METRO ADERE AO "CÓDIGO DE CONDUTA DA UE PARA PRÁTICAS COMERCIAIS E DE MARKETING RESPONSÁVEIS" E TRAÇA O SEU PRÓPRIO OBJETIVO CLIMÁTICO

IMPACTO NEUTRO NO CLIMA ATÉ 2040

? A grossista internacional está a estreitar o seu próprio objetivo climático e pretende tornar as suas operações comerciais globais neutras ao nível do clima, até 2040
? A METRO planeia investir cerca de 1,5 mil milhões de euros, principalmente na renovação de infraestruturas de energia, refrigeração e aquecimento
 
Comprometida com todas as questões ambientais, a METRO, da qual a Makro Portugal faz parte, incluiu três dos seus atuais objetivos ao nível da sustentabilidade no Código de Conduta da UE. A grossista   atualiza, ainda, a sua meta climática: em vez de reduzir para metade as suas emissões de gases com efeito de estufa por metro quadrado de espaço de vendas e entrega até 2030, a METRO tem agora como objetivo tornar as suas próprias operações comerciais globais neutras para o clima até 2040, principalmente através de investimentos próprios. Ao contrário do panorama do “Green Deal” Europeu e da estratégia "Farm to Fork" da Comissão Europeia, o "Código de Conduta" é um compromisso voluntário assumido pelos interessados europeus ao longo da cadeia de abastecimento alimentar. Os seus signatários partilham da opinião de que a união de forças é a única forma de conseguir uma transição bem-sucedida para uma maior proteção ambiental, saúde e compatibilidade social na indústria alimentar, pretendendo seguir com esta mudança em conjunto.

“As alterações climáticas e as suas consequências representam riscos para todas as empresas - mas especialmente para aquelas cujo modelo de negócio se baseia em fontes naturais. Como grossista internacional com mais de 16 milhões de clientes nas indústrias de serviços alimentares e retalho, temos uma enorme alavanca para iniciar uma mudança sustentável, não apenas para nós próprios, mas também para os nossos clientes e parceiros. Podemos contribuir para uma cadeia de abastecimento mais sustentável com um core business que poupa recursos e apresenta processos ainda mais eficientes”, explica Steffen Greubel, CEO da METRO AG. “Por esta razão, estamos a aderir ao Código de Conduta com otimismo e com um objetivo climático mais apertado para 2040", acrescenta.

A METRO comprometeu-se com os objetivos globais do Código de Conduta para práticas comerciais e de marketing responsáveis, que incluem uma nutrição melhor e mais saudável, a utilização cuidadosa dos recursos alimentares, bem como circuitos fechados para embalamento. Por outro lado, os signatários podem também acrescentar os seus próprios objetivos empresariais ao Código de Conduta, desde que garantam a apresentação de relatórios transparentes e regulares. A METRO decidiu reportar especificamente sobre as seguintes metas existentes na empresa como parte do Código de Conduta:

  • Emissões de CO2 (objetivo reforçado): A METRO tem o objetivo de conseguir tornar as suas operações comerciais globais neutras ao nível do clima até 2040
? Desperdício alimentar: A METRO pretende reduzir para metade o desperdício alimentar nas suas próprias operações até 2025
? Sustentabilidade dentro do seu sortido de marcas próprias:
                    . Reformulação: reformulação de produtos adequados com o objetivo de reduzir gordura, sal e teor de açúcar e/ou eliminar aditivos
                    . Cadeias de abastecimento sustentáveis: A METRO está a trabalhar no sentido de ter cadeias de abastecimento mais sustentáveis com políticas de compras rigorosas e planos de ação eficientes, especialmente nas áreas de peixe e marisco, óleo de palma e soja.
Neutralidade climática através de inovação e investimento
De acordo com o objetivo da METRO, as suas próprias operações comerciais globais tornar-se-ão neutras ao nível do clima até 2040, em grande parte graças aos seus próprios esforços. A METRO está a avançar com medidas ambiciosas apoiados num investimento em tecnologia e inovação no valor aproximado de 1,5 milhões de euros. As principais medidas são:
? Poupança de energia;
? Mudança para regrigeradores naturais em sistemas de arrefecimento;
? Calor fóssil de eliminação progressiva;
? Expansão de sistemas fotovoltaicos;
? Eletrificação da frota automóvel da empresa;
? Modelo de emissão zero para a construção de novas lojas.

A METRO estabeleceu pela primeira vez o objetivo de reduzir para metade as suas emissões de gases com efeito de estufa por metro quadrado de vendas e espaço de entrega em 2015. No ano-base de 2011, as emissões específicas de CO2 do grossista atingiram 376 kg, valor que foi reduzido em 34% para 247 kg de CO2 por metro quadrado de espaço de vendas e de entrega até ao final do ano financeiro de 2019/20, sem compensação. No exercício financeiro de 2018/19, a METRO também alargou a sua meta climática à cadeia de abastecimento e tornou-se a primeira empresa de retalho alemã a estabelecer uma "meta científica" reconhecida.

A logística alimentar como um desafio

O objetivo climático da METRO abrange as áreas de energia, aquecimento, arrefecimento, consumo de papel, frota automóvel da empresa e viagens de negócios. Das emissões específicas de gases com efeito de estufa por metro quadrado de espaço de venda e entrega, 93% são atribuíveis à energia, aquecimento e arrefecimento.
A METRO comprometeu-se a trabalhar com os seus fornecedores para reduzir as emissões nestes processos a montante em 15%, entre 2018 e 2030. Posto isto, apenas em 2020, 120 fornecedores já forneceram informações sobre o clima como parte do "CDP Supply Chain Programme Climate", que regista as emissões de gases com efeito de estufa dos fornecedores.
A METRO encontra-se atualmente a trabalhar na sua própria meta climática para a sua frota global de logística.

Uma avaliação de impacto realizada pela METRO comparou os efeitos económicos, ecológicos e sociais do seu crescente negócio de distribuição de serviços alimentares (FSD) com os do seu negócio estacionário. Esta avaliação concluiu que o impacto ambiental do negócio de distribuição não é maior do que o das visitas às lojas convencionais. A entrega direta poupa tempo aos clientes, evita a interrupção da cadeia de frio e permite uma combinação eficaz das rotas de transporte, o que reduz as emissões de CO2 e evita o desperdício de alimentos. O balanço de sustentabilidade mostra que o FSD oferece efeitos positivos adicionais para clientes, sociedade e ambiente, no valor de 68 euros por 1000 euros em vendas, em comparação com o negócio convencional de cash & carry, sendo que a tendência é ascendente.

Para assegurar a transparência, a METRO comunica clara e publicamente a sua meta de CO2: https://responsibility.metroag.de/focus-areas/climate-action
 

Tags:

Subscrever

Media

Media