BRAHMS PROPORCIONOU INÍCIO GRANDIOSO DO FESTIVAL EM ALMODÔVAR

Mais de cinco centenas de pessoas marcaram presença este fim-de-semana, na igreja de Santo Ildefonso, matriz de Almodôvar, para acolherem o arranque da 10.ª edição do Festival de Música Sacra do Baixo Alentejo. No sábado, dia 29, Ein Deutsches Requiem (“Um Requiem Alemão”), de Johannes Brahms, foi entoado pelas sessenta vozes do Coro do Teatro Nacional de São Carlos, que, entre lirismo e picos expressivos, criaram a moldura para a simbiose perfeita entre a voz tímbrica da soprano coloratura Raquel Alão e a potente projecção vocal do barítono Luís Rodrigues. A textura musical, conseguida com a mestria e sensibilidade dos pianistas João Paulo Santos e Kodo Yamagishi, e a direcção minuciosa mas emocionantíssima de Giovanni Andreoli, resultaram num momento musical único e irrepetível.

O Requiem Alemão de Brahms, apontado como uma súmula de quantas técnicas existem de combinação polifónica, faz jus ao tema da edição 2014 do Terras Sem Sombra – a espiritualidade e as polifonias dos séculos XI a XX –, num percurso musical traçado por Paolo Pinamonti e que procura promover momentos de grande exaltação da escrita polifónica, através de obras e autores representativos da tradição contrapontística. Justifica-se, por isso, a escolha de Ein Deutsches Requiem para o concerto de abertura da 10.ª edição, que contou com a co-organização do Teatro Nacional de São Carlos, parceiro do Festival Terras Sem Sombra, há já 4 anos, e que este ano comemora 70 anos de actividade.

Um estrondoso aplauso encheu as três naves da matriz almodoverense, completamente cheia, apesar da noite de chuva intensa. “É um sinal do grande amor do povo alentejano à música”, explicava-nos um habitante da vila, orgulhoso pelo facto do Festival visitar a sua terra. Findo o concerto, foi prestada uma homenagem ao Coro do Teatro Nacional de São Carlos, que cumpre 70 anos de actividade em 2014.

No dia seguinte, a Ribeira do Vascão recebeu, com a beleza e a biodiversidade próprias do local, as cerca de setenta pessoas que participaram na acção “Tesouros ocultos da natureza: preservar os invertebrados da Ribeira do Vascão”. Em três grupos, os intervenientes, incluindo os artistas que no dia anterior subiram a palco, exploraram o potencial ecológico e a complexidade dos ecossistemas existentes no Vascão, Zona Húmida de Importância Internacional. Ervas aromáticas, medidores da qualidade da água e o ciclo de vida das libélulas e libelinhas foram as áreas abordadas, numa actividade desenvolvida em parceria com o Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas, a Câmara Municipal e a Somincor, sob a orientação de Nuno Cordeiro, da Universidade do Algarve, e de Pedro Rocha, Director Regional de Conservação da Natureza e Florestas do Alentejo.

Vila Morena recebe Misterio del Cristo de los Gascones

A igreja de Nossa Senhora da Assunção recebe no dia 12 de Abril, pelas 21h30, a companhia espanhola Nao d'Amores, que trará a Grândola o Misterio del Cristo de los Gascones, a recriação de uma cerimónia litúrgica que se representava na igreja de São Justo, em Segóvia, nos tempos medievais, e para a qual se criou o Cristo de los Gascones, uma curiosa escultura romântica realizada em madeira policromada e com braços articulados, e que depressa se tornou uma das peças mais significativas do património românico espanhol.

No dia seguinte, integrando o programa de salvaguarda de biodiversidade integrado no Festival, promover-se-á, pelas 10h30, uma visita à Herdade das Barradas da Serra, um importante sistema florestal, onde os participantes serão sensibilizados para as técnicas de conservação do solo, da água e do sistema radicular dos sobreiros, como o controlo de matos sem revirar o solo e a respectiva protecção do solo na área da projecção da copa dos sobreiros. A actividade é desenvolvida com apoio do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas, o Agrupamento de Escolas de Grândola e a Câmara Municipal de Grândola.

Faça download da nota de imprensa em Word: http://festivalterrassemsombra.org/wp-content/uploads/2014/04/Brahms-proporcionou-início-grandioso-do-Festival-em-Almodôvar.doc

O site oficial do Festival Terras Sem Sombra dispõe de uma sala de imprensa. Consulte em: http://festivalterrassemsombra.org/sala-imprensa

Download de imagens:

1- Mais de cinco centenas de pessoas marcaram na igreja matriz de Almodôvar para acolherem o arranque da 10.ª edição do Festival de Música Sacra do Baixo Alentejo (créditos: Imagens de Luz):
http://festivalterrassemsombra.org/wp-content/uploads/2014/04/Concerto_28.jpg

2- O Requiem Alemão de Brahms foi entoado pelas sessenta vozes do Coro do Teatro Nacional de São Carlos, que, entre lirismo e picos expressivos, criaram a moldura para a simbiose perfeita entre a voz tímbrica da soprano coloratura Raquel Alão e a potente projecção vocal do barítono Luís Rodrigues (créditos: Imagens de Luz):
http://festivalterrassemsombra.org/wp-content/uploads/2014/04/Concerto_3.jpg

3- No dia seguinte, a Ribeira do Vascão recebeu, com a beleza e a biodiversidade próprias do local, as cerca de setenta pessoas que participaram na acção “Tesouros ocultos da natureza: preservar os invertebrados da Ribeira do Vascão” (créditos: Imagens de Luz):
http://festivalterrassemsombra.org/wp-content/uploads/2014/04/Almodovar_29.jpg
http://festivalterrassemsombra.org/wp-content/uploads/2014/04/Almodovar_38.jpg

4- Download do álbum fotográfico das actividades do FTSS em Almodôvar (créditos: Imagens de Luz):
http://festivalterrassemsombra.org/wp-content/uploads/2014/03/Almodovar_29e30Marco.zip

Material institucional:

1. Logótipo do 10.º Festival Terras Sem Sombra:
http://festivalterrassemsombra.org/wp-content/uploads/2014/03/Logo_FTSS_2014.jpg

2. Programa da 10.ª edição do Festival Terras Sem Sombra:
http://festivalterrassemsombra.org/wp-content/uploads/2014/03/mailing-geral-TSS-2014.jpg

3. Programação das actividades de Salvaguarda da Biodiversidade promovidas pelo Festival Terras Sem Sombra:
http://festivalterrassemsombra.org/wp-content/uploads/2014/03/mailing-biodiversidadeTSS-2014.jpg

Tags:

Sobre nós

Fundado em 2003, é uma iniciativa da sociedade civil que visa tornar acessíveis, a um público alargado, os monumentos religiosos da Diocese de Beja, como locais privilegiados – pela história, pela arte, pela acústica – para a fruição da música sacra.

Subscrever