LISTAS DE ESPERA COM MAIS DE UM ANO E MEIO PODEM AGRAVAR-SE DEVIDO À PANDEMIA

No âmbito do Dia Internacional de Sensibilização para a Escoliose, que se assinala todos os anos no último sábado do mês de junho e este ano a dia 27 de junho, a coordenação da campanha “Josephine” reforça que não se deve menosprezar a escoliose pelo impacto que pode ter, a longo prazo, na vida de uma criança. E deixa o alerta: as listas de espera que, em circunstâncias normais, já apresentam um ano e meio de atraso, podem agravar-se devido à pandemia da COVID-19.
 
“As patologias de coluna são altamente incapacitantes e fonte de um decréscimo na qualidade de vida de uma pessoa - a escoliose representa uma parte destas patologias. E, num período em que se vive com a pandemia da COVID-19 e a necessidade de dar respostas às consultas e cirurgias que ficaram em atraso, é necessário compreender que existe uma redução de salas de blocos, anestesistas, e um tempo operatório insuficiente. Para conseguirmos dar resposta, é necessária uma atualização de guidelines, orientações claras para cada doente e uma política de saúde que permita acompanhar todos os casos sem impactar os próprios profissionais de saúde,” afirma João Lameiras Campagnolo, Ortopedista no H. D. Estefânia (Lisboa) e coordenador da Campanha “Josephine Explica a Escoliose”.
 
A escoliose é a principal deformidade da coluna em crianças e adolescentes e tem um grande impacto na autoestima por provocar uma deformidade visível em forma de ‘S’ na coluna. Esta doença é mais comum a partir dos 10 anos, uma idade crítica do crescimento das crianças (perto do início da adolescência). O diagnóstico e tratamento precoce, as possibilidades de tratamento e informação acerca dos riscos são fundamentais para evitar o impacto da escoliose na vida de uma criança.
 
“É importante perceber que as crianças que não recebem o devido tratamento sofrem com um impacto, a longo prazo, na sua vida. É preciso combater as situações anacrónicas, desadequadas, com barreiras focadas na receita e com uma burocracia avassaladora que não permite que as aprovações – particularmente de tratamentos não cirúrgicos, como os coletes – sejam submetidas a tempo. As opções de tratamento podem incluir o uso de colete de correção, em casos menos graves, ou cirurgia à coluna, que atualmente revela ser um procedimento com elevada segurança e sucesso terapêutico,” menciona João Lameiras Campagnolo.
 
A coordenação da campanha Josephine reforça ainda que “se existir uma diferença de altura entre os ombros, se a cintura se apresentar descaída de um dos lados, ou se for identificada uma proeminência da caixa torácica quando a criança dobra/flecte o tronco para diante, o próximo passo é procurar o médico.”
 
Mais sobre a Campanha ‘Josephine explica a escoliose’
A campanha nacional ‘Josephine explica a escoliose’ foi lançada em 2016 com o objetivo de sensibilizar e esclarecer sobre a escoliose pediátrica. A campanha conta com o patrocínio científico da Sociedade Portuguesa de Ortopedia e Traumatologia e da Sociedade Portuguesa de Pediatria e com o apoio da www.medtronic.pt

Tags:

Sobre nós

É uma das maiores empresas globais em tecnologia, serviços e soluções médicas, que contribuem para aliviar a dor, restabelecer a saúde e prolongar a vida de milhões de pessoas, todos os anos, em todo o mundo. A nível global a Medtronic emprega mais de 88.000 pessoas, chegando a médicos, hospitais e pacientes em aproximadamente 160 países. A empresa está focada numa relação colaborativa com os seus parceiros no sentido de levar os cuidados de saúde Further, Together.

Subscrever