"Reencontros - Memórias Musicais de um Palácio" no Palácio Nacional de Sintra

- Único ciclo nacional de música medieval e renascentista
- Programação reflete as épocas áureas do Palácio
- Concertos e conferências: todas as sextas-feiras e sábados de junho
- Linhas temáticas: memória árabe, património português, herança cosmopolita franco-flamenga
 
Sintra, 8 de abril de 2015 – De 5 a 27 de junho, a Parques de Sintra e o Divino Sospiro - Centro de Estudos Musicais Setecentistas de Portugal (DS-CEMSP) apresentam o ciclo de música medieval e renascentista “Reencontros – Memórias Musicais de um Palácio”, no Palácio Nacional de Sintra (Pátio Central, Sala dos Cisnes e Sala dos Brasões).
 
Este ciclo surge integrado na decisão da Parques de Sintra de dinamizar os Palácios sob sua gestão, e da parceria com o Centro de Estudos Musicais Setecentistas de Portugal. Prende-se também com o objetivo de preencher uma lacuna ao nível da música medieval e renascentista, dado que não existe nenhum ciclo musical nacional centrado neste tipo de repertório.
 
A programação deste ciclo relaciona-se com as épocas áureas do Palácio Nacional de Sintra - medieval e renascentista -, e pretende revisitar o Palácio através da sua memória musical, recriando o imaginário sonoro que o terá habitado durante o período em que este era um espaço de eleição da Família Real Portuguesa. Foram escolhidas três linhas temáticas como fio condutor e inspirador da programação não sendo, no entanto, estanque a sua ligação direta a cada um dos concertos, e acontecendo várias vezes as mesmas cruzarem-se e convergirem: a memória árabe, o património musical português e a herança cosmopolita franco-flamenga.
 
A memória árabe está presente tanto no património material como imaterial do Palácio: seja pela sua edificação num local onde há relatos da existência de um castelo árabe e pelos detalhes arquitetónicos de inspiração mudéjar que nos rodeiam ao longo do edifício, quer pela influência no património artístico da Península Ibérica no qual houve uma natural assimilação dessa mesma influência e do qual o Palácio terá sido naturalmente palco.

Na música esta presença é visível tanto no repertório sacro como no profano, como será possível ouvir no programa apresentado pela “Capella Sanctæ Crucis”. No concerto conjunto de “La Capilla” e Ensemble “Delgocha”, viajamos a um espaço musical árabe mais longínquo e alargado, com um encontro entre música da Pérsia e polifonia flamenga.
 
Os concertos dedicados ao património musical português trazem-nos programas muito diversificados e abrangentes de entre o repertório deste período, do qual existe ainda muito a explorar. Apesar da escassez de fontes ser um entrave ao progresso mais célere deste processo, os agrupamentos presentes têm sido responsáveis pela recuperação deste património, tanto através da execução como pela investigação e estreita cooperação com musicólogos que trabalham estes repertórios. O Ensemble Vocal “Officium” apresenta um programa daquele que é eventualmente o repertório português mais conhecido e valorizado, a polifonia renascentista e os “Sete Lágrimas” revisitam as Cantigas d’amigo de Martim Codax.
 
A música franco-flamenga medieval e renascentista era uma presença transversal a todo o espaço erudito Europeu, caracterizando-se pelo seu cosmopolitismo tanto através da circulação do repertório como também pela presença de músicos flamengos nas várias cortes europeias. Portugal não foi exceção, como sabemos através das poucas fontes sobreviventes. Os concertos do “Capriccio Stravagante”, do “Tasto Solo” e de “La Capilla” dão-nos a conhecer algum deste repertório, assim como também a articulação e disseminação do mesmo no espaço europeu.
 
Horários, agrupamentos e preços
 
Os concertos terão lugar todas as sextas-feiras e sábados do mês de junho: às sextas-feiras haverá um concerto comentado (14h30), uma conferência (20h00) e um concerto noturno (21h30); aos sábados terá lugar um concerto aperitivo (12h00) e um concerto noturno (21h30).
 
