Sorrisos em resposta às dificuldades

5.º Portugal de Lés-a-Lés
Vila Pouca de Aguiar-Pampilhosa da Serra-Coruche-Praia de Faro
2 a 5 de outubro 2019

Apontado pelos mais experientes como o mais exigente dos cinco Portugal de Lés-a-Lés realizados, a edição de 2019 teve o condão de transformar em sorrisos toda a dureza encontrada ao longo dos quase 1000 quilómetros de ligação entre Vila Pouca de Aguiar e a ilha de Faro, com passagem pela Pampilhosa da Serra e Coruche. Depois das íngremes subidas em terras transmontanas e durienses e do calor que ampliou as dificuldades dos pedregosos pisos beirões no segundo dia, a 3.ª etapa do evento organizado pela Federação de Motociclismo de Portugal ofereceu percurso mais rolante e menos massacrante em termos físicos. Mesmo se os longos e rápidos estradões alentejanos foram enquadrados por algumas passagens em areias ribatejanas, ainda na parte inicial, e pela tecnicamente exigente mas sempre divertida serra algarvia, já nos derradeiros quilómetros. Dia que começou bem cedo em madrugada muito fresca, com a mistura entre pó e nevoeiro a esconder paisagens bem bonitas e a criar acrescidas dificuldades na condução até Viana do Alentejo, dissimulando ainda algumas das armadilhas escondidas nos pisos arenosos, motivo de umas quantas quedas.
Ponto de paragem, o primeiro do dia, onde a Yamaha ajudou os resistentes aventureiros a recuperar as forças, antes do verdadeiro Alentejo onde vacas, ovelhas e outros animais se mostraram pouco incomodados pelo som dos motores de todo o tipo de motos. Como a improvável Triumph Street Scrambler, nunca antes vista nestas andanças, com que o lisboeta Paulo Mainha Cruz decidiu cumprir «a estreia absoluta em todo-o-terreno, bem como a navegar, com resultado surpreendente, chegando ao final sem problemas de maior». E se, «nas subidas do primeiro dia ou nos longos troços de areia da 2.ª etapa custou um bocadinho», já na derradeira tirada «tudo correu muito melhor, sobretudo na serra algarvia, mais técnica em termos de condução e bem entremeada com ligações em asfalto que permitiam descansar os braços». Juntamente com o ‘compagnon de route’ Pedro Verde, na pequena Mash 125, chegou sorridente a Faro mesmo se bem necessitado do apoio terapêutico das técnicas do IMT – Instituto de Medicina Tradicional. Que, depois de três dias de tamanha solicitação, muitos sorrisos devolveram às mais de três centenas de participantes que completaram esta maratona mototurística, ganhando motivação acrescida pelo final bem junto à praia, em dia de temperaturas não muito longe de veraneantes 30 graus centígrados. Prémio mais que merecido para todos os que aceitaram o desafio da FMP, bem avisados, desde o primeiro momento, pelo presidente da Comissão de Mototurismo, António Manuel Francisco, «das dificuldades do percurso, exponenciadas pela escassez de chuva nos últimos meses e pelas elevadas temperaturas, contribuindo para tornar os pisos mais escorregadios e poeirentos, diminuindo a visibilidade e trazendo à tona muitas pedras». Dureza que conferiu valor acrescentado ao diploma entregue a todos os finalistas do Portugal de Lés-a-Lés Off-Road e aumentou desejos de regressar em 2020.
 

Tags:

Sobre nós

Portal da Federação de Motociclismo de Portugal.

Subscrever

Media

Media