SONAE REFORÇA CRESCIMENTO E INTERNACIONALIZAÇÃO

1. PRINCIPAIS DESTAQUES DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2015:
·      Todas as áreas de negócio registam crescimento do volume de negócios
·      Reforço da internacionalização, com entrada em novos mercados
·      Volume de negócios cresce 1,7% para 1.146 M€
·      Underlying EBITDA atinge 59 M€ e EBITDA total cresce 1% para 71 M€
·      Resultado antes de impostos cresce 5,3% e resultado direto atinge 6 M€
·      Resultado líquido atribuível a acionistas aumenta de 10 M€ para 20 M€
·      Investimento nos negócios de retalho aumenta 57,5% para 47M€
·      Compras a produtores nacionais representam mais de 80% em quantidade na área dos perecíveis
 
Ângelo Paupério, Co-CEO da Sonae, afirma: “Neste primeiro trimestre, a Sonae alcançou resultados positivos, com destaque para as atividades de telecomunicações, centros comerciais e dos negócios da área de IM (Investment Management).
As vendas da Sonae MC cresceram em linha com o setor alimentar, num início de ano de intensa competitividade, agora alargada à generalidade dos operadores, com o Continente a manter-se, como sempre, fiel ao compromisso de assegurar os melhores preços do mercado.
No mercado da eletrónica, a Sonae SR reforçou a sua clara liderança em Portugal e cresceu em linha com o setor no mercado espanhol, realçando-se o reforço de quota no importante segmento online. Nas áreas de desporto e moda, apesar do abrandamento do crescimento total, é de notar o crescimento de vendas por metro quadrado, que confirma a melhor adequação das novas gerações de loja bem como a bondade das intervenções sobre o atual parque, em especial em Espanha.
O crescimento de 24% dos resultados diretos da Sonae Sierra reflete tendências positivas em todos os mercados e a melhoria de eficiência da operação. A evolução dos yields do setor imobiliário, apesar de muito favorável no trimestre, só terá impacto nas contas semestrais.
Na NOS, a execução exemplar da estratégia definida pós-fusão, permitiu a continuação de ganhos significativos em todos os indicadores operacionais, revertendo finalmente a tendência de redução do volume de negócios dos últimos 5 anos.
Por último, apesar da manutenção de níveis elevados de investimento, continuamos a reforçar a nossa estrutura de capitais, reduzindo mais uma vez dívida face ao trimestre homólogo de 2014, aumentando a respetiva maturidade para horizontes já em linha com os objetivos e baixando significativamente o seu custo.”
 
2. RETRIBUIR À COMUNIDADE
 
·         COMPROMISSO COM AS FAMÍLIAS TRADUZIDO NOS MELHORES PREÇOS DO MERCADO
No primeiro trimestre de 2015, a Sonae premiou a fidelidade das famílias portuguesas com a oferta dos preços mais baixos do mercado, procurando facilitar a gestão dos orçamentos familiares através da disponibilização dos melhores preços e da maior variedade de produtos. Adicionalmente, a Sonae proporcionou às famílias portuguesas descontos em cartão e talão através das suas insígnias de retalho, que maximizaram as poupanças das famílias e ascenderam a 77 milhões de euros.
·         COMPRAS A PRODUTORES NACIONAIS REPRESENTAM MAIS DE 80% NA ÁREA DOS PERECÍVEIS
A Sonae manteve o apoio à produção nacional, tendo as compras de perecíveis representado mais de 80% das quantidades adquiridas na área dos perecíveis durante o 1T15. O Clube de Produtores Continente aumentou em 6,1% o valor das compras a produtores nacionais, reforçando o seu compromisso de apoiar os produtores nacionais do setor agroalimentar no desenvolvimento dos seus negócios e de processos de inovação.
 
