MDS coloca seguro do primeiro veículo autónomo de transporte público em Portugal

Solução de seguro inovadora desenvolvida em parceria entre a MDS, a Axa XL France e a Ageas Portugal permite a operação do primeiro veículo de autónomo em Portugal, que se dedica ao transporte de passageiros no Concelho de Cascais.

A MDS, multinacional portuguesa líder na consultoria de riscos e seguros, colocou o primeiro seguro de um veículo autónomo em Portugal. A solução desenvolvida em parceria com a Axa XL France e a Ageas Portugal permite a operação do primeiro veículo autónomo em Portugal, que se dedica ao transporte de passageiros no concelho de Cascais.

O veículo, semelhante a um pequeno autocarro, tem capacidade para 16 passageiros por trajeto e, numa primeira fase, vai ligar o polo da Universidade Nova School of Business & Economics (Nova SBE) em Carcavelos à Quinta de São Gonçalo na mesma localidade, num percurso de cerca de quinhentos metros. Numa segunda fase, está previsto o veículo fazer a ligação entre as instalações da Nova SBE à estação de Carcavelos, num percurso com cerca de 1,5 quilómetros.

Mário Vinhas, administrador da MDS, afirma que “os veículos autónomos já são uma realidade em Portugal e criam diversos desafios para os seus proprietários, nomeadamente no que respeita aos seguros necessários e aos riscos a acautelar. A MDS, enquanto líder de mercado na corretagem de seguros e consultoria de riscos, colocou as suas capacidades ao serviço dos clientes, desenvolvendo a primeira solução de seguro para este segmento, em parceria com a Axa XL France e a Ageas Portugal. O resultado é uma demonstração da capacidade de inovação e de antecipação de tendências da MDS, que se tem destacado também pela disponibilização de soluções inovadores, tanto em Portugal como no mundo”.

Recentemente, a MDS desenvolveu e lançou o primeiro seguro para drones “pay as you go” na Europa, que permite aos seus utilizadores beneficiar de um seguro subscrito no momento da utilização e através de uma app, fundindo seguros e tecnologia.

Veículos autónomos reduzem acidentes, mas colocam novos desafios aos seguros

Prevê-se que os veículos autónomos venham ajudar a reduzir os acidentes em cerca de 90%, sendo ainda expectável a diminuição das fraudes ao nível dos sinistros, em virtude do volume de informação a que os seguradores passam a ter acesso por via dos sistemas de telemetria.

No entanto, surgem novos desafios. O início da circulação de viaturas autónomas está a mudar a forma como subscrevemos os seguros automóveis, visto que a responsabilidade civil poderá ser assumida pelo veículo/ fabricante e não pelo condutor. Se um veículo estiver sob o controle, ainda que parcial, de um condutor, a cobertura de Responsabilidade Civil será automaticamente aplicada. Mas se a viatura em si for a causa da colisão, o ónus recai sobre a responsabilidade de produto do fabricante.

Sobre a MDS

A MDS é um grupo multinacional que atua na área da corretagem de seguro e resseguro e consultoria de riscos, presente em mais de 100 países. É líder de mercado em Portugal, um dos maiores players no Brasil e está diretamente em Angola, Moçambique e Espanha, Malta e Suíça. Através da Brokerslink, empresa global de corretagem fundada pelo grupo e que integra cerca de 18.000 profissionais de seguros, responde às necessidades dos seus clientes nas mais diversas geografias e sectores.

O grupo integra também a MDS RE, companhia especializada em resseguro presta serviços na Europa, América e África, e a RCG - Risk Consulting Group, uma referência na análise de riscos, controle de perdas, plano de continuidade de negócios e enterprise risk management. Através da HighDome, uma Protected Cell Company (PCC), a MDS oferece soluções alternativas de transferência de riscos ao mercado tradicional de seguros. A MDS atua também na área de gestão de benefícios e benefícios flexíveis, através das empresas 838 Soluções e Ben’s (Brasil) e Flexben (Portugal).

(Comunicado integral e fotografia de Mário Vinhas em anexo)

Tags:

Sobre nós

Grupo de corretagem criado em 1984, com sede no Porto. É detida pela Sonae, a maior multinacional privada portuguesa e pela Suzano, um grupo industrial brasileiro com atividades ligadas às indústrias de papel e energia renovável.

Subscrever

Media

Media