SONAE CAPITAL CRESCE 27,3% EM 2019 E ALCANÇA VENDAS CONSOLIDADAS DE 300 MILHÕES DE EUROS

1. PRINCIPAIS DESTAQUES:
 

  • Vendas das unidades de negócio cresceram 46,5%, para 269M€
  • EBITDA consolidado aumentou 9,9%, para 38,1M€
  • EBIT Recorrente aumentou 7,4% para 6,3M€
  • Resultado líquido foi de -12,3M€, dado efeito contabilístico non cash decorrente da venda da RACE
  • Investimento aumentou 58,6% para a 51,7M€, impulsionado por aquisições na área da Energia e do Fitness e pela construção de uma central de cogeração alimentada a biomassa
  • Dividendo de 0,060€ por ação, equivalente a um dividend yield de 8%
 
 
2. ANÁLISE CONSOLIDADA
A Sonae Capital prosseguiu com a sua estratégia de crescimento ao longo do ano de 2019, fomentando o desenvolvimento dos vários negócios, o que lhe permitiu continuar a aumentar as vendas e a reforçar a rentabilidade operacional.
O Grupo implementou de forma bem-sucedida a estratégia de gestão activa do seu portefólio, investindo nas aquisições da comercializadora de energia Futura Energía Inversiones, da cadeia de ginásios Urban Fit e da exploração do hotel Aqualuz Lagos, bem como realizando a alienação do negócio de Refrigeração e AVAC, a RACE.
Fruto desta estratégia, o Volume de Negócios consolidado atingiu 300M€ em 2019, registando um crescimento de 27,3% face ao ano anterior. O Volume de Negócios das Unidades de Negócio situou-se em 269M€, valor que traduz um aumento de 46,5% em relação ao ano anterior, sendo de realçar o crescimento de dois dígitos nos segmentos de Hotelaria e Fitness e de três dígitos no segmento de Energia (dada a integração da Futura Energía Inversiones). Na Unidade de Activos Imobiliários é de destacar o crescimento de 12,6% do Troia Resort, que reforça o crescimento de 7,4% registado nas Operações de Troia.
Em termos operacionais, o EBITDA das Unidades de Negócio cresceu 8,9% para 35,3M€ e na Unidade de Activos Imobiliários aumentou 17,3%, para 10,1M€. Esta forte melhoria da rentabilidade operacional traduziu-se num EBITDA consolidado de 38,1M€, o qual representou um crescimento de 9,9% face a 2018.
O EBIT Recorrente situou-se em 6,3M€, tendo crescido 7,4% impulsionado por uma evolução favorável quer das Unidades de Negócio quer da Unidade de Activos Imobiliários. A área de Hotelaria alcançou inclusive um resultado recorde ao atingir um EBIT de 1,7 M€.
Apesar do forte desempenho operacional, o resultado líquido foi de -12,3M€, refletindo principalmente o efeito contabilístico non cash associado à venda da participação da RACE. Excluindo este efeito, a evolução do resultado líquido teria sido positiva face ao ano anterior, onde o valor registado foi de -6M€.
Em 2019 o Investimento aumentou 58,6% para em 51,7M€, traduzindo os investimentos em curso no segmento de Energia, nomeadamente no projecto de desenvolvimento da central de cogeração alimentada a Biomassa (no valor de 27,4M€) e na aquisição da Futura Energía Inversiones (no valor de 6,2M€), assim como do investimento realizado no segmento de Fitness, que inclui a aquisição da cadeia Urban Fit.
Na sequência dos resultados obtidos em 2019, nomeadamente decorrentes da alienação de activos imobiliários, e uma vez garantida a manutenção de uma estrutura de capital adequada à tipologia de negócios e de activos em posse do Grupo, o Conselho de Administração irá propor, em Assembleia Geral Anual de Accionistas, a distribuição de dividendos no valor de 15 milhões de euros, equivalentes a um dividendo ilíquido de 0,060 euros por acção. Este dividendo corresponde a um dividend yield de 8% relativamente à cotação de fecho do dia 31 de Dezembro de 2019 (que se fixou em 0,753 euros).
 
