Palácio Nacional de Queluz: Parques de Sintra inicia recuperação das coberturas do Pavilhão D. Maria

- Intervenção visa recuperar as coberturas e terraço do Pavilhão D. Maria para resolver problemas de infiltrações
- Os trabalhos dão continuidade à campanha de recuperação das coberturas do Palácio Nacional de Queluz, iniciada em 2015
- A obra representa um investimento de 175 mil euros e deverá estar concluída no final de outubro
 
Sintra, 9 de agosto de 2016 – A Parques de Sintra iniciou no final do mês de julho a recuperação das coberturas do Pavilhão D. Maria do Palácio Nacional de Queluz. A obra representa um investimento de cerca de 175 mil euros e deverá estar concluída no final de outubro.
 
A intervenção visa recuperar as coberturas e terraço do Pavilhão para resolver os problemas de infiltrações que se verificam no seu interior, com especial incidência na zona das mansardas, da entrada principal e das salas sob o terraço. Estes trabalhos dão assim continuidade à campanha de recuperação das coberturas do Palácio Nacional de Queluz, iniciada em 2015 com a intervenção nas coberturas da Sala de Jantar e do Pavilhão Robillion/ Sala dos Embaixadores.
 
Os trabalhos em curso englobam a revisão das telhas e dos madeiramentos existentes e a substituição da impermeabilização das coberturas, a par da substituição integral do sistema de drenagem de águas pluviais – que apresenta diversas patologias que potenciam infiltrações – por novas caleiras em cobre devidamente isoladas e com maior capacidade de escoamento.
 
No terraço do Pavilhão D. Maria será introduzida impermeabilização e instaladas novas caleiras em cobre para drenagem das águas pluviais.
 
Já no interior do Pavilhão, serão recuperados os quartos das mansardas onde se registam diversas patologias nas paredes, nos tetos, no soalho e nos madeiramentos.
 
O Pavilhão D. Maria é a ala mais recente do Palácio Nacional de Queluz, que foi concluída em 1789. Desde 1957 é usado como residência dos chefes de Estado estrangeiros em visita oficial a Portugal.
 
Recuperação das fachadas viradas para o exterior
 
Atualmente, decorre também a recuperação das fachadas do Palácio viradas para o exterior, entre o Pavilhão D. Maria e o antigo Jardim dos Embrechados, pátios interiores e muros. Esta intervenção, iniciada no final de maio, faz parte do programa de recuperação dos Jardins e Palácio Nacional de Queluz que, em 2015, incluiu o restauro das cantarias, caixilharias e rebocos das fachadas sobre os Jardins superiores e a recuperação das coberturas da Sala de Jantar e do Pavilhão Robillion. 
 
O restauro destas fachadas deverá estar concluído em novembro e pretende completar o trabalho executado nas fachadas sobre os Jardins superiores, para que o Palácio Nacional de Queluz fique azul na sua totalidade.

Sobre a Parques de Sintra - Monte da Lua
A Parques de Sintra - Monte da Lua, S.A. (PSML) é uma empresa de capitais exclusivamente públicos, criada em 2000, no seguimento da classificação pela UNESCO da Paisagem Cultural de Sintra como Património da Humanidade. Não recorre ao Orçamento do Estado, pelo que a recuperação e manutenção do património que gere são asseguradas pelas receitas de bilheteiras, lojas, cafetarias e aluguer de espaços para eventos.
Em 2015, as áreas sob gestão da PSML (Parque e Palácio Nacional da Pena, Palácios Nacionais de Sintra e de Queluz, Chalet da Condessa d’Edla, Castelo dos Mouros, Palácio e Jardins de Monserrate, Convento dos Capuchos e Escola Portuguesa de Arte Equestre) receberam aproximadamente 2.234.000 visitas, cerca de 87% das quais por parte de estrangeiros. Recebeu, em 2013, 2014 e 2015, o World Travel Award para Melhor Empresa em Conservação.
São acionistas da PSML a Direção Geral do Tesouro e Finanças (que representa o Estado), o Instituto da Conservação da Natureza e Florestas, o Turismo de Portugal e a Câmara Municipal de Sintra.
 
www.parquesdesintra.pt / www.facebook.com/parquesdesintra / www.instagram.com/parquesdesintra

Tags:

Sobre nós

Empresa de capitais exclusivamente públicos criada em 2000 (decreto-lei nº 215/2000, de 2 de Setembro), na sequência da classificação pela UNESCO da Paisagem Cultural de Sintra como Património da Humanidade e dos compromissos assumidos com a sua recuperação, conservação e divulgação.

Subscrever

Media

Media