INFARMED APROVA REVESTIVE® (TEDUGLUTIDO) PARA USO NO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE A DOENTES COM SÍNDROME DO INTESTINO CURTO

A Takeda Portugal acaba de anunciar que REVESTIVE® (teduglutido) pó e solvente para solução injetável obteve a aprovação do INFARMED para uso no Serviço Nacional de Saúde no tratamento de doentes com Síndrome do Intestino Curto com 1 ano de idade ou mais1.
REVESTIVE® (teduglutido), o primeiro e único tratamento para a Síndrome do Intestino Curto (SIC), é indicado para o tratamento de doentes com 1 ano de idade ou mais, com Síndrome do Intestino Curto (SIC). Os doentes devem estar estáveis após um período de adaptação intestinal depois da cirurgia1.

REVESTIVE® (teduglutido) melhora a capacidade de absorção intestinal de nutrientes e líquidos, permitindo uma maior autonomia relativamente ao aporte endovenoso de nutrientes, reduzindo o risco de complicações e melhorando a qualidade de vida dos doentes2.
A Síndrome do Intestino Curto (SIC) é uma doença rara e que afeta significativamente a qualidade de vida dos doentes, resultante de uma incapacidade do intestino para absorver os nutrientes e os líquidos necessários provenientes da alimentação1, devido a uma resseção considerável do intestino. O controlo da SIC implica terapêutica nutricional, nomeadamente através do aporte artificial de nutrientes e fluidos por via endovenosa (suporte parentérico).

Apesar do suporte parentérico ser fundamental para a sobrevivência dos doentes com SIC, contribuindo para o processo de absorção dos nutrientes e fluidos necessários para o organismo, a longo prazo pode levar ao desenvolvimento de complicações, incluindo infeções associadas a cateteres venosos, perda de acesso venoso central, doença hepática e doença óssea metabólica.3

REVESTIVE® (teduglutido) é um análogo do peptídeo 2 semelhante ao glucagon (GLP-2), produzido em células de Escherichia coli através da tecnologia de ADN recombinante e surge como uma opção terapêutica para reduzir ou mesmo eliminar o suporte parentérico na população adulta e pediátrica com SIC, trazendo assim ganhos significativos na qualidade de vida dos doentes e na prevenção de complicações associadas ao SP2.
REVESTIVE® (teduglutido) melhora a capacidade de absorção intestinal de nutrientes e líquidos, através de uma ação benéfica sobre a hipertrofia da mucosa intestinal, promovendo o aumento do comprimento das vilosidades e profundidade das criptas, reduzindo a motilidade e secreções gástricas, estimulando o fluxo sanguíneo mesentérico e aumentando a função da barreira intestinal4.

Com esta molécula inovadora, doentes que até aqui dependiam da administração de nutrientes e fluidos por via endovenosa, podem agora ganhar alguma autonomia relativamente ao aporte endovenoso de nutrientes, melhorando, assim, significativamente a sua qualidade de vida.
A evidência científica tem demonstrado os benefícios da utilização de REVESTIVE® (teduglutido) na melhoria da função intestinal e na redução da necessidade de suporte parentérico em crianças e adultos com Síndrome do Intestino Curto e Falência Intestinal (SIC-FI)1,3,5.
No principal estudo de fase 3, em dupla ocultação e controlado por placebo, realizado com REVESTIVE® (teduglutido) em doentes com SIC que necessitavam de suporte parentérico, foi demonstrado que REVESTIVE® (teduglutido) é bem tolerado pelos doentes, promovendo a redução do volume e número de dias com suporte parentérico1,3. Num estudo de extensão de 2 anos, uma percentagem de doentes ficou independente do SP6.

Na população pediátrica, em que a SIC é a principal causa de falência intestinal7, REVESTIVE® (teduglutido) foi estudado num ensaio clínico de 12 semanas, sem ocultação, em 42 crianças entre 1 e 14 anos de idade dependentes de suporte parentérico e num estudo adicional de 24 semanas, multicêntrico, aleatorizado, em dupla ocultação, em 59 indivíduos pediátricos com idades entre 1 e 17 anos, também dependentes de suporte parentérico. Ambos os estudos demonstraram que REVESTIVE® (teduglutido) é bem tolerado na população pediátrica com SIC e está associado a uma redução do volume de suporte parentérico. Algumas crianças conseguiram mesmo ficar independentes do suporte parentérico1,3.

