Bankinter alcança um resultado de 444,4 milhões de euros, um crescimento de 10,1%, com melhorias em todas as rubricas e suportado na solidez do seu negócio com Clientes

- Excluindo os efeitos da aquisição do EVO Banco e as suas contas consolidadas desde 31 de maio, o resultado líquido cresceria 2,1%.

- Destacam-se os bons rácios de eficiência da atividade bancária que, excluindo o EVO Banco, se situam em 46,7%, um dos melhores indicadores da banca em Espanha.

- A Carteira de Crédito do Bankinter continua a crescer a bom ritmo, com um aumento de 8,4%, tal como os Recursos de Clientes, que crescem 13,6%. Sem incluir os números do EVO Banco, o crescimento é também superior à média do setor.

- O Bankinter Portugal regista um crescimento do crédito concedido e dos recursos de Clientes de 14% e 15%, respetivamente. O resultado antes de impostos é de 51 milhões de euros, 17% acima do valor registado a 30 de setembro de 2018.

30/10/2019. O Grupo Bankinter consolida, no final do terceiro trimestre de 2019, a tendência apresentada ao longo do ano: um negócio com Clientes em constante crescimento, uma rentabilidade acima da média do setor e uma qualidade de ativos que está entre as melhores do mercado.

A 30 de setembro, o Grupo Bankinter obtém um resultado líquido de 444,4 milhões de euros e um resultado antes de impostos de 587,8 milhões de euros, o que traduz aumentos em relação ao ano anterior de 10,1% e 6,3%, respetivamente. Estes resultados incorporam os números do EVO Banco e da sua filial de consumo na Irlanda, a Avantcard, cuja integração no Grupo ocorreu no segundo trimestre do ano. 

Excluindo os efeitos da aquisição do EVO Banco e as suas contas consolidadas, o resultado líquido seria de 412,3 milhões de euros e o resultado antes de impostos de 567,8 milhões de euros, o que significa um crescimento de 2,1% e de 2,7% respetivamente, em base comparada.

O ROE, ou rentabilidade dos capitais próprios, com um valor de 12,64%, mantém-se como um dos pontos fortes do Grupo Bankinter.

No que diz respeito à qualidade dos ativos, o banco mantém a liderança entre os bancos cotados em Espanha. O índice de morosidade situa-se em 2,73%, um valor que há um ano era de 3,20%.

Relativamente à solvência, o rácio de capital CET1 fully loaded registado no final do terceiro trimestre é de 11,57%, um valor superior ao do trimestre passado e muito acima do requisito mínimo de capital exigido ao Bankinter pelo Banco Central Europeu que, para este ano, foi de 8,20%.

Quanto à liquidez, o gap comercial (diferença entre o crédito concedido e os recursos de Clientes) reduz para apenas 700 milhões de euros, enquanto que há um ano era de 3.700 milhões de euros, o que faz com que o rácio de depósitos sobre créditos se situe em 99,8%.

Por último, sublinhe-se que, nos próximos dois exercícios e no que resta do atual, o banco tem previstos vencimentos de apenas 800 milhões de euros. Para fazer face a estes compromissos, o banco conta com ativos líquidos no valor de 14.700 milhões de euros e uma capacidade de emissão de obrigações de 6.000 milhões de euros.

Crescimento em todas as rubricas

Apesar de um contexto difícil, o negócio do Bankinter com Clientes continua a gerar maiores receitas, o que se reflete nas diversas rubricas da conta de resultados, que crescem todas em comparação com o mesmo período de 2018.

A primeira delas, a margem de juros, cresce 7,3% relativamente ao fecho do terceiro trimestre de 2018, para 875,7 milhões de euros. Excluindo a contribuição do EVO Banco, esse crescimento seria de 4,5%.

A margem bruta atinge 1.544,8 milhões de euros, mais 4,9%, com as receitas líquidas provenientes de comissões a totalizarem 346,7 milhões, um crescimento de 4,3%, equivalendo a 22% do total desta margem. Sem contar com o EVO Banco, o crescimento da margem bruta seria de 3,1%.

