada em 2000, no seguimento da classificação pela UNESCO da Paisagem Cultural de Sintra como Património da Humanidade. Não recorre ao Orçamento do Estado, pelo que a recuperação e manutenção do património que gere são asseguradas pelas receitas de bilheteiras, lojas, cafetarias e aluguer de espaços para eventos.

Em 2015, as áreas sob gestão da PSML (Parque e Palácio Nacional da Pena, Palácios Nacionais de Sintra e de Queluz, Chalet da Condessa d’Edla, Castelo dos Mouros, Palácio e Jardins de Monserrate, Convento dos Capuchos e Escola Portuguesa de Arte Equestre) receberam aproximadamente 2.234.000 visitas, cerca de 87% das quais por parte de estrangeiros. Recebeu, em 2013, 2014 e 2015, o World Travel Award para Melhor Empresa em Conservação.

São acionistas da PSML a Direção Geral do Tesouro e Finanças (que representa o Estado), o Instituto da Conservação da Natureza e Florestas, o Turismo de Portugal e a Câmara Municipal de Sintra.

Tags:

Sobre nós

Empresa de capitais exclusivamente públicos criada em 2000 (decreto-lei nº 215/2000, de 2 de Setembro), na sequência da classificação pela UNESCO da Paisagem Cultural de Sintra como Património da Humanidade e dos compromissos assumidos com a sua recuperação, conservação e divulgação.

Subscrever

Media

Media