Esta aprovação acompanha o compromisso da Takeda em disponibilizar opções terapêuticas inovadoras e melhorar a qualidade de vida dos doentes com patologias gastrointestinais raras, complexas e debilitantes como a SIC-FI.
Helena Coutinho, Head of Patient Value & Access and Communications, afirma: “Esta aprovação em Portugal representa um grande avanço para os doentes com SIC possibilitando-lhes uma maior autonomia do suporte parentérico que é muito relevante para a sua qualidade de vida.”
 
“Com a disponibilização desta inovação permitimos que os profissionais de saúde tenham agora um impacto muito mais positivo na vida dos doentes, que passam de uma vida dependente, para uma vida mais independente-representando um novo paradigma no tratamento da SIC”, disse Sónia Batista, diretora da unidade de Gastrenterologia em Portugal.
 
Sobre a Síndrome do Intestino Curto
A Síndrome do Intestino Curto (SIC) é uma doença gastrointestinal rara, grave e debilitante, que resulta de uma incapacidade do intestino para absorver os nutrientes e líquidos provenientes da alimentação. A má absorção dos nutrientes é provocada pela perda de massa intestinal, causada pela remoção cirúrgica de uma parte significativa do intestino, na sequência de um defeito congénito ou de uma doença.
Sobre a Takeda
A Takeda é uma empresa biofarmacêutica líder mundial, sediada no Japão, baseada em valores e orientada para a I&D. A Takeda em Portugal foca os seus esforços em quatro áreas terapêuticas: Oncologia, Gastrenterologia, Hemofilia & Plasma e Doenças Raras Genéticas. Também investimos em I&D direcionada para Neurociências e Vacinas. Estamos focados em desenvolver terapêuticas altamente inovadoras que façam a diferença na vida das pessoas, superando fronteiras com novas opções terapêuticas e impulsionando o nosso forte sistema colaborativo de I&D e competências para criar um pipeline robusto e diversificado. Os nossos colaboradores estão empenhados em melhorar a qualidade de vida dos doentes e em trabalhar com os nossos parceiros nos cuidados de saúde em aproximadamente 80 países e regiões.
Para mais informação, visite www.takeda.pt
 
 
Informações adicionais:
 
Alexandra Queiroz | 912 275 554 | alexandra.queiroz@followhb.com
 
 
Referências:
1. REVESTIVE® (teduglutido) Resumo das Características do Medicamento. Agência Europeia de Medicamentos (EMA). https://www.ema.europa.eu/en/documents/product-information/revestive-epar-product-information_pt.pdf Último acesso em Setembro de 2019.
2.https://semanadigestiva.pt/contador/item/2159-teduglutido-%E2%80%9Cuma-nova-estrat%C3%A9gia-com-impacto-no-progn%C3%B3stico-de-doentes-com-s%C3%ADndrome-do-intestino-curto%E2%80%9D.html , publicado em semanadigestiva.pt na quarta, 05 junho 2019 16:36
3. Carter BA, et al. Outcomes from a 12-week, open-label, multicenter clinical trial of teduglutide in pediatric short bowel syndrome. J Pediatr. 2017;181:102-11.
4. Vipperla K, O'Keefe SJ. Targeted therapy of short-bowel syndrome with teduglutide: the new kid on the block. Clin Exp Gastroenterol. 2014 10 7:489-95. doi: 10.2147/CEG.S42665.
5. Jeppesen PB, Pertkiewicz M, Messing B, Iyer K, Seidner DL, O'keefe SJ, et al. Teduglutide reduces need for parenteral support among patients with short bowel syndrome with intestinal failure. Gastroenterology. 2012; 143(6):1473-1481.
6.   Schwartz  LK et al. Clin. Transl. Gastroenterol. 2016; 7: e142
7. Wales PW, Christison-Lagay ER. Short bowel syndrome: epidemiology and etiology. Semin Pediatr Surg. 2010;19(1):3-9.
1. RCM REVESTIVE® (teduglutido)  

Informações Essenciais Compatíveis com o Resumo das Características do MedicamentO
 
 
NOME DO MEDICAMENTO
Revestive 5 mg, pó e solvente para solução injetável
 
COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA
Um frasco para injetáveis com pó contém 5 mg de teduglutido*.
Após reconstituição, cada frasco para injetáveis contém 5 mg de teduglutido em 0,5 ml de solução, o que corresponde a uma concentração de 10 mg/ml.
*Um análogo do peptídeo 2 semelhante ao glucagon (GLP-2) produzido em células de Escherichia coli através da tecnologia de ADN recombinante.
 
