EM MAIO A MAGIA DA MÁSCARA REGRESSA A BELÉM!

O Festival Internacional da Máscara Ibérica (FIMI) está de regresso ao Jardim da Praça do Império, em Belém, para quatro dias de verdadeira animação, entre caretos, foliões e mascarados, naquele que é um dos maiores eventos envolvendo a ancestral tradição dos rituais da máscara. Nesta 14.ª edição, que decorre entre 16 e 19 de maio, serão apresentados 42 grupos (mais 11 do que em 2018) num total de cerca de 700 participantes. A internacionalização é outra das apostas do festival que este ano recebe pela primeira vez a Hungria, com o grupo Busós, e Macau, com os Leões de Macau.   A

TOCÁNDAR E GRUPO DE BOMBOS DE ATEI ABREM O DESFILE DO 1.º DE DEZEMBRO

SÁBADO – 15h – AVENIDA DA LIBERDADE Mais de 1800 músicos, de 33 bandas filarmónicas e agrupamentos de todo o país, reúnem-se em Lisboa para o já tradicional desfile comemorativo do 1.º de dezembro.   Os grupos de percussão Tocándar (de Leiria) e Grupo de Bombos de Atei (de Vila Real) abrem o 7.º Desfile Nacional de Bandas Filarmónicas do próximo sábado, com início às 15 horas a partir da Estátua dos Combatentes da Grande Guerra, na Avenida da Liberdade. Este desfile é também uma homenagem a uma prática musical com mais de 200 anos que, um pouco por todo o país, continua a desempenhar

Abril em Lisboa

Este é um mês em que pode ver uma exposição, assistir a uma peça de teatro e tocar piano na rua Neste Abril em Lisboa voltamos a trazer para a rua uma programação centrada nos direitos humanos, através da palavra, da fotografia, do teatro e da música, este ano com um olhar especial para as histórias das mulheres e raparigas. Começamos com a exposição Raparigas de Gaza, dia 6, na Alameda dos Oceanos, no Parque das Nações. O trabalho da premiada fotojornalista Monique Jaques sobre jovens mulheres que crescem na Faixa de Gaza, poderá ser visto numa mostra composta por mais de 20

ABRIU O CONCURSO SARDINHAS FESTAS DE LISBOA’18

CANDIDATURAS ABERTAS ATÉ 19 DE MARÇO Este ano aos pescadores pede-se calma. Aos consumidores, moderação. Aos artistas, lançamos as redes para a criatividade e ao público uma missão. “Salvem a Sardinha!” é o mote do Concurso Sardinhas Festas de Lisboa 2018 que este ano quer ajudar a preservar a espécie, através da imaginação, estimulando a participação sem fronteiras. A partir de hoje e até 19 de março, portugueses e estrangeiros, crianças e adultos, artistas e amadores, em grupo ou individualmente, podem contribuir para a multiplicação da sardinha símbolo das Festas de Lisboa.

Visita de imprensa às Galerias Romanas da Rua da Prata

Para confirmação de presença e marcação de entrevistas contacte marianabotelho@egeac.pt A EGEAC e o Museu de Lisboa abrem, pela segunda vez este ano, as galerias romanas de Lisboa, no âmbito das Jornadas Europeias do Património. Nos dias 22, 23 e 24 de setembro, as galerias receberão mais de três mil visitantes e as inscrições, já estão esgotadas. Esta estrutura romana, descoberta no subsolo da Baixa de Lisboa, em 1771, na sequência do Terramoto de 1755 e posterior reconstrução da cidade, tem sido objeto, ao longo do tempo, de múltiplas interpretações quanto à sua função original.

Lançámos o roteiro do Open House Lisboa 2017

No fim-de-semana de 23 e 24 de Setembro, entre sem bater à porta na melhor arquitectura da cidade, as visitas são gratuitas e inesquecíveis. Convidamos todos a descobrir o roteiro de 87 espaços, um número record na nossa história, com 37 espaços novos. Apenas 8 espaços requerem inscrições prévias, que estarão abertas a partir de 19 de Setembro em OH Lisboa (https://na01.safelinks.protection.outlook.com/?url=http%3A%2F%2Ft.ymlp61.com%2Fuuwwbadaebjbsakaumyaiaejseb%2Fclick.php&data=02%7C01%7Czelia.santos%40cision.com%7Cf54476a0a375491445c608d4fb54677c%7C887bf9ee3c824b88bcb280d5e169b99b%7C1%7C0%

