Crédito Agrícola com resultado de €96,5M no 1º semestre de 2021

Lisboa, 19 de Agosto de 2021
 
Resultados não auditados acumulados em Junho de 2021

  • Crescimento de 92,5% face ao período homólogo.
  • Negócio bancário contribuiu com 84,5 milhões de euros.
 
 
•           O Grupo Crédito Agrícola apresenta um resultado líquido consolidado de 96,5 milhões de euros (+92,5% face ao período homólogo) no primeiro semestre de 2021, para o qual o negócio bancário contribuiu com 84,5 milhões de euros (+110,6% face ao 1º semestre de 2020), período marcado por um contexto de incerteza e alguma adversidade para o sector financeiro decorrente ainda do impacto da crise pandémica COVID-19. Indicadores bastante positivos que remetem para os valores pré pandemia, época em que o Grupo Crédito Agrícola apresentou um resultado líquido consolidado de 74,4 milhões de euros (1º semestre de 2019).

•           Em 30 de Junho de 2021, a carteira de crédito (bruto) a clientes do Grupo Crédito Agrícola ascendeu a 11,5 mil milhões de euros, uma variação positiva de 6,2% nos últimos 12 meses, reflectindo o apoio continuo às famílias, empresas e instituições clientes do Grupo CA no actual contexto.
 
•           A carteira de crédito em moratória totalizava 2.789 milhões de euros, com o Crédito Agrícola a apoiar 4.489 empresas nacionais através da concessão de 335,8 milhões de euros ao abrigo das linhas de crédito protocoladas COVID-19, com a garantia do Estado.
 
•           De acordo com as regras CRD IV/CRR, o Grupo Crédito Agrícola apresenta um confortável nível de solvabilidade consubstanciado pelos rácios common equity tier 1 (CET1) e de Fundos Próprios Totais, ambos de 17,9% (excluindo resultado líquido do período), um rácio de alavancagem de 8,5% e um nível de cobertura de liquidez (rácio LCR) de 380,4%, todos bem acima dos níveis mínimos recomendados.
 
A Caixa Central de Crédito Agrícola recebeu pela primeira vez, em Julho 2021, notação de rating (baseline credit assessment ou BCA) da Moody’s de nível Ba1, o 3º rating mais elevado, a par de outra Instituição, entre os 7 maiores bancos a operar em Portugal. A notação BCA é complementada com a notação de depósitos Baa3 Outlook Estável/ Prime-3 e notação Counterparty Risk Rating (CRR) de Baa2/Prime-2, ambos com grau de investimento.
 
•           A obtenção de rating por parte da Caixa Central constitui um marco importante no acesso a mercados institucionais permitindo considerar fontes de financiamento alternativas a depósitos, designadamente de dívida elegível para os requisitos MREL, sendo essa o principal objectivo para a obtenção de rating. Este é um processo que culmina com o reconhecimento da qualidade do Grupo.
 
De acordo com Licinio Pina, Presidente do Grupo “o Grupo Crédito Agrícola verificou, nestes primeiros 6 meses do ano, uma forte retoma da actividade remetendo para a época pré pandemia, com o mercado a dar sinais claros de confiança. O crescimento da margem financeira e da margem técnica de seguros contribuíram para o aumento do produto bancário que, em conjunto com o controlo dos custos de estrutura e a estabilização do custo do risco, não obstante a prudência, permitiram ao Crédito Agrícola registar um crescimento de 92,5% quando comparado com igual período em 2020. Estes resultados alcançados, muito positivos, reflectem o trabalho e a dedicação de uma vasta equipa que trabalha no Grupo aos vários stakeholders, e são a demonstração da resiliência e da confiança que os clientes têm nas Caixas Agrícolas do SICAM e no Grupo em geral, dando garantias de sustentabilidade reforçada.”
 
DESEMPENHO DO GRUPO CRÉDITO AGRÍCOLA NO 1º SEMESTRE DE 2021
Para a evolução do produto bancário (+14,0 milhões de euros face ao homólogo), contribuiu essencialmente o crescimento da margem financeira em 4,4 milhões de euros (+2,8%), da margem técnica do negócio segurador, que registou uma variação homóloga de +10,2 milhões de euros (+48,4%), e dos outros resultados (+11,2 milhões de euros).
 