FORMA FARMACÊUTICA
Pó e solvente para solução injetável. O pó é branco e o solvente é translúcido e incolor
 
Indicações terapêuticas
Revestive é indicado para o tratamento de doentes com 1 ano de idade ou mais, com Síndrome do Intestino Curto (SIC). Os doentes devem estar estáveis após um período de adaptação intestinal depois da cirurgia.
 
Posologia e modo de administração
O tratamento deve ser iniciado sob a supervisão de um médico com experiência no tratamento da SIC. O tratamento não deve ser iniciado até ser razoável assumir-se que um doente se encontra estável após um período de adaptação intestinal. A otimização e a estabilização do líquido intravenoso e do suporte nutricional devem ser realizadas antes de se iniciar o tratamento.A avaliação clínica realizada pelo médico deverá ter em consideração os objetivos individuais do tratamento e as preferências do doente. O tratamento deverá ser interrompido se não se conseguir obter qualquer melhoria global da afeção do doente. A eficácia e a segurança devem ser cuidadosamente monitorizadas de uma forma contínua, em todos os doentes, de acordo com as normas orientadoras para o tratamento clínico.
 
Posologia
Adultos:  A dose recomendada de Revestive é de 0,05 mg/kg de peso corporal, uma vez por dia. O volume de injeção por peso corporal é apresentado abaixo na Tabela 1. Devido à heterogeneidade da população com SIC, poderá ser considerada uma redução da posologia diária para alguns doentes, a qual deverá ser cuidadosamente monitorizada, a fim de otimizar a tolerabilidade do tratamento. Se houver omissão de uma dose, a referida dose deve ser injetada o mais rapidamente possível nesse mesmo dia.
O efeito do tratamento deverá ser avaliado após 6 meses. Dados limitados de estudos clínicos demonstraram que alguns doentes poderão demorar mais tempo a responder ao tratamento (i.e., aqueles que continuam a apresentar cólon em continuidade ou íleo distal/terminal); deve reconsiderar-se a necessidade de continuar o tratamento se não se atingir uma melhoria global após 12 meses. É recomendada a continuidade do tratamento em doentes que fizeram o desmame da nutrição parentérica.
 
Tabela 1 - Peso corporal / Volume a injetar
38-41 kg 0,20 ml 58-61 kg 0,30 ml 78-81 kg 0,40 ml
42-45 kg 0,22 ml 62-65 kg 0,32 ml 82-85 kg 0,42 ml
46-49 kg 0,24 ml 66-69 kg 0,34 ml 86-89 kg 0,44 ml
50-53 kg 0,26 ml 70-73 kg 0,36 ml 90-93 kg 0,46 ml
54-57 kg 0,28 ml 74-77 kg 0,38 ml    
 
População pediátrica (≥1 ano):  O tratamento deve ser iniciado sob a supervisão de um médico com experiência no tratamento da SIC pediátrica. A dose recomendada de Revestive em crianças e adolescentes (1 a 17 anos de idade) é a mesma que nos adultos (0,05 mg/kg de peso corporal uma vez por dia). O volume de injeção por kg de peso corporal ao utilizar-se o frasco para injetáveis na dosagem de 5 mg é apresentado na Tabela 2 abaixo. Está também disponível um frasco para injetáveis na dosagem de 1,25 mg para utilização pediátrica (doentes com um peso corporal <20>
Se houver omissão de uma dose, a referida dose deve ser injetada assim que possível nesse mesmo dia. Recomenda-se um período de tratamento de 6 meses, após o qual se deverá avaliar o efeito do tratamento. Em crianças com idade inferior a dois anos, o tratamento deve ser avaliado após 12 semanas.  Não existem dados disponíveis em doentes pediátricos após os 6 meses.
 
Tabela 2 - Peso corporal / Volume a injetar
10-11 kg 0,05 ml 22-25 kg 0,12 ml 38-41 kg 0,20 ml
12-13 kg 0,06 ml 26-29 kg 0,14 ml 42-45 kg 0,22 ml
14-17 kg 0,08 ml 30-33 kg 0,16 ml 46-49 kg 0,24 ml
18-21 kg 0,10 ml 34-37 kg 0,18 ml    ≥50 kg ver tab.1
 
A segurança e eficácia de Revestive em crianças com menos de 1 ano de idade não foram estabelecidas. Não existem dados disponíveis.
 
