A Riqueza Injectada na Economia Europeia Pelo Crescimento das Vendas de Furgões é Superior ao PIB da Suíça

·         Segundo um novo relatório encomendado pela Ford, o forte crescimento registado na utilização de furgões contribuiu com mais de 675 mil milhões de euros para economia europeia em 2017
 
·         Este valor é superior ao PIB de vários países, tais como Arábia Saudita, Argentina e Suíça, e representa um aumento de 19 por cento face a 2012
 
·         O relatório elaborado pelo Centre for Economics and Business Research (Centro de Investigação Sobre Economia e Negócios) detectou um aumento significativo no número de furgões e de quilómetros percorridos, um crescimento que está a ser impulsionado pelas compras online e por trabalhadores independentes
 
·         A Ford está empenhada em manter os furgões como uma alternativa viável nas cidades com legislações de controlo de emissões cada vez mais rigorosas, tendo recentemente anunciado o lançamento de uma nova versão Ford Transit 100% eléctrica já em 2021
 
As compras online e a tendência para a criação do próprio emprego estão entre os factores que estão a impulsionar o enorme aumento da utilização de furgões, contribuindo para a injecção de vários biliões de euros na economia europeia.
 
Trata-se de uma contribuição extremamente significativa (675 mil milhões de euros em 2017) que supera o PIB de nações como Arábia Saudita, Argentina e Suíça  , e que revela um crescimento de 19 por cento face aos 569 mil milhões de euros registados em 2012.
 
Esta é apenas uma das muitas conclusões retiradas do estudo intitulado Economics of Commercial Van Usage Across Europe, um novo relatório compilado pelo Cebr - Centre for Economics and Business Research. A Ford, marca líder em veículos comerciais na Europa, encomendou o relatório após ter recentemente anunciado o novo furgão Ford Transit 100% eléctrico, integrado numa vasta gama de veículos electrificados que permitem aos condutores cumprir, com maior facilidade, as cada vez mais restritas legislações de controlo de emissões.
 
Como refere Hans Schep, Director Geral, Veículos Comerciais, da Ford da Europa, “Os furgões são um aliado fundamental num mundo em que a forma como vivemos, trabalhamos e nos relacionamos está a mudar rapidamente. Este relatório mostra que, através da sua contribuição para uma economia mais abrangente, os veículos comerciais ligeiros constituem a espinha dorsal dos negócios na Europa.
 
Furgões em alta
Para elaborar o relatório, o Cebr calculou o valor dos negócios possibilitados pelos furgões, tais como serviços de correios e de entregas, bem como os impostos sobre os combustíveis pagos pelos operadores de furgões aos respectivos governos. O relatório, focalizado nas sete principais economias europeias, apurou que entre 2012 e 2017, o Reino Unido foi o mercado que apresentou o maior aumento percentual na contribuição para a economia, passando de 110 mil milhões de euros para 145 mil milhões de euros (32 por cento), seguido da Alemanha, que passou de 139,4 mil milhões de euros para 182,9 mil milhões de euros (31 por cento). Em comparação, estima-se que o valor gerado pelo futebol para a UE é de 25,5 mil milhões de euros.
 
Esta contribuição tem sido possível graças ao número cada vez maior de furgões em circulação, que atinge agora o valor mais alto de sempre. O número de furgões em circulação na Alemanha, Espanha, França, Holanda e Itália, Reino Unido e Turquia aumentou mais de 10 por cento entre 2013 e 2018, de 23.250.000 para 25.690.000, com os maiores crescimentos a serem registados na Turquia (31 por cento), Alemanha (24 por cento) e Reino Unido (20 por cento).
 
No seu conjunto, os furgões nos sete principais mercados percorreram, no ano passado, qualquer coisa como 294 mil milhões de quilómetros – o equivalente a quase 1.000 viagens de ida e volta ao sol – o que corresponde a um aumento de 12 por cento em comparação como os 262 mil milhões de quilómetros percorridos em 2013. Os condutores de furgões em França foram os que percorreram mais quilómetros, com um total de 88 mil milhões de quilómetros, enquanto os condutores holandeses e espanhóis registaram a distância média mais elevada, com 20.000 quilómetros.
 