As comissões líquidas aumentaram 0,4 milhões de euros para 54,1 milhões de euros e os resultados das operações financeiras reduziram-se em 12,3 milhões de euros (-18,5%) para um total de 54,4 milhões de euros.
 
A redução dos custos de estrutura de 2,1 milhões de euros face ao período homólogo e o aumento do produto bancário determinaram uma melhoria de 3,6 p.p. no rácio de eficiência que, com referência a Junho de 2021, se situou em 58,8%.
 
As imparidades e provisões do exercício registadas no primeiro semestre de 2021 ascenderam a 7,3 milhões de euros, evidenciando uma redução em termos homólogos de 29,1 milhões de euros, justificada essencialmente por: (i) uma diminuição de 20,8 milhões de euros de provisões genéricas constituídas em 2020 para cobertura de riscos relativos à carteira de crédito em recuperação na Caixa Central e a activos imobiliários detidos; (ii) uma diminuição de 13,9 milhões de euros nas imparidades na carteira de títulos decorrente da actualização dos cenários macroeconómicos e consequente desagravamento de parâmetros de risco face a Junho 2020; e (iii) em sentido contrário, pelo aumento das imparidades específicas de crédito (em 3,9 milhões de euros) e pelo aumento das imparidades de outros activos (em 1,6 milhões de euros) relacionados, essencialmente, com imóveis por recuperação de crédito.
 
Nos primeiros seis meses de 2021, o custo do risco de crédito situou-se em 0,07%. O aumento de 0,03 p.p. face ao período homólogo resultou do reforço das imparidades específicas de crédito constituídas durante o exercício.
 
A rentabilidade de capitais próprios consolidados (ROE) de 9,8%, alcançada pelo Grupo Crédito Agrícola, espelha os resultados conseguidos nas diferentes componentes do Grupo (Caixas Agrícolas, Caixa Central, companhias de seguros vida e não vida e gestão de activos e fundos de investimento), incluindo os contributos positivos do negócio segurador (3,9 milhões de euros da CA Vida e de 2,6 milhões de euros da CA Seguros).
 
Os resultados registados nos veículos de desinvestimento imobiliário (nomeadamente via desvalorização de unidades de participação) penalizaram os resultados consolidados em -4,6 milhões de euros, verificando-se uma redução favorável de 0,1 milhões de euros face ao valor registado no período homólogo (-4,7 milhões de euros).

BALANÇO DO GRUPO CRÉDITO AGRÍCOLA
Em 30 de Junho de 2021, a carteira de crédito (bruto) a clientes do Grupo Crédito Agrícola ascendia a 11,5 mil milhões de euros, uma variação positiva de 6,2% nos últimos 12 meses, reflectindo a continuação do apoio às famílias, empresas e instituições clientes do Grupo CA no actual contexto.
 
Os recursos de clientes sob a forma de depósitos bancários totalizavam cerca de 18,0 mil milhões de euros, evidenciando um crescimento, em termos homólogos, de 13,6% correspondente a 2.151 milhões de euros, demonstrando a confiança dos clientes no Grupo CA num período de incerteza como o actual. Este aumento de recursos, superior ao aumento do crédito (líquido) concedido a clientes, contribuiu para a redução do rácio de transformação que, no final do período, ascendia a 61,9%.
 
QUALIDADE DA CARTEIRA DE CRÉDITO DO GRUPO
Em termos de qualidade da carteira de crédito do Grupo Crédito Agrícola, o rácio bruto de Non Performing Loans (NPL), de acordo com a Instrução 20/2019, em Junho de 2021 situava-se em 7,8%, registando uma evolução favorável face aos 8,1% verificados no final de 2020.
 
