É rara e sem tratamento pode matar

Apesar de não haver ainda dados sobre o angioedema hereditário e a Covid-19, sabe-se que o stress emocional condicionado pelo isolamento social, as infeço~es (incluindo a COVID-19) e as manipulaço~es médico-cirurgicas (incluindo a entubaça~o realizada para ventilar os doentes com COVID-19 grave), podem desencadear um episódio de angioedema[1]
 
No dia 16 de maio assinala-se o Dia Mundial do Angioedema Hereditário, uma doença genética rara, caracterizada principalmente por crises com inchaços ou angioedema além de dores abdominais e, por vezes, do risco de asfixia por edema da glote/laringe. Sem tratamento, essas crises duram cerca de dois a cinco dias e podem ser causadas por traumas, stress, mudança de temperatura, tratamento dentário, cirurgias, endoscopia ,exercício físico entre outros factores desencadeadores. Em geral é doloroso, debilitante e o sintoma mais temido é o inchaço inesperado da laringe (glote), o que pode levar à morte por asfixia. Não há cura para o Angioedema Hereditário atualmente, masexistem tratamentos.[2]
A Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica (SPAIC), acaba de lançar o Esclarecimento sobre Angiodema Hereditário e Covid-19, disponível no site da sociedade https://www.spaic.pt/noticias/covid19. A Takeda irá apoiar a SPAIC num encontro online que irá abordar o Angioedema Hereditário, a Covid-19 e como ajudar os doentes, respectivas famílias e profissionais de saúde a perceber formas de minimizar o impacto da Covid-19 no tratamento e acompanhamento do Angioedema Hereditário. Ainda no decorrer no mês de Maio será divulgada a data para realização da sessão de informação online.
Em Portugal, no final de 2019, a Direção Geral da Saúde emitiu a  nova Norma de Orientação Clínica (NOC) para o diagnóstico e terapêutica do Angiodema Hereditário. O presidente da Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica (SPAIC), Prof. Doutor Manuel Branco Ferreira afirma: “A compilação num documento único representa um contributo essencial no sentido de homogeneizar, melhorar e introduzir a inovação mais recente nos cuidados prestados às pessoas com Angiodema Hereditário, doença crónica, sem cura. Esta NOC protocoliza decisões clínicas que se devem adoptar nesta área relacionadas com o tratamento profilático de longa duração e também com o tratamento agudo de crise - de acordo com as guidelines internacionais.”

  • O Angioedema Hereditário afeta cerca de 1 em 10.000 a 1 em 50.000 pessoas em todo o mundo. Muitas vezes é pouco reconhecido, sub-diagnosticado e sub-tratado.3,4
  • O diagnóstico de Angioedema Hereditário é de extrema importância tendo em conta que é potencialmente fatal e necessita de terapêutica específica, não tendo os anti -histamínicos e corticóides qualquer benefício no tratamento desta entidade clínica.2       
Sobre a Takeda:
A Takeda é uma empresa biofarmacêutica líder mundial, sediada no Japão, baseada em valores e orientada para a I&D. A Takeda em Portugal foca os seus esforços em quatro áreas terapêuticas: Oncologia, Gastrenterologia, Hemofilia & Plasma e Doenças Raras Genéticas. Também investimos em I&D direcionada para Neurociências e Vacinas. Estamos focados em desenvolver terapêuticas altamente inovadoras que façam a diferença na vida das pessoas, superando fronteiras com novas opções terapêuticas e impulsionando o nosso forte sistema colaborativo de I&D e competências para criar um pipeline robusto e diversificado. Os nossos colaboradores estão empenhados em melhorar a qualidade de vida dos doentes e em trabalhar com os nossos parceiros nos cuidados de saúde em aproximadamente 80 países e regiões.
Para mais informação, visite www.takeda.pt
 
[1] https://www.spaic.pt/noticias/covid19

[2] https://www.takeda.com/pt-pt/o-que-fazemos/therapeutic--areas/angioedema-hereditario/
3 Cicardi M et al. Allergy. 2012; 67(2):147-157
4 Longhurst HJ et al. Br J Hosp Med. 2006;67(12):654-657.

Tags:

Subscrever