As entregas do futuro
De acordo com o relatório, são duas as tendências actuais que estão a impulsionar o aumento da utilização de furgões. Uma diz respeito às entregas online. Em 2018, mais de metade da população da União Europeia fez uma compra online, número que ascende a 83 por cento no Reino Unido, 80 por cento na Holanda, e 77 por cento na Alemanha. A outra tendência consiste no aumento dos trabalhadores independentes, que ganhou um grande impulso após a crise financeira.
 
Em muitos países e cidades da Europa, existe uma pressão cada vez maior para a aplicação de regulamentação de controlo e redução de emissões, com o objectivo de aumentar a qualidade do ar nos grandes centros urbanos. As novas normas de emissões da UE exigem que as emissões de CO2 dos furgões sofram uma redução de 31 por cento em 2030 face aos seus níveis de 2021.
 
Este ano, a Ford assumiu o compromisso de que todos os seus futuros modelos irão incluir uma opção electrificada. No início deste mês, a marca revelou uma nova abordagem mais ecológica e amiga do ambiente, que abrangerá todos os modelos da sua gama de veículos. Além do furgão Ford Transit 100% eléctrico, com lançamento previsto para 2021, a empresa irá lançar o novo e inovador furgão Transit Custom Plug-In Hybrid já no final deste ano, oferecendo capacidade para deslocações zero-emissões em percursos citadinos.
 
As opções da Ford vão além dos furgões no que toca a situações em que outras soluções sejam mais adequadas do que os furgões, ou que sejam complementares destes. Entre essas opções está um novo serviço de entregas digital que está a ser experimentado em parceria com a Gnewt pela Menzies Distribution para coordenar mais eficientemente os múltiplos modos de transporte, incluindo estafetas a pé e, no futuro, de bicicleta.
 
“As constantes alterações na forma como vivemos e trabalhamos reflecte-se nas nossas necessidades de transporte. Os furgões e os seus condutores têm tido um papel fundamental nessa mudança, apoiando as escolhas individuais no que respeita à forma como trabalham e fazem as suas aquisições,” declarou Nina Skero, directora da Cebr.
 
Cebr
O Centre for Economics and Business Research (Cebr) é uma consultora independente com reputação de consultoria empresarial sólida, baseada em uma análise profunda e criteriosa. Desde 1992, a Cebr está na vanguarda da investigação sobre negócios e interesse público. Fornece previsões e assessoria estratégica para grandes empresas do Reino Unido e multinacionais, instituições financeiras, departamentos governamentais e agências, bem como órgãos de comércio.
 
Sobre a Ford Motor Company
A Ford Motor Company é uma empresa global com sede em Dearborn, Michigan. A empresa projecta, fabrica, comercializa e presta serviços de manutenção a uma gama completa de veículos Ford de passageiros, comerciais, SUV, veículos eléctricos e aos veículos de luxo Lincoln, fornece serviços financeiros através da Ford Motor Credit Company e persegue posições de liderança em electrificação, veículos autónomos e soluções de mobilidade. A Ford emprega aproximadamente 199.000 pessoas em todo o mundo. Para obter mais informações sobre a Ford, os seus produtos e a Ford Motor Credit Company, visite www.corporate.ford.com.
 
A Ford Europa é responsável por produzir, comercializar e assistir os veículos da marca Ford em 50 mercados e emprega aproximadamente 53.000 trabalhadores nas suas instalações e aproximadamente 67.000 incluindo as ‘joint-ventures’. Em conjunto com a Ford Motor Credit Company, as operações da Ford Europa incluem a Divisão de Serviço ao Cliente e 24 instalações fabris (16 detidas integralmente ou instalações em ‘joint-ventures’ consolidadas e oito em 'joint-ventures' não consolidadas). Foi em 1903 que os primeiros veículos Ford foram transportados para a Europa, no mesmo ano em que a Ford Motor Company foi fundada. A produção europeia iniciou-se em 1911.

Tags:

Sobre nós

Representante da Marca Ford em Portugal.

Subscrever

Media

Media