Lisboa na Rua leva propostas culturais a novos palcos da cidade

É já a partir do próximo dia 1 de setembro que ruas, praças, jardins e recantos de Lisboa servem de palco para um mês de programação cultural multidisciplinar e aberta a todos, promovida pela EGEAC - Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural, que este ano apresenta várias novidades.   Durante as próximas semanas, o Lisboa na Rua traz espetáculos de música, cinema, teatro, literatura, exposições, instalações e dança para a rua, nalguns casos para locais menos habituais da cidade, impulsionando uma fruição cultural mais acessível e abrangente. E é ao som de jazz que arranca, com

EXPOSIÇÃO A LISBOA QUE TERIA SIDO | MUSEU DE LISBOA – PALÁCIO PIMENTA

O Museu de Lisboa convida para o lançamento do catálogo da exposição “A Lisboa que Teria Sido (https://na01.safelinks.protection.outlook.com/?url=http%3A%2F%2Fwww.museudelisboa.pt%2Fexposicoes-actividades%2Fdetalhe%2Fnews%2Fexposicao-a-lisboa-que-teria-sido-1.html%3Ftx_news_pi1%255Bcontroller%255D%3DEvent%26tx_news_pi1%255Baction%255D%3DeventDetail%26cHash%3D9c9aca00041d23d46de88078e63092d8&data=02%7C01%7Clurdes.lucas%40cision.com%7Cfd25e433cc004b57827108d4a84d4630%7C887bf9ee3c824b88bcb280d5e169b99b%7C1%7C0%7C636318497268262176&sdata=L1uaTr5KcBALO7HqdBvDgTnS2CbjNKsKHDE4kPxp0yc%3D&reserved=0)

TONI MALAU | Anísio Franco apresenta nova escultura, no Museu de Lisboa - Santo António | 12 abril, 18h30

No dia 12 de abril, às 18h30, no Museu de Lisboa – Santo António, Anísio Franco apresenta, em conferência, Toni Malau ou Santo António da Boa Sorte, uma nova escultura integrada na coleção permanente do Museu de Santo António. A pequena escultura em marfim permite dar a conhecer uma nova faceta do culto prestado a Santo António, o santo nascido em Lisboa, cuja imagem com o Menino Jesus ao colo tem repercussão em todas as culturas do mundo. É uma peça rara e historicamente muito significativa, que representa o resultado do encontro de culturas e a dinâmica do sincretismo religioso

DEBAIXO DOS NOSSOS PÉS - Pavimentos Históricos de Lisboa

MUSEU DE LISBOA - Torreão Poente | 18 abril a 24 setembro Inauguração: 18 de abril, 18h30 Debaixo dos Nossos Pés – Pavimentos Históricos de Lisboa é o convite do Museu de Lisboa para olhar o chão que pisamos e que pisámos até aqui chegar, numa exposição no Torreão Poente que inaugura a 18 de abril, às 18h30. Estudar e analisar os pavimentos de uma cidade tão antiga quanto Lisboa significa conhecer a própria cidade. Nesta exposição, o Museu de Lisboa aborda um tema raras vezes explorado: as técnicas, materiais, formas, composições e cores que revestiram o chão que pisamos, desde a

Baile no Palácio - danças cabo-verdianas

O primeiro Baile no Palácio, inspirado no estilo barroco, recebeu quase 700 participantes. Desta vez, os ritmos chegam-nos de Cabo Verde com ateliês de danças, concertos, DJ e degustação de cachupa.  Tendo como cenário o Pátio das Tílias, a festa começa com um ateliê de funaná e coladeira, com a colaboração de dois bailarinos: Sandra Gomes e Isaac Barbosa.  Com os ritmos de Cabo Verde no sangue, chega-nos a Banda Morabeza, fundada pelo músico de violão Adérito Pontes. Conhecido por ter sido guitarrista de Cesária Évora, colaborou ainda com artistas como Ildo Lobo, Tito Paris, Bana, Lura,

"A Lisboa que Teria Sido"

A partir de 26 de janeiro, o Museu de Lisboa apresenta A Lisboa que Teria Sido, cerca de 200 peças de projetos urbanísticos e arquitetónicos que não chegaram a ser concretizados. O Museu de Lisboa expõe Lisboa projetada por arquitetos, urbanistas e pensadores da cidade como Francisco de Holanda, Eugénio dos Santos, J. C. Nicolas Forestier, Ventura Terra, Cristino da Silva, Raul Lino, Cottinelli Telmo, Cassiano Branco, entre outros. À cidade cosmopolita do século XVI faltava, para alguns dos mais ilustres moradores e visitantes, monumentalidade arquitetónica. A reconstrução, depois do