3.DA MENSAGEM DO CEO DA SONAE CAPITAL, MIGUEL GIL MATA
O ano de 2019 foi, sem dúvida, de importantes concretizações no âmbito da nossa gestão activa de portefólio. Alienámos a nossa participação no capital da RACE e encerrámos um ciclo de quase 35 anos desta empresa. Criámos condições para a RACE iniciar um novo ciclo de crescimento, gerador de valor para os novos accionistas e para os seus colaboradores e, ao mesmo tempo, cristalizámos valor, libertando fundos para alavancar o nosso caminho de crescimento. Em simultâneo, completámos as aquisições da cadeia Urban Fit e da Futura Energía Inversiones, com vista a potenciar o desenvolvimento dos segmentos de Fitness e Energia, respectivamente.
Focando-me nos resultados, o Volume de Negócios das Unidades de Negócio cresceu 46,5% e atingiu 268,8 milhões de euros, em resultado de um desempenho robusto em praticamente todos os nossos segmentos, sendo de notar o contributo significativo da Unidade de Trading e Comercialização. Já o EBITDA aumentou 8,9%, para 35,3 milhões de euros. Também o EBIT evoluiu de forma positiva, para 6,4 milhões de euros, 11,8% acima do ano de 2018.
No segmento de Energia, a equipa está totalmente focada em crescer enquanto promotor de soluções integradas de Energia, ao mesmo tempo que vai dando passos para tornar a CapWatt mais internacional: em Espanha, alavancada na recente aquisição do Grupo Futura, assim como no México. O projecto de construção da central termoeléctrica a biomassa florestal residual, em Mangualde, entrou na sua fase final e mantém-se em linha com o previsto, tanto em cumprimento de prazo, como de montante de investimento. No segmento de Fitness, suportados num modelo de expansão bem calibrado, detemos hoje 37 Clubes e mais de 104 mil sócios activos, ao mesmo tempo que assegurámos, em 2019, um crescimento da margem EBIT de 2,4pp, para 8,7%. No segmento de Hotelaria, o esforço colocado, não só, na melhoria dos indicadores operacionais, mas também, na optimização das operações, traduziu-se num EBIT recorde, de 1,7M€, e num crescimento de 3,6pp na margem EBIT, para 6,2%.
Na Unidade de Activos Imobiliários concluímos escrituras de compra e venda no valor de 33 milhões de euros e detemos ainda em carteira Reservas e Contratos Promessa de Compra e Venda (CPCVs) de idêntico montante. Este desempenho é particularmente importante no que à geração de liquidez diz respeito. Em 2019, esta unidade gerou mais de 43 milhões de euros de liquidez, fundamental para manter um Balanço saudável, ao mesmo tempo que continuámos a investir no nosso portefólio, visando a melhoria da posição competitiva dos nossos negócios. Adicionalmente, permite-nos manter uma remuneração accionista adequada. Neste contexto, a Dívida Financeira Líquida atingiu 141,2 milhões de euros no final de Dezembro de 2019, não obstante o investimento de 51,7 milhões de euros e a distribuição de dividendos no valor de 18,5 milhões de euros.
O Resultado Líquido deste ano evoluiu de forma negativa, impactado pelo reconhecimento de uma menos-valia relacionada com a alienação da RACE e pela ausência de vendas significativas de Activos Imobiliários sobre os quais, no entanto, mantemos boas perspectivas de curto-prazo.
Assim, assentes num Balanço adequado e, tal como nos anos anteriores, na geração de liquidez associada à venda de Activos Imobiliários e sem comprometer o plano de investimento nas nossas Unidades de Negócio, gostaria de anunciar que o Conselho de Administração irá propor, em Assembleia Geral Anual de Accionistas, a distribuição de dividendos no valor de 15 milhões de euros, equivalentes a um dividend yield de 8,0%.
Com base nos resultados que hoje divulgamos, reitero o meu conforto e confiança na estratégia delineada para a Sonae Capital, assim como na competência dos nossos recursos humanos para a executar.

(Comunicado integral e fotografia de Miguel Gil Mata em anexo)
 

Tags:

Sobre nós

Empresa de retalho.

Subscrever

Media

Media