3. ANÁLISE OPERACIONAL E FINANCEIRA
 
No primeiro trimestre de 2015, a Sonae prosseguiu com a sua estratégia de crescimento e desenvolvimento, tendo o volume de negócios consolidado ascendido a 1.146 M€, o que traduz um crescimento de 1,7% face ao 1T14, impulsionado por melhorias em todas as unidades de negócio da Sonae.
No retalho alimentar, o volume de negócios da Sonae MC ascendeu a 793 M€, aumentando 0,8% face ao 1T14. O Continente prosseguiu o seu compromisso de disponibilizar, todos os dias, os melhores produtos aos preços mais baixos do mercado. O facto de possuir a mais ampla gama de produtos de marca própria e de outras marcas de fornecedores permite-lhe reagir rapidamente a mudanças nos padrões de consumo dos clientes e obter uma gama e níveis de qualidade que respondem às necessidades dos consumidores. A atividade promocional suportada pelo cartão de fidelização do Continente continua a ser uma fonte de vantagem competitiva, tendo as vendas através do cartão representado, no 1T15, mais de 90% do volume de negócios. A Sonae MC manteve, assim, a liderança do mercado português de retalho alimentar, ao mesmo tempo que o Continente foi distinguido pelo Reader’s Digest, já no mês de abril de 2015 e pelo 13º ano consecutivo, como Marca de Confiança, comprovando, novamente, o compromisso da marca no que respeita à confiança dos clientes. De destacar também a manutenção da tendência de crescimento das vendas online , que aumentam 6% face ao 1T14, num segmento onde o Continente é líder com uma quota de mercado de aproximadamente 70%, e do crescimento do formato Meu Super que atingiu as 150 lojas. Sendo acessível às famílias como uma mercearia, disponibilizando produtos de marca própria do Continente bem como produtos frescos adquiridos localmente e passando, recentemente, a usufruir de promoções adicionais através do cartão Continente, o Meu Super registou no 1T15 um crescimento muito significativo das vendas no universo comparável de lojas (LfL).
No retalho especializado, o volume de negócios da Sonae SR foi de 299 M€ no 1T15, aumentando 2,5% em termos homólogos e correspondendo a um crescimento de 2,6% no universo comparável de lojas. Esta melhoria no volume de negócios foi suportada por um aumento de 1,1% no negócio em Portugal e por um crescimento de 5,7% na unidade internacional. A Sonae SR permaneceu focada nas linhas chave da sua estratégia, onde se incluem melhorias nas lojas (nomeadamente, redimensionamento do parque de lojas e desenvolvimento e roll-out dos novos conceitos de loja nos quatro formatos), o reforço da presença internacional (principalmente através de uma abordagem capital light ) e a intensificação da complementaridade entre a experiência de loja e os canais online (suportada quer pelo omni-canal, já em vigor na Worten, quer pelas novas plataformas de e-commerce , em todos os negócios). Esta estratégia permitiu o aumento das vendas por m2 em todos os negócios, em média, de 14% em Espanha e 5% em Portugal. A Worten reforçou a sua posição de liderança no mercado eletrónico português, registando um ganho de quota de mercado em mais de 1 p.p., e as vendas online consolidadas registaram um crescimento muito significativo, suportado pelas plataformas de e-commerce de todos os negócios, tanto em Portugal como em Espanha. A Sonae SR expandiu também a sua presença internacional, entrando, através de uma abordagem capital light , em dois novos mercados com o formato Zippy: Curdistão e Equador.
A Sonae IM , unidade de Gestão de Investimentos, registou um volume de negócios de 60 M€, aumentando 8,7% quando comparado com o 1T14. Este desempenho foi particularmente influenciado pelo aumento de 20,2% [1] no volume de negócios da divisão de SSI (Software e Sistemas de Informação): a WeDo Technologies angariou dois novos clientes nos EUA e no México, assim como um novo cliente no setor de energia em Portugal, gerando 76,5% do volume de negócios em mercados internacionais; a Bizdirect aumentou o volume de negócios em 23,0%, alcançou 12,8% das suas receitas no exterior, e o Centro de Competências de Viseu ampliou a sua importância no mercado Europeu; e a Saphety registou melhorias significativas no volume de negócios e na rentabilidade, com as receitas internacionais a mais do que duplicarem face ao 1T14, representando 32% do volume de negócios. Na divisão de tecnologias de retalho, a Tlantic aumentou o seu volume de negócios em 27% entre o 1T14 e o 1T15. E, na divisão das parcerias: a MDS aumentou de forma robusta o seu volume de negócios e EBITDA impulsionada pela atividade no Brasil; a Maxmat aumentou as vendas numa base comparável em cerca de 7% apesar do ambiente concorrencial competitivo; e a Geostar cresceu 11% face ao período homólogo.
Nos centros comerciais, as vendas dos lojistas aumentaram 5,2% em termos homólogos, totalizando 1.021 M€, sendo esta melhoria impulsionada pelo aumento das vendas dos lojistas, tanto na Europa como no Brasil. A qualidade de referência dos ativos da Sonae Sierra traduziu-se também na taxa de ocupação dos seus centros comerciais, que melhorou 1,2 p.p. em termos homólogos, alcançando 95,8%.
Nas telecomunicações, a NOS registou um crescimento de 2% das suas vendas, invertendo uma tendência verificada no setor há vários anos. Este desempenho traduz a implementação da estratégia definida e que permitiu uma melhoria dos indicadores operacionais.
No que se refere à rentabilidade operacional, o underlying EBITDA totalizou 59 M€, correspondendo a uma margem de underlying EBITDA de 5,2%, e o EBITDA alcançou 71 M€, aumentando 1% face ao mesmo período do ano anterior, beneficiando da resiliência operacional e do contributo das operações contabilizadas pelo método de equivalência patrimonial, onde se incluem os resultados diretos da Sonae Sierra, assim como as contribuições da NOS e GeoStar.
O resultado antes de impostos (EBT) cresceu 5,3%, para 8 M€, e o resultado direto totalizou 6 M€. O resultado indireto ascendeu a 16 M€ no trimestre, devido, maioritariamente, ao efeito positivo de mark to market da NOS.
O resultado líquido atribuível a acionistas ascendeu a 20 M€, valor que compara com 10 M€ obtidos no 1T14, traduzindo a resiliência operacional e o contributo dos resultados indiretos, num trimestre onde todas as áreas de negócio aumentaram as suas vendas.
No final do 1T15, a dívida líquida total diminuiu 27 M€ para 1.477 M€, quando comparado com o mesmo período de 2014, mantendo a tendência decrescente registada ao longo dos últimos trimestres. Em relação ao perfil de maturidade da dívida, a Sonae concluiu, em 2014 e também em 2015, algumas operações de financiamento, antecipando, em condições favoráveis, as suas linhas de crédito com maturidade em 2015, assim como uma parte significativa das linhas com maturidade em 2016.
O investimento das unidades de retalho da Sonae (Sonae MC, Sonae SR e Sonae RP) aumentou 57,5%, do 1T14 para o 1T15, atingindo os 47 M€. A Sonae apostou na expansão das suas insígnias, bem como na implementação dos novos formatos e no desenvolvimento da atividade internacional.
 
(Comunicado integral em anexo)

Tags:

Sobre nós

Empresa de retalho.

Subscrever