FESTIVAL TERRAS SEM SOMBRA SEGUE RUMO A BEJA-CAPITAL

Béla Bartók, um dos compositores mais originais e mais versáteis da primeira metade do século XX, e a polifonia portuguesa dos séculos XVI e XVII dão o mote para o concerto que marca, finalmente, o regresso à capital do Baixo Alentejo de um festival nascido à sombra dos monumentos e das tradições musicais da cidade. A igreja de Santa Maria da Feira, matriz da cidade, um espaço privilegiado para a interpretação de repertórios polifónicos, acolhe esta iniciativa histórica. O Sagrado e o Profano: Aliterações Húngaro-Portuguesas, o título escolhido, põe em destaque um património europeu comum aos dois países, unidos por laços plurisseculares, entre os quais se destaca a herança do Cristianismo.

A 10.ª edição do Festival de Música Sacra do Baixo Alentejo iniciativa do Departamento do Património Histórico e Artístico da Diocese de Beja, terá um dos seus momentos altos a 10 de Maio, pelas 21h30, com a subida ao palco do ensemble Capella Duriensis, sob a direcção musical do maestro britânico Jonathan Ayerst. O programa interpretado dá ênfase ao húngaro Béla Bartók (Nagyszentmiklós, cidade desde 1920 em território romeno, 1881-Nova Iorque, 1945) e aos portugueses João Lourenço Rebelo, mestre da Capela do Paço Ducal de Vila Viçosa, Pêro de Gamboa, mestre da Capela da Sé de Braga, e Fr. Manuel Cardoso, mestre da Capela do Convento do Carmo de Évora.

Muito variado em termos de carácter e conteúdo, o ciclo de peças de Bartók que vai ser apresentado apresenta uma sequência de cenas e imagens musicais tocantes, evocando elementos da Natureza e, particularmente, da temática da separação e do próprio sentimento de abandono. As primeiras canções populares do mestre húngaro para coro, compostas entre 1910 e 1917, evidenciam características técnicas similares: a conservação da melodia original, atribuída à voz superior, mas arranjada com uma harmonia simples. Durante a I Guerra Mundial, Bartók, declarado inapto para o serviço militar, Bartók estaria presente no esforço de guerra para recolher canções populares entre os soldados, na região central da actual Eslováquia, o que se tornou uma fonte inesgotável de inspiração.

Esta brilhante série de canções populares terá por contraponto algumas das mais belas páginas da nossa polifonia, com realce para as obras de João Lourenço Rebelo (1610-61), destacado compositor português da transição do Maneirismo para o Barroco. Quando concluiu os estudos na Capela do Palácio Ducal de Vila Viçosa, onde havia sido admitido em 1624 como menino de coro, foi nomeado seu mestre. O estatuto de protegido do rei D. João IV permitiu-lhe usufruir de excelentes condições de trabalho. Tomou assim contacto com técnicas e estilos que então floresciam entre os compositores estrangeiros, o que teve implicações no seu próprio desenvolvimento estilístico.

Pêro de Gamboa (1563?-1638), compositor sobre o qual restam escassos dados biográficos, foi um dos principais representantes da geração de polifonistas que floresceu em Portugal a partir do final do século XVI. Numa época em que a prática polifónica vocal se generalizava nas catedrais portuguesas, actuou, entre ca. 1585 e 1594, como Mestre de Capela na Sé de Braga, instituição que, a par das congéneres de Coimbra e, particularmente, de Évora, se destacava no referido processo, nomeadamente pela liturgia imponente, associada ao seu estatuto de Sé Primaz das Espanhas, uma dignidade que disputou com Toledo.

No quadro da Escola de Évora, Fr. Manuel Cardoso (1566-1650), provavelmente o mais original dos polifonistas da sua geração, evidenciou um estilo que se destaca pela intensidade emocional. Nele, a ciência contrapontística alia-se a uma linguagem expressiva bastante individual. Mestre de Capela no Convento de Nossa Senhora do Carmo, durante mais de 60 anos, foi o compositor português da época que maior número de livros editou em vida, deixando publicados cinco volumes de obras polifónicas.

Um ensemble e um maestro de referência

Fundada em 2011, a Capella Duriensis é o ensemble residente na Escola das Artes da Universidade Católica Portuguesa e inclui habitualmente, na sua agenda, a preparação de cantores portugueses para o nível profissional da performance musical. Tem beneficiado, para tal, da colaboração de Jonathan Ayerst, sob cuja batuta se apresenta em importantes palcos nacionais e europeus. A igreja bejense de Santa Maria da Feira, pelas notáveis condições acústicas que revela, irá oferecer um enquadramento brilhante para o efeito.