As imparidades de Non Performing Loans acumuladas com referência ao final do mês de Junho de 2021 ascendiam a 299 milhões de euros, valor que confere um nível de cobertura de NPL por imparidades de NPL de 33,6% e uma cobertura de NPL por imparidades de NPL e colaterais (FINREP)[1] de 86,3% (ou um rácio de 129,3% não considerando haircuts, custos e o limite de exposição por contrato). O rácio Texas, determinado pelo quociente entre o stock de NPL e a soma dos capitais próprios tangíveis com o stock de imparidades, fixou-se nos 40,3%.
 
SOLVABILIDADE, ALAVANCAGEM E LIQUIDEZ DO GRUPO
De acordo com as regras CRD IV/CRR, o Grupo Crédito Agrícola apresenta um confortável nível de solvabilidade consubstanciado pelos rácios common equity tier 1 (CET1) e de fundos próprios totais de 17,9% (excluindo resultado líquido do período), um rácio de alavancagem de 8,5% e um nível de cobertura de liquidez (rácio LCR) de 380,4%, todos bem acima dos níveis mínimos recomendados.
 
APOIO E PROTECÇÃO ÀS FAMÍLIAS, EMPRESAS E COLABORADORES DO GRUPO CA NO CONTEXTO DE PANDEMIA PROVOCADA PELO COVID-19
O Crédito Agrícola apoiou 4.489 empresas nacionais através da concessão de 335,8 milhões de euros ao abrigo das linhas de crédito protocoladas COVID-19, com a garantia do Estado.
 
Fruto da intensa actividade de apoio à economia, no final de Junho de 2021, o Crédito Agrícola tinha aprovado a introdução de moratórias no valor de 2.789 milhões de euros. Deste valor, 79,8% do montante corresponde a crédito a empresas, 12,8% corresponde a crédito habitação e 7,3% a crédito ao consumo e outros créditos a particulares. Em termos globais, 95,5% do crédito total e 88,3% das moratórias estava em situação regular (stages 1 e 2).
 
O exercício de 2021 encerra níveis de incerteza ainda elevados que se poderão vir a reflectir ao nível do incremento de imparidades da carteira de crédito. Neste contexto, os próximos resultados trimestrais poderão sofrer alterações materiais decorrentes das actividades de acompanhamento regular da carteira de crédito, em particular, dos sectores mais afectados pela crise e com maior peso de contratos de crédito em situação de moratória.
 
RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA
O Crédito Agrícola, único banco a operar em Portugal filiado no sector bancário cooperativo europeu (que integra alguns dos maiores bancos mundiais), é um Grupo de referência no sistema bancário português, com capitais exclusivamente nacionais, do qual fazem parte um conjunto de empresas financeiras, entre as quais as seguradoras CA Vida e CA Seguros, e que apresenta uma oferta universal de produtos e serviços financeiros e de protecção.
 
O Grupo CA, através da implementação de uma estratégia coordenada entre as 75 Caixas de Crédito Agrícola Mútuo que o compõem, prossegue empenhado em dinamizar a economia das regiões, cidades e vilas portuguesas e em contribuir para a coesão social e territorial de Portugal.
 
Em 2020, o Crédito Agrícola assumiu o compromisso de promover o desenvolvimento sustentável das comunidades em que se insere, consubstanciado na Política de Sustentabilidade que reflecte as preocupações sociais, ambientais e de governação e apresenta um conjunto de compromissos em matéria de finanças sustentáveis que, em prol do bem-estar das populações, conferem acrescida importância à gestão dos ecossistemas, ao uso eficiente dos recursos, à urgência no combate às alterações climáticas e à desigualdade.
 
Contribuindo para o desenvolvimento económico e social das comunidades e reforçando o seu compromisso com um futuro mais sustentável, o Grupo, através do concurso “DIA CA Sempre Sustentável”, apoiou financeiramente entidades da economia social em Portugal Continental e nas Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira, implementando projectos na área do ambiente, mais concretamente na descarbonização, na circularidade da economia ou nos serviços dos ecossistemas.
 