Populações especiais
Idosos: Não é necessário qualquer ajuste da dose em doentes com mais de 65 anos de idade.
Compromisso renal: Não é necessário qualquer ajuste da dose em doentes adultos ou pediátricos com compromisso renal ligeiro. Em doentes adultos ou pediátricos com compromisso renal moderado e grave (depuração da creatinina inferior a 50 ml/min) e doença renal em fase terminal, a dose diária deve ser reduzida em 50%.
Compromisso hepático: Não é necessário qualquer ajuste da dose em doentes com compromisso hepático ligeiro e moderado, com base num estudo realizado em indivíduos classificados como classe B de Child-Pugh. Revestive não foi estudado em doentes com compromisso hepático grave.
 
Modo de administração
A solução reconstituída deve ser administrada por injeção subcutânea uma vez por dia, alternando os locais de administração entre 1 dos 4 quadrantes do abdómen. Caso não seja possível administrar a injeção no abdómen devido a dor, cicatrização ou endurecimento do tecido, é possível utilizar-se também a coxa. Não administrar por via intravenosa ou por via intramuscular
 
Contraindicações
Hipersensibilidade à substância ativa ou a qualquer um dos excipientes ou a vestígios de tetraciclina. Diagnóstico ou suspeita de doença maligna. Doentes com um historial de doenças malignas no trato gastrointestinal, incluindo o sistema hepatobiliar e o pâncreas, nos últimos cinco anos.
 
AdvertÊncias e precauções especiais de utilização
AdultosPólipos colorretais: Deve ser realizada uma colonoscopia com remoção dos pólipos ao iniciar-se o tratamento. Realização de colonoscopias de seguimento anuais (ou outro exame imagiológico alternativo) durante os primeiros dois anos de tratamento. Recomenda-se colonoscopias subsequentes em intervalos mínimos de cinco anos. Deve ser feita avaliação individual para determinar se é necessário aumentar a frequência da vigilância com base nas características do doente . Se for detetado um pólipo, recomenda-se o cumprimento das normas orientadoras atuais sobre seguimento de pólipos. Em caso de doença maligna, a terapêutica com Revestive tem de ser interrompida.
Neoplasia gastrointestinal, incluindo trato hepatobiliar: No estudo de carcinogenicidade em ratos, foram encontrados tumores benignos no intestino delgado e nos canais biliares extra-hepáticos. Estas observações não foram confirmadas em estudos clínicos com uma duração superior a um ano. Se for detetada uma neoplasia, esta deverá ser removida. Em caso de doença maligna, o tratamento com Revestive tem de ser interrompido.
Vesícula biliar e canais biliares: Notificados casos de colecistite, colangite e colelitíase em estudos clínicos. Se ocorrerem sintomas relacionados com a vesícula biliar ou com o canal biliar, deve reavaliar-se a necessidade de se continuar o tratamento.
Doenças pancreáticas: Notificados acontecimentos pancreáticos, tais como pancreatite crónica e aguda, estenose do ducto pancreático, infeção do pâncreas e aumento da amílase e lípase sanguíneas em estudos clínicos. Em caso de acontecimentos pancreáticos, deve reavaliar-se a necessidade de se continuar o tratamento com Revestive.
Monitorização do intestino delgado, da vesícula biliar e dos canais biliares, e do pâncreas: Os doentes com SIC devem ser cuidadosamente monitorizados de acordo com as normas orientadoras para o tratamento clínico. Normalmente, isto inclui a monitorização da função do intestino delgado, da vesícula biliar e dos canais biliares, e do pâncreas para deteção de sinais e sintomas, e, caso haja indicação, exames laboratoriais adicionais e técnicas de imagiologia adequadas.
Obstrução intestinal: Notificados casos de obstrução intestinal em estudos clínicos. Em caso de obstruções intestinais recorrentes, deve reavaliar-se a necessidade de se continuar o tratamento com Revestive.
Sobrecarga de líquidos:  Observada uma sobrecarga de líquidos em ensaios clínicos. Os acontecimentos adversos por sobrecarga de líquidos ocorreram com maior frequência durante as 4 primeiras semanas de terapêutica e diminuíram ao longo do tempo.
Devido ao aumento da absorção de líquidos, os doentes com doenças cardiovasculares, tais como insuficiência cardíaca e hipertensão, devem ser monitorizados no que diz respeito à sobrecarga de líquidos, particularmente durante o início da terapêutica. Os doentes devem ser aconselhados a consultar o seu médico em caso de aumento súbito de peso, inchaço dos tornozelos e/ou dispneia. A sobrecarga de líquidos pode ser prevenida através de uma avaliação das necessidades nutricionais parentéricas. Esta avaliação deve ser realizada mais frequentemente nos primeiros meses de tratamento.
Observada insuficiência cardíaca congestiva em ensaios clínicos. Em caso de uma deterioração significativa da doença cardiovascular, deve reavaliar-se a necessidade de um tratamento continuado com Revestive.
Controlo de fluidos durante o tratamento com Revestive:  Em doentes a receberem Revestive, o suporte parentérico deve ser reduzido de forma cuidadosa e não deve ser descontinuado de forma abrupta. O nível de fluidos do doente deve ser avaliado após a redução do suporte parentérico e deve proceder-se ao ajuste correspondente, conforme necessário.
Medicamentos concomitantes:  Os doentes que estão a receber em simultaneo medicamentos orais que requeiram ajuste posológico ou que apresentam um índice terapêutico estreito, devem ser cuidadosamente monitorizados devido a um potencial aumento da absorção.
Afeções clínicas especiais: Revestive não foi estudado em doentes com doenças concomitantes graves e clinicamente instáveis (por exemplo, doenças cardiovasculares, respiratórias, renais, infecciosas, endócrinas, hepáticas ou do SNC) ou em doentes com doenças malignas nos últimos cinco anos. Recomenda-se precaução ao prescrever-se Revestive.
Compromisso hepático: Revestive não foi estudado em doentes com compromisso hepático grave. Os dados decorrentes da utilização em indivíduos com compromisso hepático moderado não sugerem a necessidade de uma utilização restrita.
Interrupção do tratamento: Devido ao risco de desidratação, a descontinuação deve ser controlada.
 
