Sara Mingardo recria “Serão de Canções do ‘Seicento’” com Ivano Zanenghi e Giorgio Dal Monte

 

  • Segundo concerto do ciclo “Noites de Queluz - Tempestade e Galanterie”
  • Sara Mingardo: um dos raros verdadeiros contraltos da atualidade
  • Programa inclui obras de C. Monteverdi, A. Falconieri e G. Carissimi, entre outros
 
O segundo concerto do ciclo “Noites de Queluz – Tempestade e Galanterie” tem lugar na sexta-feira, dia 9 de outubro, e conta com a presença de Sara Mingardo , Ivano Zanenghi e Giorgio Dal Monte num “Serão de Canções do ‘Seicento’”, às 21h30, na Sala do Trono.

Apresentado pela Parques de Sintra e pelo Divino Sospiro - Centro de Estudos Musicais Setecentistas de Portugal (DS-CEMSP), “Noites de Queluz – Tempestade e Galanterie” é um ciclo de música barroca que decorre até 31 de outubro e é composto por oito concertos.
 
Neste concerto, o grande destaque é a contralto Sara Mingardo , a quem se juntam Ivano Zanenghi (alaúde) e Giorgio Dal Monte (cravo) para recriarem o que poderia ser um serão num salão aristocrático italiano no século XVII. Serão tocadas obras de A. Falconieri, C. Monteverdi, Piccinini, G. Carissimi, G. Frescobaldi, Salvatore e B. Strozzi. Na conferência de apresentação do ciclo, o diretor artístico, Massimo Mazzeo, justificando o repertório renascentista italiano, dizia que “a esta Senhora permite-se cantar qualquer coisa”, considerando-a como “uma das mais únicas artistas no panorama mundial, umas daquelas artistas para as quais tudo é lícito e que tudo transforma em beleza e encanto”.
 

Sara Mingardo, Ivano Zanenghi e Giorgio Dal Monte
 
Sara Mingardo é um dos raros verdadeiros contraltos da atualidade, sendo uma intérprete muito procurada e apreciada de um vasto repertório. É convidada regular de algumas das mais prestigiadas instituições de teatro, com colaborações de sucesso com maestros de renome, para além de orquestras internacionais prestigiadas. Recentemente, Sara Mingardo foi uma das estrelas em L'Incoronazione di Poppea (Ottone) no alla Scala de Milão, sob a direção de Rinaldo Alessandrini; Giulio Cesare no Teatro Regio em Turim; 
 
Ivano Zanenghi é co-fundador e solista da afamada Orquestra Barroca de Veneza e diretor artístico da Opera Stravagante, um grupo que formou e que se especializou na execução de música “redescoberta”, predominantemente dos séculos XVII e XVIII. Atuou em grandes salas de concertos pelo mundo inteiro.
Giorgio Dal Monte é cravista e membro de vários agrupamentos musicais. Participou no Festival de Musica Antiqua em Bruges, o Festival Oude Muziek em Utrecht, a Apresentação Internacional de Jovens Artistas em Antuérpia e o Tagen für Alte Musik em Berlim.
 

Tags:

Sobre nós

Empresa de capitais exclusivamente públicos criada em 2000 (decreto-lei nº 215/2000, de 2 de Setembro), na sequência da classificação pela UNESCO da Paisagem Cultural de Sintra como Património da Humanidade e dos compromissos assumidos com a sua recuperação, conservação e divulgação.

Subscrever