Concurso Grande Marcha de Lisboa - ATÉ 22 FEVEREIRO

Até 22 de fevereiro, a EGEAC convida todos os autores a compor a letra e a música da Grande Marcha de Lisboa 2017. Há várias décadas que, ano após ano, a canção que se ouve pela cidade durante as Festas de Lisboa é o resultado de um concurso que leva autores e compositores a criar a música e letra da Grande Marcha de Lisboa. Para a composição de 2017, a letra deverá incluir os temas «Lisboa» e ainda «Atlântico, mar de encontros», no âmbito de «Passado e Presente - Lisboa, capital ibero-americana de Cultura». Além de um prémio de €5.500 (Cinco mil e quinhentos euros), a composição

NATAL EM LISBOA | 1 > 17 DEZEMBRO | ENTRADA LIVRE

De 1 a 17 de dezembro, a EGEAC apresenta o Natal em Lisboa, um programa de concertos para toda a família que este ano, além das tradicionais igrejas, inclui também espetáculos no Cinema São Jorge, no recém-inaugurado Capitólio e no Aeroporto de Lisboa. O repertório chega-nos dos quatro cantos do mundo.   Em 2016, além do convite à descoberta do rico património eclesiástico de vários pontos da cidade – com igrejas de Marvila ao Lumiar, do Bairro Alto à Graça – o Natal em Lisboa tem lugar em dois novos palcos: o Capitólio e o Aeroporto. Logo a partir do dia 1 de dezembro, o Museu de Lisboa

Desfile Nacional de Bandas Filarmónicas com cerca 1600 músicos

No dia 1 de dezembro, às 15h, cerca de 1600 músicos, de 35 bandas filarmónicas e agrupamentos de todo o país, reúnem-se em Lisboa para desfilar na Avenida da Liberdade, terminando com uma atuação conjunta nos Restauradores.   A apresentação do 5º Desfile Nacional de Bandas Filarmónicas é também uma homenagem a esta prática musical com mais de 200 anos que, um pouco por todo o país, continua a desempenhar um importante papel na formação cívica e musical de crianças e jovens.   O desfile tem início às 15 horas, na Avenida da Liberdade, junto à Estátua dos Combatentes da Grande Guerra e

Integral das sinfonias de Beethoven pela primeira vez em Lisboa ao ar livre

Para encerrar o festival Lisboa na Rua, a EGEAC apresenta algo que a cidade nunca viu antes ao ar livre: a Integral das Sinfonias de Beethoven, pela Orquestra Metropolitana de Lisboa, em quatro dias sucessivos, de hoje, 28 de setembro a sábado, 1 de outubro, sempre às 21h30, no Terreiro do Paço. “Trata-se de um grande evento que marca a agenda cultural da cidade e que é simultaneamente um desafio para os músicos e para o público”, afirma a presidente do conselho de administração da EGEAC, Joana Gomes Cardoso.   “Depois de um mês de propostas culturais que cruzaram públicos e promoveram

LISBOA NA RUA

A EGEAC apresenta, no festival Lisboa na Rua, mais um final de semana repleto de música e de cinema, com dois concertos na Ribeira das Naus, de Pedro Jóia Trio e da Orquestra Jazz de Leiria, e a magia no grande ecrã do CineCidade, no Campo Grande. De quinta a domingo, várias zonas da cidade voltam a animar-se com uma programação cultural para todos, gratuita e ao ar livre.   Os sons da música popular ibérica têm, pela mão de Pedro Jóia Trio (http://lisboanarua.com/events/event/pedro-joia-trio/), um fim de tarde de encanto prometido para as 19h de sexta feira, 23 de setembro, na Ribeira

LISBOA NA RUA 25 DE AGOSTO A 1 DE OUTUBRO

A EGEAC apresenta o Lisboa na Rua, que arranca em cheio com quatro dias seguidos repletos de música e de cinema, ao ar livre, de acesso gratuito, em vários locais da cidade, a respirar os fôlegos do verão ao cair da noite.   As sonoridades do jazz dão abrem as festividades com a big band belga, Flat Earth Society, que traz a Lisboa 14 músicos que vão encher o relvado majestoso do Jardim do Arco do Cego, a 25 de agosto (19h). Numa parceria com o Hot Club de Portugal, de A Arte da Big Band vai continuar pelo mês de setembro, sempre às quintas feiras e ao fim da tarde, em outros jardins,

Marcha de Alfama vence as Marchas Populares de Lisboa de 2016!