População pediátrica Ver também em adultos.
Pólipos/neoplasias colorretais: Antes de se iniciar o tratamento, deve efetuar-se uma análise de sangue oculto nas fezes em todas as crianças e adolescentes. É necessário proceder-se a uma colonoscopia/sigmoidoscopia se houver evidência de sangue inexplicado nas fezes. Devem efetuar-se análises subsequentes de sangue oculto nas fezes anualmente nas crianças e adolescentes enquanto estiverem a receber Revestive.
Recomenda-se uma colonoscopia/sigmoidoscopia para todas as crianças e adolescentes após um ano de tratamento, de 5 em 5 anos daí em diante durante o tratamento contínuo com Revestive, e se tiverem hemorragia gastrointestinal nova ou inexplicada. Precauções em pessoas com hipersensibilidade conhecida à tetraciclina.
 
Revestive contém menos de 1 mmol de sódio (23 mg) por dose, é praticamente “isento de sódio”.
 
Interacções medicamentosas e outras formas de interacção
Não foram realizados estudos clínicos de interação farmacológica. Um estudo in vitro indica que teduglutido não inibe as enzimas do citocromo P450 responsáveis pelo metabolismo dos fármacos. Com base no efeito farmacodinâmico de teduglutido, existe um potencial para o aumento da absorção de medicamentos administrados concomitantemente.
 
Efeitos indesejáveis
Resumo do perfil de segurança
As reações adversas(RAMs) foram obtidas de 2 estudos clínicos controlados por placebo mais frequentemente notificadas foram dor e distensão abdominal, infeções do trato respiratório (incluindo nasofaringite, gripe, infeção do trato respiratório superior e infeção do trato respiratório inferior), náuseas, reações no local da injeção, cefaleias e vómitos. Aproximadamente 38% dos doentes tratados devido a um estoma tiveram complicações do estoma gastrointestinal. A maioria destas reações foram ligeiras ou moderadas. Ver RCM completo.
 
