Office Flashpoint: Take up de escritórios abranda, mas já passa os 170.000 m2

Falta de oferta e baixa disponibilidade do stock travam crescimento dos níveis de ocupação no final do ano

A um mês do final do ano, a ocupação de escritórios em Lisboa mantém-se robusta, acumulando um take-up de 171.884 m2, dos quais 22% foram tomados pelas empresas de “TMT’s & Utilities”, 21% pelas empresas de “Serviços da Empresas” e outros 18% pela área de “Consultores e Advogados”. Ainda assim, esta atividade apresenta um decréscimo de 10% face ao mesmo período acumulado de 2018. Os dados são avançados no mais recente Office Flashpoint da JLL, consultora que é responsável pela colocação de 38% da área negociada neste acumulado de 11 meses, assumindo uma posição de liderança neste mercado.
 
“No atual cenário de falta de novos escritórios para ocupação imediata, e de um stock com disponibilidade em mínimos históricos (aproximadamente 5%), acaba por ser uma boa notícia para o mercado chegarmos a um mês do final do ano com uma contração de apenas 10% no take-up do ano anterior. Aliás, só ao longo do último trimestre é que o mercado tem vindo a perder algum ritmo. Isto quer dizer que, mesmo com estes constrangimentos, a atividade está bastante forte e a procura não dá sinais de abrandar, com uma dinâmica especialmente interessante das empresas de shared services e da área tecnológica”, comenta Mariana Rosa, Head of Office /Logistics Agency & Transaction Management da JLL.

Tags:

Sobre nós

Empresa de serviços financeiros e profissionais especializada em serviços de imobiliário e gestão de investmento, desenvolvendo a sua atividade nos mercados de escritórios e retalho, nas áreas de agência, investimento, corporate solutions, consultoria e avaliações, gestão de imóveis, arquitectura/obras e research.

Subscrever

Media

Media