Tendo como base o seu compromisso para com a sustentabilidade, o CA acredita que transmitir conhecimentos aos mais novos é fundamental, especialmente quando se trata de temas imprescindíveis para as suas vidas como a poupança, o investimento e a gestão responsável do dinheiro. Assim, no âmbito do Dia da Criança 2021, lançou um conjunto de Apresentações de Literacia Financeira, que foram acompanhadas por Quizzes com perguntas sobre esta temática.
 
RECONHECIMENTO EXTERNO
A Caixa Central de Crédito Agrícola recebeu pela primeira vez, em Julho 2021, notação de rating (baseline credit assessment ou BCA) da Moody’s de nível Ba1, o 3º rating mais elevado, a par de outra Instituição, entre os 7 maiores bancos. A notação BCA é complementada com a notação de depósitos Baa3 Outlook Estável/ Prime-3 e notação Counterparty Risk Rating (CRR) de Baa2/Prime-2, ambos com grau de investimento.
 
No 1º trimestre de 2021, foram divulgados os resultados ECSI 2020 – European Consumer Satisfaction Index 2020, no qual a CA Seguros liderou, pelo terceiro ano consecutivo, o mais elevado nível de satisfação com uma avaliação de 8,04 (numa escala de 0 a 10), na dimensão “Satisfação dos Clientes”.
 
No 1º Semestre de 2021 a CA Seguros, consagrou-se vencedora, pela terceira vez consecutiva, na categoria de Banca, Seguros e Serviços Financeiros da 5ª edição do Índice da Excelência.
 
No final do 1º semestre de 2021 a Seguradora do ramo-não vida foi ainda considerada a Seguradora com menos Reclamações no Seguro Automóvel em 2020, distinção que teve por base o Relatório de Regulação e Supervisão da Conduta de Mercado publicado pela ASF – Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões.
 
No decurso do 1º semestre 2021, o Crédito Agrícola também se destacou no ranking das instituições menos reclamadas do Relatório de Supervisão Comportamental referente ao ano de 2020, realizado pelo Banco de Portugal, como o banco nacional que apresenta menos reclamações nos depósitos à ordem (9 reclamações por cada 100 mil contas de depósitos à ordem, que compara com a média do sistema bancário: 34 reclamações por cada 100 mil contas) e no crédito ao consumo (18 reclamações por cada 100 mil contractos de crédito aos consumidores versus a média do sistema com 40 reclamações por cada 100 mil contratos). O Crédito Agrícola posicionou-se ainda em segundo lugar no número de reclamações no crédito habitação e hipotecário, com 52 reclamações por cada 100 mil contratos de crédito à habitação e hipotecário (abaixo da média do sistema bancário: 119 reclamações por cada 100 mil contratos de crédito).
 
Sobre o Crédito Agrícola:
O Grupo Crédito Agrícola é um grupo financeiro de génese cooperativa constituído, na sua base, por Caixas de Crédito Agrícola. O Grupo de âmbito nacional, com capitais exclusivamente nacionais, conta com mais de 400 mil Associados, mais de 1 milhão e 500 mil Clientes e mais de 600 Agências, distribuídas pelo território nacional. Foi fundado em 1911, tendo como foco inicial o apoio ao financiamento de agricultores em Portugal tendo, ao longo dos anos, expandido o âmbito da sua actividade para outros sectores e alargado a sua área de actuação. O Grupo é composto actualmente, para além das Caixas Agrícolas e da Caixa Central, por empresas dedicadas à actividade seguradora e a banca especializada.
O Crédito Agrícola, único banco cooperativo a operar no mercado português com capitais nacionais, foi reconhecido pelo mercado como o melhor Banco da sua categoria através da “Escolha do Consumidor 2019” e tem sido pioneiro na oferta de serviços de pagamento inovadores aos seus clientes.
Foi o primeiro banco a disponibilizar o contactless em Portugal, a oferecer o primeiro cartão de pagamento com chip e o primeiro cartão vertical, tendo sido pioneiro na disponibilização de pagamentos com Apple Pay aos seus clientes.
 
[1] Aplicando haircuts e custos de recuperação, tendo por limite a exposição de cada contrato.
 

Tags:

Subscrever