Jonathan Ayerst formou-se na Escola da Catedral de Wells e na Royal Academy of Music com Nellie Akopian, Alesandre Kelly e Hamish Milne. Ganhou vários prémios do Munster Trust, da Fundação Hattori e da English Speaking Union, bem como a prestigiada bolsa Carnwath Scholarship. Obteve um prémio no Concurso de Ettlingen, em 1985, e a bolsa da Crysalis Foundation no Concurso Van Cliburn de 1989.

Organista principal da igreja de St. Benet Finch, em Londres, assumiu, em 2000, o lugar de pianista principal do Remix Ensemble. Tem dedicado muita atenção ao trabalho com jovens, efectuando seminários de música de câmara, piano e leitura à primeira vista na Escola Superior de Música do Porto. O seu trabalho com jovens cantores valeu-lhe um prémio da National Federation of Music Societies, em 1995.

Preservar o montado de azinho

O Festival promove, na manhã de domingo, a partir das 10h00, uma acção de salvaguarda da biodiversidade dedicada ao montado de azinho. Este ecossistema é considerado pelos especialistas como uma barreira de primeira ordem ao avanço da desertificação em Portugal, mas precisa de medidas de incentivo à sua defesa. Actualmente, encontra-se em franca regressão, fruto de más práticas culturais, problemas fitossanitários e perda de vitalidade económica, que se traduziram na diminuição de mais de 10.000 hectares dos respectivos povoamentos nos últimos 15 anos. A situação pode tornar-se catastrófica e é urgente invertê-la, como acabam de reconhecer várias instâncias europeias.

Como alterar este ciclo pernicioso? De que forma poderá o consumidor dos produtos do montado ajudar na manutenção de tão importante sistema? Tudo isto exige uma ampla sensibilização dos agentes decisores e do público em geral para a salvaguarda dos valores ambientes em causa. Músicos e organizadores do Terras sem Sombra unem os seus esforços, como voluntários, a autarcas, dirigentes associativos e membros da comunidade local para uma iniciativa pioneira nesse sentido, organizada com o apoio do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas, que incidirá na visita a explorações agro-silvo-pastoris, associadas ao Sítio da Rede Natura Guadiana.

O regime pecuário e a exploração de lenha de azinho são dois dos temas a abordar na presente iniciativa. Os participantes serão convidados a reconhecer as boas (e as más) práticas na poda da azinheira e a identificar os diferentes sistemas pecuários e os respectivos efeitos no montado.

Faça download da nota de imprensa em Word: http://festivalterrassemsombra.org/wp-content/uploads/2014/05/Festival-Terras-Sem-Sombra-segue-rumo-a-Beja-Capital.doc

O site oficial do Festival Terras Sem Sombra dispõe de uma sala de imprensa. Consulte em: http://festivalterrassemsombra.org/sala-imprensa

Download de imagens:

1. Fundada em 2011, a Capella Duriensis é o ensemble residente na Escola das Artes da Universidade Católica Portuguesa:
http://festivalterrassemsombra.org/wp-content/uploads/2014/05/capella-duriensis.jpg

2. O concerto contará com direcção musical do maestro britânico Jonathan Ayerst:
http://festivalterrassemsombra.org/wp-content/uploads/2014/05/Jonathan-Ayerst.jpg

3. A igreja de Santa Maria da Feira, pelas notáveis condições acústicas que revela, irá oferecer um enquadramento brilhante para o concerto:
http://festivalterrassemsombra.org/wp-content/uploads/2014/05/igreja-matriz-beja.jpg

Material institucional:

1. Logótipo do 10.º Festival Terras Sem Sombra:
http://festivalterrassemsombra.org/wp-content/uploads/2014/03/Logo_FTSS_2014.jpg

2. Programa da 10.ª edição do Festival Terras Sem Sombra:
http://festivalterrassemsombra.org/wp-content/uploads/2014/03/mailing-geral-TSS-2014.jpg

3. Programação das actividades de Salvaguarda da Biodiversidade promovidas pelo Festival Terras Sem Sombra:
http://festivalterrassemsombra.org/wp-content/uploads/2014/03/mailing-biodiversidadeTSS-2014.jpg

Tags:

Sobre nós

Fundado em 2003, é uma iniciativa da sociedade civil que visa tornar acessíveis, a um público alargado, os monumentos religiosos da Diocese de Beja, como locais privilegiados – pela história, pela arte, pela acústica – para a fruição da música sacra.

Subscrever