Operação STOP da GNR com José Figueiras, Mónica e Rubim sensibiliza portugueses para diabetes e a condução

José Figueiras, Mónica e Rubim associam-se a uma operação STOP promovida pela Roche em conjunto com Associação de Jovens Diabéticos de Portugal, GNR, Prevenção Rodoviária Portuguesa e ACP, com o objetivo de alertar os condutores com diabetes a medir a glicemia antes de conduzir. A campanha, que visa assinalar o Dia Mundial da Diabetes, vai realizar-se no dia 14 de Novembro, às 11h, junto ao rotunda do Ramalhão, em Sintra.
                                                                                                                                          
No local, serão distribuídos kits de informação sobre que medidas que deverão ser tomadas na presença de sintomas de hipoglicemia e realizados rastreios de glicemia aos condutores que desejarem avaliar esses valores. A campanha vai estender-se a outras localidades do país, no dia 18 de Novembro, com carros patrulha da GNR distribuídos de norte a sul de Portugal, nomeadamente Viana do Castelo, Braga, Porto, Aveiro, Coimbra, Leiria, Santarém e Faro.
 
Em Portugal estima-se que haja mais de meio milhão de pessoas com diabetes diagnosticada e muitas dependem da condução a nível profissional e pessoal. Estes indivíduos têm um risco ligeiramente aumentado para sofrer acidentes de viação quando não controlam os níveis de glicemia. De acordo com estudos europeus, 32% da população com diabetes já experienciou um episódio de hipoglicemia enquanto conduzia e 38% não tem um medidor de glicemia no carro*, sendo que 16% dos acidentes causados por estes doentes estão relacionados com hipoglicemia**.
 
“O estilo de vida acelerado e por vezes imprevisível que a maior parte das pessoas tem pode reduzir os níveis de glicemia e desencadear um conjunto de sintomas potencialmente perigosos para quem está a conduzir. Neste sentido, programas educacionais como a campanha que estamos a implementar têm um efeito positivo na sensibilização das pessoas com diabetes e na prevenção de acidentes rodoviários” afirma Carlos Neves, Presidente da Associação de Jovens Diabéticos de Portugal.


Recomendações preventivas da Associação Americana de Diabetes para as pessoas com diabetes:

- ter no carro um glucómetro;
- ter no carro pacotes de açúcar, bolachas e sumos;
- testar sempre a glicemia capilar antes de iniciar a condução e a cada intervalo de 1h; 
- nunca iniciar um período de condução prolongado com valores de glicemia capilar inferiores ao normal (70-90 mg/dl) sem consumir hidratos de carbono;
- parar assim que surjam sintomas de hipoglicemia, avaliar e corrigir a glicemia capilar e não retomar a condução antes de normalizar os valores, geralmente durante um período entre 30 a 60 minutos.


Sobre a hipoglicemia

A hipoglicemia é uma descida dos níveis de açúcar no sangue, para níveis abaixo do considerado normal, que afeta temporariamente as capacidades cognitivas. Os sintomas surgem quando a glicemia é inferior ou igual a 70 mg/dl mas varia de pessoa para pessoa. O tempo de recuperação após um episódio de hipoglicemia grave, que necessita da assistência de terceiros, pode durar até 36 horas.

Estima-se que um diabético tipo 1 tenha dois episódios de hipoglicemia por semana e que a prevalência anual da hipoglicemia grave se situe entre 30 a 40%.  A redução da glicemia pode ser desencadeada por medicação usada para tratar a diabetes, longos períodos em jejum, atividades físicas ou stress.
 
Entre os sintomas mais comuns destacam-se: visão turva, fome súbita, fadiga, suor excessivo, tremores, alteração da consciência, dificuldade de concentração, dor de cabeça, irritabilidade e desmaio.
 

*Graveling A. Warren R, Frier B (2004). Hypoglycaemia and  driving in people with insulintreated diabetes: adherence to recommendations for avoidance. Diabetic Medicine 2004, 21, 1014-1019
**Second European Working Group on Diabetes and Driving. Diabetes and Driving in Europe. Brussels: EU Working Group; 20

 

Tags:

Sobre nós

Empresa líder na área da saúde com um leque de soluções inovadoras em várias áreas terapêuticas. A sua atividade passa pela descoberta, desenvolvimento, produção e comercialização de medicamentos inovadores desde a prevenção até ao diagnóstico e tratamento.

Subscrever