RESULTADOS COMERCIAIS MUNDIAIS 2018

As vendas do Grupo Renault atingiram 3,9 milhões de unidades, com um crescimento de 3,2%, incluindo as marcas Jinbei e Huasong.
 
• As vendas do Grupo Renault cresceram 3,2% em 2018, com a integração, desde o dia 1 de janeiro de 2018, das marcas Jinbei e Huasong. Sem estas, as vendas tiveram um recuo de 1,2%, num mercado que, a nível mundial, teve uma quebra de 0,3 %.
• O Grupo manteve a trajetória do seu plano Drive the Future, com o desenvolvimento das atividades nos mercados fora da Europa, cujas vendas representaram 50,6 % do total (vs 49,2 % em 2017).
• No mercado de veículos elétricos, as vendas da marca Renault cresceram 36,6% em 2018, com uma especial aceleração no segundo semestre (+62,1%). A Renault liderou o mercado Europeu, com uma quota de mercado de 22,2%.
• No mercado de Comerciais Ligeiros, as vendas do Grupo progrediram 33,7%, atingindo as 619 229 unidades.
• Para 2019, a Renault visa um ligeiro crescimento das vendas, nomeadamente no segundo semestre, na sequência do lançamento de novos modelos nos mercados internacionais e à comercialização, na Europa, do Novo Clio, que será revelado no Salão de Genebra.
 
 
Em 2018, o Grupo Renault vendeu 3 884 295 automóveis, dos quais, 2 532 567
(-5,2%) da marca Renault e 700 798 (+7,0%) da marca Dacia. As vendas da Lada aumentaram 18,7% para 398 282 unidades, as da Renault Samsung Motors diminuíram
14,9% para 84 954 unidades e as da Jinbei e Huasong foram de 165 603 unidades.
 
No mercado de veículos elétricos, as vendas da marca Renault, em todo o mundo, progrediram 36,6%. A Renault foi líder do mercado Europeu, com uma quota de mercado de 22,2%. As vendas do ZOE cresceram 26,1% (39 458 unidades) e as do Kangoo Z.E. aumentaram 5,1% (para 8 747 unidades).
 
No mercado de Comerciais Ligeiros, os volumes do Grupo cresceram 33,7%, incluindo as vendas da Jinbei e da Huasong. A marca Renault obteve um novo recorde de vendas de comerciais ligeiros, em 2018.
 
«O crescimento das vendas do Grupo na Rússia, no Brasil e em África, permitiram compensar a quase totalidade dos ‘ventos contrários’ e nível económico e geopolítico fora da Europa» afirma Olivier Murguet, membro do Comité Executivo, Diretor-Comercial e das Regiões do Grupo Renault.
 
Na Europa, as vendas mantiveram-se estáveis (+0,5%), num mercado que cresceu apenas 0,2%. O Clio manteve-se como o segundo modelo mais vendido na Europa e o Captur o líder dos crossovers na categoria.
 
A marca Dacia obteve um novo recorde de vendas na Europa, com 511 622 automóveis vendidos (+10,3 %), a que correspondeu uma nova quota de mercado recorde de 2,9% (+0,3 pontos). Um crescimento sustentado no sucesso comercial do Novo Duster (lançado no início do ano), mas também do modelo Sandero.
 
O Grupo Renault manteve a trajetória do plano Drive the Future, com o crescimento das vendas nos mercados fora da Europa, que representaram 50,6 % das vendas totais (49,2% em 2017). Um resultado que também é justificado pela integração das marcas Jinbei e Huasong e que compensou a quebra das vendas na Turquia, na Índia e, desde setembro, a paragem completa no Irão.
 
 
PERSPETIVAS COMERCIAIS PARA O GRUPO RENAULT EM 2019
 
Em 2019, o mercado mundial, mas igualmente o mercado europeu, deverão permanecer estáveis face a 2018.
 
Neste contexto, o Grupo visa atingir um ligeiro crescimento das vendas em 2019, mas com uma aceleração no segundo semestre, assente no lançamento de novos modelos fora da Europa e à comercialização, no “velho continente”, de um dos pilares do Grupo, o Novo Clio.

(Comunicado integral em anexo)

Tags:

Subscrever