Por sua vez, o Bankinter termina o terceiro trimestre com uma margem de exploração de 752 milhões de euros, mais 4,3% do que há um ano, sendo mais 7,4% se excluído o EVO. A integração desta entidade leva a um aumento de custos operacionais de 5,4%, embora excluindo os efeitos da aquisição do EVO Banco estes custos diminuam 1%. Por conseguinte, o rácio de eficiência da atividade bancária com amortizações é de 46,7% sem o EVO Banco e de 48,7%, considerando a integração desta entidade.

Assim, a 30 de setembro de 2019, o Bankinter obtém um resultado líquido de 444,4 milhões de euros, mais 10,1% do que no mesmo período do ano anterior, e um resultado antes de impostos de 587,8 milhões de euros, um crescimento de 6,3%.

Em relação ao balanço do Bankinter, os ativos totais do Grupo, que desde 31 de maio deste ano incluem os negócios do EVO Banco e da Avantcard, totalizam 84.244 milhões de euros, o que representa um crescimento de 10,4% em relação a 30 de setembro de 2018.

O total de crédito a Clientes é de 59.353,6 milhões de euros, mais 8,4% do que há um ano. Considerando apenas o negócio em Espanha e excluindo o do EVO Banco, o crescimento foi de 5%, em contraciclo com o setor que, de acordo com os dados de agosto do Banco de Espanha, diminuiu 1%.

Os recursos de Clientes de retalho totalizam 57.140,1 milhões de euros, mais 13,6%, ou mais 7% apenas em Espanha e sem o EVO Banco. Já os recursos fora de balanço atingem um património total de 29.321,9 milhões de euros, mais 2,7% que há um ano.

O índice de morosidade verificado no Grupo Bankinter é de 2,73%, o que compara com 3,20% de há um ano. De referir, a este respeito, a significativa redução verificada na carteira de ativos imobiliários adjudicados, que, no final do trimestre, totalizam um valor bruto de 308,4 milhões de euros, face aos 366,1 milhões de euros de há um ano. A cobertura sobre estes ativos imobiliários adjudicados é de 46%.

Um negócio diversificado e rentável

O negócio com Clientes continua a ser o principal responsável pela geração de resultados do Grupo, com o negócio de Empresas a dar o maior contributo para as receitas.

A carteira de crédito da Banca de Empresas situa-se, no final do terceiro trimestre, nos 25.000 milhões de euros, em comparação com os 23.700 milhões de euros registados há um ano. Considerando a atividade em Espanha, a carteira de crédito a empresas é de 23.300 milhões de euros, o que representa um crescimento de 3,7% em comparação com o valor registado há um ano, enquanto que o setor decresceu em média 2,3%, de acordo com os dados de agosto do Banco da Espanha. Desta carteira, 50% corresponde a grandes empresas, 27% a médias empresas e o restante a PME.

No negócio de Empresas, as áreas da Banca Internacional e da Banca de Investimento continuam a registar uma atividade robusta, mesmo considerando o contexto atual. A concessão de crédito no Negócio Internacional verificou um crescimento de 22% no ano, tendo sido registado um crescimento semelhante na Banca de Investimento. As margens brutas de ambos os negócios crescem 11% e 18%, respetivamente, em relação ao final do terceiro trimestre de 2018.

No negócio de Banca Comercial, dirigido a particulares, é de destacar a evolução da Banca Privada, cujo património sob gestão cresce 5%, atingindo 39.000 milhões de euros. O crescimento nos primeiros nove meses do ano foi de 3.300 milhões de euros.

O mesmo ocorre no segmento de Banca Personal, onde o património sob gestão alcançou 23.000 milhões de euros, mais 5% do que há doze meses, com um crescimento nos três primeiros trimestres do ano de 1.400 milhões de euros.

Na Banca Comercial, tanto os recursos como o crédito concedido apresentam um bom desempenho. A carteira de contas ordenado, um dos principais produtos do banco e, sem dúvida, aquele com maior poder de captação, teve um crescimento notável, de 25% em relação a setembro de 2018, alcançando 9.645 milhões de euros.

