Inibidor de BTK que atinge o sistema nervoso central alcança o endpoint primário de estudo de fase 2 na esclerose múltipla com surtos

  • O inibidor de BTK da Sanofi é a primeira terapêutica modificadora da doença com foco nos danos causados pela Esclerose Múltipla (EM) no cérebro
  • A Sanofi vai iniciar quatro estudos de fase 3 nas formas com surtos e progressivas de EM

O estudo de fase 2b da Sanofi para avaliar o inibidor experimental do BTK (enzima tirosina cinase de Bruton) (SAR442168), uma pequena e seletiva molécula oral, que atravessa a barreira hemato-encefálica, atingiu o seu endpoint principal. No estudo, esta molécula reduziu significativamente a atividade associada à Esclerose Múltipla (EM), como comprovado através dos resultados da ressonância magnética (RM). O SAR442168 foi bem tolerado e não apresentou novos dados de segurança.

Pensa-se que o inibidor do BTK modula quer células da imunidade adquirida (como os linfócitos B), quer células da imunidade inata (como a micróglia do sistema nervoso central (SNC) relacionadas com a neuroinflamação presente no cérebro e na medula espinal em doentes com EM.

“A maioria das pessoas que vivem com Esclerose Múltipla desenvolve incapacidade durante a doença. Acreditamos que o nosso inibidor do BTK tem o potencial de transformar a forma como a EM é tratada. Esta molécula pode ser a primeira terapêutica direcionada às células B que não só inibe o sistema imunitário na periferia, como também atravessa a barreira hematoencefálica para suprimir as células do sistema imunitário que migraram para o cérebro e espinal medula, enquanto modula a micróglia residente, implicadas na progressão da EM ”, disse John Reed, MD, Ph.D., chefe global de investigação e desenvolvimento da Sanofi. "Com base no legado de Esclerose Múltipla da Sanofi, ficámos encorajados com estes resultados clínicos e esperamos avançar rapidamente com esta terapêutica para ensaios clínicos pivotal".

Quatro estudos de fase 3 vão avaliar os efeitos do SAR442168 nas taxas de surtos da EM, na progressão da incapacidade e nos danos subjacentes ao sistema nervoso central. Estes estudos sobre as formas com surtos e progressivas, estão planeados e irão iniciar-se durante este ano são decorrerão durante 2020.

É com enorme satisfação que podemos informar que Portugal acaba de ser confirmado para participar no Programa de Desenvolvimento Clínico do BTKi  em Esclerose Múltipla, com 3 Ensaios Clínicos de Fase III. Prevemos que estes estudos possam estar em 23 centros e envolver potencialmente 66 doentes, proporcionando aos investigadores e aos doentes portugueses o acesso à inovação”. afirma Cátia Marques, Country CSU Head Clinical Study Unit – Portugal / Iberic Cluster.

Nos EUA e na Europa, existem aproximadamente 1,2 milhões de pessoas diagnosticadas com EM, uma doença crónica imprevisível que ataca o sistema nervoso central. Apesar dos tratamentos atuais, muitos doentes continuam a apresentar agravamento da incapacidade e um em cada quatro sofre de uma forma progressiva da doença, com tratamentos limitados ou inexistentes. O mercado global de tratamentos para a EM excede os 20 mil milhões de euros anualmente.

Resultados detalhados do estudo de fase 2, incluindo endpoints avançados de imagem, serão apresentados num congresso da especialidade.

Sobre o estudo de fase 2b

Estudo aleatório, duplamente cego, controlado por placebo, cruzado, com duração de 12 semanas, que avaliou o SAR442168 em doentes com EM com surtos. Num dos grupos, os doentes (n = 60) receberam uma das quatro doses de SAR442168 nas primeiras 12 semanas e depois passaram para placebo durante quatro semanas. O outro grupo (n = 60) recebeu 4 semanas de placebo antes de passar para o SAR442168, fornecendo dados que podem ser utilizados para estimar uma curva dose-resposta e minimizar a exposição ao placebo.

No estudo, o SAR442168 demonstrou uma relação dose-resposta na redução de novas lesões cerebrais captantes de gadolínio (Gd) em T1 após 12 semanas de tratamento. Os resultados de segurança foram consistentes com a primeira fase do estudo relatada anteriormente.

Uma curva dose-resposta para o SAR442168 em termos de redução da atividade da lesão cerebral por ressonância magnética será usada para seleção da dose da fase 3. Os doentes que completarem a visita da semana 16 serão elegíveis para se inscrever num estudo de monitorização de segurança a longo prazo para avaliar a segurança e a tolerabilidade do SAR442168.

Sobre o SAR442168

O SAR442168 é uma pequena molécula em investigação de administração oral que atravessa a barreira hemato-encefálica tendo uma ação seletiva. Nos estudos de Fase 1, o SAR442168 demonstrou ligação ao BTK e estava presente no líquido cefalorraquidiano. A eficácia e segurança do SA442168 ainda não foram revistas por nenhuma autoridade reguladora.

A Sanofi obteve direitos globais para desenvolver e comercializar o SAR442168 sob um contrato de licença com a Principia Biopharma, Inc.

Para mais informações sobre os ensaios clínicos SAR442168, visite www.clinicaltrials.gov.

Tags:

Sobre nós

Sanofi Genzyme é uma empresa norte-americana do ramo de biotecnologia fundada em 1981. Trata-se de uma das maiores empresas do mundo na área de biotecnologia farmacêutica.Possui produtos em mais de cem países. A sua sede está localizada em Cambridge, Massachusetts. Foi comprada pela Sanofi.

Subscrever