Os concertos noturnos (21h30) incluem agrupamentos e artistas nacionais e internacionais de renome: “Sete Lágrimas”, “Capriccio Stravagante” (dirigido por Skip Sempé), “La Capilla”, “Delgocha”, “Officium Ensemble”, “Capela Sanctæ Crucis”, Guillermo Pérez e “Tasto Solo”.
As conferências, direcionadas para o público em geral, contam com o musicólogo Manuel Pedro Ferreira, que enquadrará musicalmente o repertório, e com o historiador da Arte Paulo Almeida Fernandes, que fará uma contextualização com a História do Palácio Nacional de Sintra.
 
Os concertos comentados e aperitivo são apresentados pela Escola de Música do Conservatório Nacional e pelo Instituto Gregoriano de Lisboa.
 
Os concertos noturnos (21h30) têm um custo de 10 Euros, as conferências (20h00) são de entrada gratuita, e os concertos aperitivo e comentados implicam a aquisição de bilhete para o Palácio Nacional de Sintra (que pode ser visitado antes ou depois do concerto).
 
Bilhetes à venda nas bilheteiras da Parques de Sintra, online , na FNAC, Worten, El Corte Inglés, MEO Arena, Media Markt e Postos de Turismo de Sintra e Cascais. Este ciclo musical é para M/6 anos.
 
O projeto “Reencontros – Memórias Musicais de um Palácio”, com direção artística de Diana Vinagre, é cofinanciado pelo POR Lisboa – Programa Operacional Regional, conta também com o apoio da Direção-Geral das Artes, da Escola de Música do Conservatório Nacional e do Instituto Gregoriano de Lisboa e com a Antena 2 como media partner .
 
O programa do evento encontra-se em ficheiro anexo.

Sobre o Centro de Estudos Musicais Setecentistas de Portugal
O Centro de Estudos Musicais Setecentistas de Portugal, com sede nas instalações do Palácio Nacional de Queluz, tem como objetivo principal a promoção e divulgação do património musical associado ao Palácio de Queluz, no qual a música ocupou desde sempre um papel central, e onde foram apresentadas dezenas de serenatas e óperas. Serão realizados, nas salas do Palácio, concertos, eventos, conferências, simpósios e colóquios, assim como masterclasses e outras iniciativas que se propõem estudar e recuperar o tempo e a tradição de grandes acontecimentos musicais da época da permanência da Família Real no Palácio de Queluz, contribuindo em simultâneo para a fruição pública de uma programação musical de qualidade e para a afirmação do Palácio como referência incontornável da nossa herança cultural. 
www.divinosospiro.org
 
Sobre a Parques de Sintra - Monte da Lua
A Parques de Sintra - Monte da Lua, S.A. (PSML) é uma empresa de capitais exclusivamente públicos, criada em 2000, no seguimento da classificação pela UNESCO da Paisagem Cultural de Sintra como Património da Humanidade. Não recorre ao Orçamento do Estado, pelo que a recuperação e manutenção do património que gere são asseguradas pelas receitas de bilheteiras, lojas, cafetarias e aluguer de espaços para eventos.
Em 2014, as áreas sob gestão da PSML (Parque e Palácio Nacional da Pena, Palácios Nacionais de Sintra e de Queluz, Chalet da Condessa d’Edla, Castelo dos Mouros, Palácio e Jardins de Monserrate, Convento dos Capuchos e Escola Portuguesa de Arte Equestre) receberam aproximadamente 1.928.000 visitas, cerca de 86% das quais por parte de estrangeiros. Recebeu, em 2013 e 2014, o World Travel Award para Melhor Empresa em Conservação.
São acionistas da PSML a Direção Geral do Tesouro e Finanças (que representa o Estado), o Instituto da Conservação da Natureza e Florestas, o Turismo de Portugal e a Câmara Municipal de Sintra.
www.parquesdesintra.pt ou www.facebook.com/parquesdesintra

Tags:

Sobre nós

Empresa de capitais exclusivamente públicos criada em 2000 (decreto-lei nº 215/2000, de 2 de Setembro), na sequência da classificação pela UNESCO da Paisagem Cultural de Sintra como Património da Humanidade e dos compromissos assumidos com a sua recuperação, conservação e divulgação.

Subscrever