Na noite de 12 de junho de 2016, a Avenida recebeu a 84ª edição das Marchas Populares de Lisboa, em mais um espetáculo cheio de cor, música, muita emoção e claro, algum nervosismo.   Foram 22 as Marchas que partiram do Marquês de Pombal, descendo a Avenida da Liberdade rumo aos Restauradores, além dos agrupamentos convidados (Marcha Popular de Portimão e Associação Geral Desportiva de Macau Lo Leong) e do habitual desfile dos Noivos de Santo António.  Destas, 20 marchas entram em competição e são avaliadas com uma pontuação de 0 a 20 e em dois momentos, na MEO Arena nos passados dias 3, 4

DEIXEM O PIMBA EM PAZ | FESTAS DE LISBOA’16

Sexta-feira, 10 de junho, o Pimba reinventa-se com Bruno Nogueira, Manuela Azevedo, a Orquestra Metropolitana e convidados, num espetáculo junto ao rio que termina com fogo de artifício. A entrada é livre.   Este ano, o inverno parecia não ter fim, mas é desta que a melhor altura do ano veio para ficar. Não temos dúvidas de que Lisboa é o melhor sítio para se estar em junho, onde se passa tudo.  E para que comece também a contar os dias (para as Festas, pois claro), damos-lhe uma novidade: no dia 10 de junho, a EGEAC convida a desconstruir a portugalidade com muito humor - comemoramos o

CONCURSO SARDINHAS FESTAS DE LISBOA’16

Está aberto o Concurso Sardinhas 2016! Palavra de Sardinha. Este ano, serão selecionadas cinco sardinhas vencedoras com um prémio de 2.000€. As propostas podem ser enviadas até ao dia 16 de Março, às 18 horas.   Sardinha lança concurso e desafia carapaus. Palavra de Sardinha. A EGEAC lança a sexta edição do Concurso de criatividade Sardinhas Festas de Lisboa. Dizem que peixes há muitos, mas sardinha há só uma. Neste caso, há cinco: serão selecionadas cinco vencedoras para as Festas de Lisboa’16 (http://www.festasdelisboa.com/). Palavra de Sardinha. E quem são os carapaus? São adultos e

Na Casa Fernando Pessoa

Sábado, dia 6 de Fevereiro, às 19h00 (atenção ao horário corrigido), é dia de Sem casas não haveria ruas, o programa que a cada mês nos une à BOCA e à Fundação José Saramago. Desta feita, celebramos a poesia de Nuno Moura. Depois, quinta, dia 11 de Fevereiro, às 18h00, e a propósito do mais recente livro de Mariana Gray de Castro, conversamos sobre Pessoa e Shakespeare. Sábado, dia 13 de Fevereiro, às 15h00, regressa a visita temática Amor+Pessoa. O ciclo Sem casas não haveria ruas une-nos, a cada mês, à Fundação José Saramago e à editora BOCA. Em Fevereiro, dia 6, sábado, às 19h00 (

Na Casa Fernando Pessoa

Começamos 2016 chamando para o “espaço da literatura, para os mundos dos livros, para o lugar da poesia, e abrindo o ano e as portas da Casa Fernando Pessoa”. Para lá dos livros apresentados e discutidos, pontuam ainda o calendário as visitas regulares e temáticas, uma oficina para pais e crianças e as parcerias.   Os livros apresentados e discutidos: desde logo, dia 21 de Janeiro, quinta, às 18h30, a nova edição do Livro do Desassossego, aqui em modo plural e na perspectiva da Professora Teresa Rita Lopes. Diz-nos a autora de Livro(s) do Desassossego que “No plural? – será a primeira

DIAS DO DESASSOSSEGO

São os 80 anos da morte de Fernando Pessoa que pontuam o fecho dos Dias do Desassossego. Até lá e nos próximos dias, a segunda mesa-redonda "Se a literatura salva?", a festa da música e da palavra no MusicBox, a oficina Desassossego Sussurrado, mais um passeio literário e as leituras de Alma Inquieta. Na próxima segunda, dia 30 de Novembro, assinalam-se 80 anos sobre a morte de Pessoa. Para recapitular e ouvir estas oito décadas, a CFP apresenta um programa de memória e escrita, recriação e leitura. Às 19h00, no São Luiz Teatro Municipal  (http://teatrosaoluiz.pt/catalogo/detalhes_produto.