Classes de sistemas de órgãos        e  frequência:
Infeções e infestações: Muito frequentes - Infeção do trato respiratório. Frequentes - Doença tipo gripe  / Doenças do sistema imunitário: Desconhecido -  Hipersensibilidade / Doenças do metabolismo e da nutrição: Frequentes - Perda de apetite; Sobrecarga de líquidos / Perturbações do foro psiquiátrico: Frequentes – Ansiedade; Insónias / Doenças do sistema nervoso: Muito frequentes – Cefaleias / Cardiopatias: Frequentes - Insuficiência cardíaca congestiva              
Vaculopatias: Pouco frequentes – Síncope / Doenças respiratórias, torácicas e do mediastino: Frequentes – Tosse; Dispneia / Doenças gastrointestinais: Muito frequentes - Distensão abdominal; Dor abdominal; Náuseas; Vómitos. Frequentes - Pólipo colorretal; Estenose do cólon; flatulência; Obstrução intestinal; Estenose do ducto pancreático; Pancreatite; Estenose do intestino delgado. Pouco frequentes - Pólipo no duodeno. Desconhecido - Pólipo gástrico. / Afeções hepatobiliares: Frequentes – Colecistite; Colecistite aguda / Perturbações gerais e alterações no local de administração: Muito frequentes - Reação no local de injeção. Frequentes - Edema periférico. Desconhecido - Retenção de líquidos / Complicações de intervenções relacionadas com lesões e intoxicações: Muito frequentes - Complicações relacionadas com estoma gastrointestinal                                  
 
Descrição de RAMs selecionadas
Imunogenicidade: A administração de Revestive poderá ativar potencialmente o desenvolvimento de anticorpos, o que é consistente com as propriedades potencialmente imunogénicas dos medicamentos que contêm peptídeos. A formação de anticorpos não foi associada a observações de segurança clinicamente relevantes, à redução da eficácia ou à alteração da farmacocinética de Revestive. Ver RCM completo.
Reações no local da injeção: As reações no local da injeção ocorreram em 26% dos doentes com SIC tratados com teduglutido, em comparação com 5% dos doentes no braço do placebo. As reações incluíram hematoma no local de injeção, eritema no local de injeção, dor no local de injeção, inchaço no local de injeção e hemorragia no local de injeção. A maioria das reações foram moderadas em termos de gravidade e não houve ocorrências que tivessem levado à descontinuação do fármaco.
Proteína C reativa: Foram observados aumentos moderados da proteína C reativa de, aproximadamente, 25 mg/l nos primeiros sete dias de tratamento,os quais diminuíram continuamente com o decorrer das injeções diárias. Após 24 semanas de tratamento com teduglutido, os doentes apresentaram um pequeno aumento global da proteína C reativa de, aproximadamente, 1,5 mg/l em média. Ver RCM completo.
População pediátrica: Em dois ensaios clínicos concluídos foram incluídos 87 indivíduos pediátricos (1 a 17 anos) e os mesmos foram expostos ao teduglutido durante um período de até 6 meses. Nenhum indivíduo descontinuou os estudos devido a um acontecimento adverso. Em termos globais, o perfil de segurança de teduglutido (incluindo o tipo e frequência de reações adversas e imunogenicidade) em crianças e adolescentes (1-17 anos) foi similar ao dos adultos. Ver RCM completo.
 
NOTIFICAÇÃO DE SUSPEITAS DE RAMs
A notificação de suspeitas de reações adversas permite uma monitorização contínua da relação benefício-risco do medicamento. Pede-se aos profissionais de saúde que notifiquem quaisquer suspeitas de reações adversas :
INFARMED, I.P. - Direção de Gestão do Risco de Medicamentos
Parque da Saúde de Lisboa, Av. Brasil 53, 1749-004 Lisboa
Tel: 217987373 - Linha do Medicamento: 800222444 (gratuita)
Sítio da internet: infarmed.pt/web/infarmed/submissaoram
E-mail: farmacovigilancia@infarmed.pt
 
CONDIÇÔES de conservação: Conservar abaixo de 25°C.
TITULAR DA AIM: Shire Pharmaceuticals Ireland Limited, Dublin 2, Irlanda.
Classificação: MSRM restrita - alínea a) do artigo 118º do D.L. 176/2006.
Fevereiro 2019
 
Suspeitas de reações adversas devem ser notificadas para: drugsafety@shire.com

Tags:

Sobre nós

A Takeda é uma companhia farmacêutica mundial, orientada para a investigação e desenvolvimento, empenhada em proporcionar melhores cuidados de saúde e um futuro melhor aos doentes, convertendo a ciência nos medicamentos que mudam a vida das pessoas. A Takeda centra os seus esforços de I&D na Oncologia, Gastrenterologia e Doenças Raras. Está focada em desenvolver terapêuticas altamente inovadoras que façam a diferença na vida das pessoas. Os seus colaboradores estão empenhados em melhorar a qualidade de vida dos doentes, desenvolvendo atividade em mais de 80 países e regiões.

Subscrever