Do lado da concessão de crédito, nos primeiros nove meses de 2019 a nova produção hipotecária totaliza um volume de 2.094 milhões de euros, ou seja mais 12% do que o valor alcançado no mesmo período do ano anterior, com um loan to value de 65% e com 32% destas novas hipotecas com taxa fixa.

Em Espanha, o total da carteira de hipotecas do Bankinter ascende a 22.600 milhões de euros, o que representa um crescimento de 2,1% em relação a 30 de setembro de 2018, e tudo isto quando a carteira hipotecária do setor, no seu conjunto, diminuiu 1,4%, segundo dados do Banco de Espanha referentes a agosto.

A Línea Directa Aseguradora alcança 3,14 milhões de riscos seguros, um crescimento de 6,1% relativamente há um ano. O crescimento das apólices Auto foi de 4,2% e o das apólices Lar foi de 9,9%. Os prémios emitidos somam 671,2 milhões de euros, mais 5%, um crescimento bem acima da média do setor, tanto em Lar como em Automóvel. O rácio combinado do Grupo Línea Directa é de 87,4% e o ROE é de 36%.

O Bankinter Consumer Finance, que opera o negócio de Consumo do banco, alcançou 1,4 milhões de Clientes, mais 13% do que há um ano. A carteira de crédito totaliza 2.300 milhões de euros, mais 27% que em setembro de 2018. O volume de novos créditos nos primeiros nove meses de 2019 ascende a 622 milhões de euros, mais 37% do que o valor concedido no mesmo período de 2018.

O Bankinter Portugal continua a sua trajetória de êxito, com o crédito concedido e os recursos captados a crescerem a dois dígitos: 14% e 15%, respetivamente. Destaca-se especialmente a boa evolução da carteira de crédito concedido a empresas, que cresce 34% face há um ano. No final do terceiro trimestre de 2019, o resultado antes de impostos do Bankinter Portugal ascende a 51 milhões de euros, ou seja, 17% acima do valor registado a 30 de setembro de 2018.

Desde o passado dia 31 de maio que os negócios do EVO Banco e da filial de consumo na Irlanda, a Avantcard, estão integrados no banco, com a carteira de crédito desta última instituição a manter um importante crescimento. O EVO Banco captou 25.000 novos Clientes durante este trimestre.

Os crescimentos registados em todas as linhas de negócio beneficiam do sólido posicionamento do banco na atividade digital, com 94,5% dos Clientes a relacionarem-se com o Bankinter por via digital. Refira-se que 89% dos empréstimos ao consumo são contratados digitalmente e que é também por esta via que são realizadas 45% das subscrições de fundos de investimento e 9% das hipotecas.

Sobre o Bankinter

O Bankinter é uma das entidades financeiras mais sólidas, solventes e rentáveis de Espanha. Em 2018 obteve um resultado líquido de 526,4 milhões de euros. O Banco terminou o ano de 2018 com um sólido rácio de capital CET1 fully loaded de 11,75% e uma taxa de incumprimento de 2,9%, resultado de uma gestão rigorosa dos riscos.

O Bankinter é uma entidade de referência pelo seu elevado desenvolvimento tecnológico, qualidade de serviço acima da média do sector e uma clara aposta na inovação e utilização de canais alternativos na sua relação com os Clientes.

Para mais informação pode consultar a Web Corporativa Bankinter Portugal:

https://webcorporativa.bankinter.pt

Tags:

Sobre nós

O BFF Banking Group, cotado na Bolsa de Milão desde 2017, é o banco líder no mercado da Gestão e Aquisição sem recurso de créditos comerciais sobre entidades da Administração Pública na Europa. O Grupo opera nos mercados de Itália, Polónia, República Checa, Eslováquia, Espanha, Portugal, Grécia e Croácia. Em 2017, o BFF Banking Group atingiu um resultado líquido ajustado consolidado de EUR 84 milhões, com um rácio de 12,2% CET1 do Grupo em setembro de 2018.

Subscrever

Media

Media